Blogroll

28 de mar de 2015

LIVRO: Manifesto do Nada na Terra do Nunca

- Manifesto Do Nada Na Terra Do Nunca, 2013.
- Lobão.
- Ed.: Nova Fronteira


É inegável que o cantor Lobão tem um grande exército de detratores que, com ou sem razão, o persegue e quase sempre conseguem efetivar o efeito contrário: em vez de espantar, fazem o cantor angariar mais fiéis dispostos a consumir suas idéias de vanguarda. Nesse sentido, antes de continuar a crítica do livro, posso contar minha empírica experiência. De tanto ler e ver o Lobão sendo escorraçado da "grande" mídia e por fim presenciar um show que acabou antes de começar no Festival do Inverno de Garanhuns, eu era um de seus detratores mais, digamos, incisivos. Sem raciocinar ou raciocinando tortamente, esses fiéis detratores (eu), fazem uma propaganda negativa pesada do cantor, tolhendo a ascensão merecida do mesmo no cancioneiro brasileiro. Depois que vi Lobão abandonar o palco pernambucano fui atras de informação do cantor e fiquei bestificado com o álbum lançado à época em bancas de jornais A Vida É Doce. Depois de ouvir 500 vezes o disco, deixei de ser um detrator do cantor. Durante as eleições de 2014 pude me aprofundar em suas idéias e acabei por me deparar com esse livro que me fez ter Lobão como uma referência artística no Brasil. Nem tanto pela sua música, mais sim por todo o conjunto de sua obra: livros, discos e uma postura firme perante o mainstream vampírico e de opiniões embasadas acerca de deprimente política nacional.

Em seu primeiro livro autobiográfico 50 Anos a Mil, Lobão expõe sua vida e consequentemente, seus erros. E, caso sejamos hipoteticamente cristãos, que autoridade temos para julgá-lo? Não só ele, mas qualquer pessoa. Não possuímos essa autoridade mesmo se fomos hipoteticamente ateus convictos. Afinal, hipoteticamente, mesmo não crendo em nada, ainda assim existe a Ética e a Moral, você e eu querendo ou não. Essas duas ciências servem justamente para sermos justos um com os outros e não é julgando sem conhecimento de causa que atingiremos esse nobre objetivo. 
Dito isto, deveria ser dispensado lembrar, mas não existe lógica em ligar a música de um artista com sua vida privada ou sua posição política.



Por essas bandas é normal afirmar que não se gosta de um artista porque simplesmente “não se gosta". O artista deve ser apreciado e analisado com base em seus méritos intelectuais artísticos e só. Suas crenças, possíveis ideologias, superstições e opiniões pessoais devem ser sempre separadas de sua arte ao menos que sua arte seja baseada nesses temas. Aí já outra discussão. Em fim, se você tem preconceito com o Lobão já deve ter parado de ler essa matéria a muito tempo se é que a abriu para ler. Mas se você já tem consciência de seu pequeno lugar no mundo assim como ele e eu temos, pensa humanamente sem pré-julgamentos superficiais, ou pelo menos tenta e tem interesse na nossa cultura e política, deve ler como forma de registro de um momento histórico importante: o delírio coletivo por qual sucumbiu o Brasil, um país que já foi a quinta maior economia do mundo, pariu escritores, políticos, juristas e artistas de relevância mundial e agora se contenta em ser o último país em desenvolvimento da América do Sul.



Manifesto do Nada... cai como uma luva nesses momentos de agonia por qual passa o país. Suas ideias veem no momento oportuno, no momento que cai a máscara da presidente fantoche Dilma Roussef e de seu mentor Lula. O livro abre com um prólogo em forma de poesia com um pé no rap e outro no cordel que as vezes soa exagerada, maximizada, carregada verborreicamente, porém com impacto suficiente para que o leitor queira saber o que vem depois. O primeiro capítulo aborda nossa pobreza. Seja ela material ou intelectual. E como a pobreza fincou relação de simbiose com o brasileiro mediano ao ponto de não se distinguirem-se mais um do outro. A pobreza de espírito do brasileiro de hoje vem sendo formada a muito tempo. O escritor levanta o tema de sempre comemorarmos aquilo que não é pra ser comemorado. Valoramos em excesso coisas banais como por exemplo o futebol ou a televisão com suas novelas e jornais tendenciosos. Lobão exibe como nossa cultura foi moldada pela revolução cultural esquerdista apregoada por Antonio Gramsci. Um mundo que esconde uma época onde os artistas que eram oposição a revolução comunista, sempre foram relegados a traidores da cultura, dedo-duros, etc. que o diga Wilson Simonal e tantos outros citados no livro.



O cantor exibi lastro bibliográfico. As obras citadas como referência deixam qualquer doutor de universidade de esquerda no chinelo. Ainda mais quando a média de leitura do brasileiro universitário é de um livro por ano. O capítulo inicial traz um pouco de luz sobre a pobreza de nossa cultura e da mania do brasileiro renegar o que é bom, bonito, belo e a idolatrar aquilo que é feio, ruim, pré-fabricado. `Na maioria das vezes, só por birra, por pura irracionalidade ou preguiça de pensar. O cúmulo dessa alienação para o autor são os Racionais MCs, grupo que Lobão considera o braço armado do PT na música. Não é pra menos pois o que o grupo faz é apenas exalar letras de apologia ao crime e de exaltação do lumpemproletariado (bandidos, ladrões, estupradores, traficantes, etc.) reforçando o sentimento de racha entre ricos pobres tão repetido pela esquerda enquanto seus líderes se tornam parte daquilo que eles renegam. O próprio Lobão pode ser tomado como exemplo: mesmo já tendo composto uma enxurrada de hits, o cantor sofre de "bullyng cultural" por pessoas altamente despreparadas para opinar sobre o que quer que seja. A maioria dos jornalistas que o criticam não possuem o mínimo de conhecimento sobre a música, muito menos sobre a verdadeira cultura nacional.



Sujeito culto de ascendência europeia, estudante de violão clássico, é indiscutível que o cantor vive uma realidade um tanto quanto diferente da maioria de nós. Se destacava por ser crítico, observado e consequentemente questionador. E num país como o nosso, que exalta o embuste, a mentira, o faz-de-conta, quem exerce seu direito de expressão acaba ferindo egos poderosos. Lobão conta por alto que quando foi preso após muita perseguição, não teve nenhuma vontade de fazer parte dos presos políticos da época mesmo com todos os “pressupostos” preenchidos. Deixou o rótulo com essas pessoas que hoje governam muito mal o país. Durante o fim dos anos 80 e começo dos 90, músicos excepcionais de reconhecimento estrangeiro como Tom Zé, Hermeto Pascoal, João Donato, etc. foram deixados de lado para que artistas alinhados politicamente com a esquerda pudessem se firmar como parâmetros musicais.

O cantor aproveita boa parte do livro para esclarecer sua saída do programa jornalístico A Liga exibido no canal Band. Lobão se diz uma pessoa de boas intenções, e levando em conta seus depoimentos com sua condição financeira privilegiada, chega-se a conclusão que ele realmente não precisava fazer parte programa, mas fez questão de fazer parte como “crescimento pessoal”. E só tomou na cara. Mesmo programas na linha dos documentários, tentam exibir um mínimo de polêmica. E nada mais polêmico do que um roqueiro das antigas como Lobão num mega show de tal do sertanejo universitário. E ele topa ir mesmo que no final da reportagem peça demissão. Sua narrativa da tentativa dos produtores venderem uma imagem de reality show com Lobão travestindo-se de garimpeiro, com direito a uma viagem de dias de barco e estrada de terra pelo Amazonas. 

Confesso que assim como a maioria, fui voz ativa no boicote contra o Lobão. Assim como também já fui simpatizante do PT, militante da esquerda lato sensu, seduzido pelos gritos de ordem das patricinhas uniformizadas com camisetas do PSTU ou PC do B que dominavam os diretórios acadêmicos da faculdade que cursava. Fui um idiota útil. Pior que isso só não assumir o erro. No Brasil, os formadores de opinião insistem em mostrar aquilo que não são, donos da verdade. Uma verdade capenga, sem base teórica muito menos científica, baseada apenas em achismos objetivando manipular as massas para que se sintam sempre num estado de normalidade rotineira. É a essa massa de (des)informadores de opinião que Lobão critica em seus textos. O cantor é suficientemente humilde para assumir que também já foi PTista, inclusive fazendo comícios gratuitos para o partido vermelho, aproveitamdp o ensejo para esclarecer seu ponto de vista sobre sua militância durante a campanha presidencial de 1989. Lobão é humilde o bastante para assumir que era um ignorante que pouco ou nada conhecia sobre a esquerda. Como exemplo de minha ignorância, durante minha adolescencia seria eu um grande fã do Lobão sem mesmo sem ouvir suas musicas só porque o mesmo se dizia de esquerda, revolucionário.



O autor/cantor se propõe e consegue expor as mazelas culturais de nossa realidade rotineira através de fatos onde ele era o protagonista. O livro soa em alguns momentos como um exorcismo de um demônio arrependido de entrar num corpo que logicamente não era dele. Longe de isso ser demérito, esses pequenos fatos da realidade de um artista que pensa diferente da maioria dos outros artistas tidos como “populares” servem para termos uma noção de como a cultura nacional está deteriorada ao ponto desse mesmo artista demorar a enxergar as adversidades culturais que era convidado a participar. Através de causos verídicos de suas aventuras como músico e repórter (no programa A Liga da rede Band) Lobão constrói uma linha de raciocínio sobre nós brasileiros de muita inteligência e principalmente autocrítica, ingrediente que falta na comida da maioria dos nossos críticos e de nosso povo.


Encerrando o livro o cantor/escritor provoca em carta aberta o nosso patrono cultural, o pai de nossa “arte moderna” (seja lá o que isso quer dizer) ou melhor, pai de nossa mazela cognitiva: Oswald de Andrade. Lobão desconstrói as principais ideias do Manifesto Antropófago: enquanto a esquerda exalta aquela escrita tosquiada, quebrada, sem aprofundamento teórico ou estudo prévio sério, expoente da contracultura e no mais, contraditório ao resumir suas ideias de brasileiro autêntico como sendo um semibárbaro, habitante de uma realidade paralela, sem grandes capacidades cognitivas vivendo num habitat propício apenas para o fornecimento de matéria prima pois se o brasileiro autêntico se aparentasse, em qualquer que fosse o aspecto, com um homem racional, meticuloso, que amasse o conhecimento e vivesse em consonância com este, seria tido como uma imitação do europeu. Um mero papagaio.



Pinçando trechos de alguns iluministas, Darwin e teóricos comunistas, Lobão expõe o monstro  criado por Andrade: uma grande panaceia ideológica visando legitimar intelectualmente a anarquia teórica nas artes brasileiras. Aquilo que fosse baseado em artistas técnicos, estudiosos, perfeccionistas, clássicos, era tachado de antiquado, “imitação” de europeu; enquanto que manifestações com foco na falta de técnica, no vazio de essência e significado ou simplesmente propaganda ideológica de esquerda transfiguradas em “arte popular” foi tido como o modernismo e pós-modernismo brasileiro. Se nossas artes andam em franca decadência e os cursos superiores de Artes nada fazem param modificar esse cenário e porque a maioria tem Oswald de Andrade e sua Semana de Arte Moderna como o marco da cultura nacional. E essa cultura alardeada por tão poucos porém em posições de comando, não existe. Simplesmente não existe. O que leva a esquerda a idolatrar a Semana e institui-la como marco cultural nacional é o descaso inerente do brasileiro que lê em média um livro por ano isso quando na faculdade. Se hoje temos o "lepo-lepo", a "sofrência" e a "muriçoca-soca" em nossas vidas, é porque esse único livro que o universitário lê, tem grandes chances de ser 50 Tons de Cinza...



Se procuras uma leitura de bom conteúdo porém leve que no final modifique positivamente seu modo de encarar a cultura lato senso, que leve você leitor a ser uma pessoa mais crítica em relação a si e ao mundo que nos rodeia, leia esse Manifesto do Nada na Terra do Nunca. Só conseguiremos ser verdadeiramente críticos lendo autores que sejam imparcialmente críticos e lógicos distantes das nocivas ideologias esquerdistas. Numa falsa democracia que sustenta uma cleptocracia através da subversão da cultura como a nossa, encontrar autores nacionais atuais que abordem o cerne da questão como Lobão o fez de maneira autobiográfica, expondo suas próprias experiências com o mínimo de imparcialidade aparente, é raridade. Porquanto, aproveitemos a leitura e fiquemos inteirados de como nossa cultura que deveria libertar e informar a massa, é apenas um mero apêndice do governo através e incentivos e patrocínios a “projetos” culturais. Lobão serve como prova daquele ditado popular nacional: a unanimidade é burra. A maioria o odeia... Então tire sua própria conclusão.


Walter A.
wjr_stoner@hotmail.com / facebook.com/Walter_blogTM    


0 Deixe seu comentário: