Blogroll

12 de jan de 2014

ÚLTIMAS: EUA e Irã se unem para combater a Al Qaeda

por MÁRIO CHIMANOVITCH 
jornalista e ex-correspondente de jornais brasileiros no Oriente Médio.

Uma aliança militar até então impensável, paradoxal em todos os sentidos, e que vai envolver troca de informações de inteligência e possivelmente ações diretas com apoio logístico de tropas, está vigorando em segredo entre os Estados Unidos e o Irã.

Essa aliança, não subscrita em nenhum documento ou protocolo oficial, é fruto do processo de distensão entre Washington e Teerã e tem como objetivo combater um ameaçador inimigo comum: a Al Qaeda, extremamente ativa mesmo com a morte de seu líder, Osama bin Laden.

Classificar a Al Qaeda como inimigo perigoso não é mera figura de retórica. Atuando na Síria contra as forças de Bashar al-Assad, com apoio financeiro sunita (leia-se Arábia Saudita), os combatentes dessa organização têm infligido pesadas perdas às tropas governamentais e às milícias do Hizbullah, aliadas do Irã, que as apoiam.

Essa atuação perpetua a indefinição do conflito sírio, ao passo que no Iraque se afigura como uma situação extremamente mais complicada. No sábado passado, a estratégica cidade de Falluja foi capturada pelo grupo extremista Estado Islâmico do Iraque e da Síria, com empenho decisivo das forças da Al Qaeda, à qual o grupo é ligado.

O fato é visto com gravidade pelos estrategistas militares americanos, já que se trata da primeira vez que a rede terrorista ocupa uma importante área urbana do Iraque desde a invasão norte-americana de 2003. Alem de Falluja, os extremistas sunitas dominam áreas residenciais de Ramadi, capital da província e foco de grande agitação política contra Bagdá.

A situação torna-se mais controversa ainda quando se sabe que Al Qaeda e Israel têm no Irã um adversário comum. Os Estados Unidos, no caso do Iraque, prometem entregar material sofisticado de vigilância e ataque às forças iraquianas, tais como drones (aviões não tripulados) e foguetes de precisão. Não se espera, é claro, que Israel venha a ter atitude semelhante armando os inimigos do Irã, como a Al Qaeda, que pregam a destruição do Estado judeu.

Por outro lado, apontam analistas israelenses, a situação explosiva ameaça envolver gradualmente o Líbano. O atentado da semana passada em Beirute, mais precisamente em Dahiyeh, reduto do Hizbullah, é atribuído a forças ligadas à Al Qaeda. É importante lembrar que, além de buscar vingar o assassinato de Mohammed Chatah, ex-ministro e ferrenho crítico do Hizbullah, pode ter sido também uma resposta à prisão, pelo Exército, de Majed al-Majed, chefe das Brigadas Abdullah Azzam, umbilicalmente ligadas à rede Al Qaeda.

---

Para aqueles que baseiam suas opiniões sobre assuntos internacionais naquilo exposto nos telejornais comezinhos e reportagens tendenciosas da mídia impressa pode realmente achar essa aliança militar um paradoxo como o desinformado (na melhor das hipoteses) jornalista do UOL que assina a matéria. O Irã atualmente é guiado por ideologias comunista assim como os EUA de Obama se curvam as exigências da Nova Ordem Mundial.

TM

0 Deixe seu comentário: