Blogroll

6 de set de 2011

O Homem do Futuro - um bom meio termo

O novo filme do diretor Claudio Torres conseguiu mesclar sabiamente comédia romântica com ficção científica. O Homem do Futuro merece ser assistido porque tem boas atuações, é bem produzido e dirigido e possui um roteiro quase impecável, diverte sem ser rasteiro com nossa inteligência.
No longa, o pergonagem Zero é um professor/cientista que está trabalhando numa nova fonte de energia, mas que é amargurado pelo passado, pois nos tempos de faculdade apaixonou-se pela mulher mais bonita do curso e acabou se dando mal. Dessa forma, Zero, enquanto testava a máquina de energia que criou, acidentalmente viaja no tempo até o exato dia em que viu pela última vez sua paixão.

Fazer paralelos com outros filmes de ficção científica é quase inevitável, mas um nos é remetido claramente: De Volta Para o Futuro 1 e 2, talvez o 3. Cópia, imitação deliberada? Não sei. Tem como ser original nesse quesito? Talvez esteja mais para homenagem. Homem do Futuro tem aquele velho enredo comum das comédias brasileiras, só que com um plus de uma ficção científica embutida, e é ai que a diferença acontece.

Não se poderia falar do O Homem do Futuro e não comentar a inserção da música "Tempo Perdido" da Legião Urbana, interpretada no filme pelos atores Wagner Moura e Aline Moraes. Essa foi uma ideia por demais saudável, casou perfeitamente com a história, apesar de parecer um pouco forçada devido aos acontecimentos do próprio filme. Quem assistiu ao trailer pôde sentir o clima da cena onde podemos escutar a antológica músicas do Rentato Russo. Outra música que aparece inusitadamente é "Creep" da banda Radiohead, cantada pelo próprio Wagner Moura, e nas cenas que toca dá até pra deixar aquela lagriminha safada cair sem culpa.

O Homem do Futuro consegue ser sensato na ficção científica, pois não empurra de qualquer jeito a ideia de viajem no tempo e ainda a usa de maneira moderada, sempre no sentido de complementar o cerne da história. Os efeito especiais são pontuais e bem feitos, fazendo com que fique ainda mais crível a história. De qualquer forma, por mais ficção científica que seja, O Homem do Futuro passa as emoções naturais que um bom filme deve passar. E ai está mais um acerto desse longa, ele é mais romântico e ficção científica que comédia.

0 Deixe seu comentário: