Blogroll

5 de mai de 2011

Livro: Ministério do Silêncio

De acordo com a mitologia, Argus era um semideus grego, elevado a essa condição para auxiliar na proteção do Olimpo, que conseguia tudo ver e controlar todas as movimentações terrestres e divinas. Foi com essa presunção que "o Serviço" foi criado no Brasil. Partiu dai o embrião para um dos períodos, senão o período mais obscuro da história dessa nação.


Como o próprio título revela, Ministério do Silêncio pormenoriza a existência do serviço secreto brasileiro, do primeiro Presidente até Luís Inácio Lula da Silva em seu primeiro governo. Inúmeras curiosidades cercam o envolvimento dos líderes maiores da nação com o serviço secreto, mostrando a importância dessa repartição no desenrolar dos fatos que construíram a história brasileira.

Infelizmente, o "Monstro", como era chamado, teve todas suas garras envolvidas no golpe militar de 1964, iniciando um período obtuso e até hoje mal apurado. Efetivamente ativado na década de 50, contou com diversas nomenclaturas (Sfici, SNI, DI, SSI e Abin), mas foram nos 21 anos de ditadura militar no Brasil que o serviço secreto deitou e rolou. As entranhas dessa fase sangrenta, anti-humanitária e anti-democrática estão em Ministério do Silêncio.

Em passagens reveladoras, o jornalista Lucas Figueiredo aborda alguns casos conhecidos nacionalmente, como, por exemplo, os do ativista político Stuart Angel Jones e sua mãe Zuzu Angel, mortos pelos tentáculos da ditadura militar, assim como o do jornalista Vladimir Herzog, assassinado após seções de tortura. Além de outros, como uma tentativa de atentado a um show musical organizado por Chico Buarque em comemoração ao dia do trabalhor, terminando por avacalhar ainda mais a imagem do serviço secreto e do governo militar brasileiro.

Todos os Presidentes desde 1964 até a redemocratização tiveram ligação direta com o serviço secreto. Exerciam ou já tinham exercido altos cargos no Serviço, o qual, durante o referido período, se transformou na principal secretaria ou ministério do país, com orçamentos altíssimos, recursos humanos quase ilimitados, tecnologia de ponta e autorização para matar em nome da proteção dos "interesses nacionais".

Ministério do Silêncio é de grande valia para aprofundar conhecimentos sobre política brasileira, desembocando na ditadura militar e depois passeando pelo período democrático, com Sarney (supostamente), Fernando Collor de Melo, FHC e Lula. Um retrato de mais uma página obscura da história brasileira.

Ministério do Silêncio - A história do serviço secreto brasileiro de Washington Luís a Lula 1927-2005
Autor: Lucas Figueiredo
2005
Editora Record

0 Deixe seu comentário: