Blogroll

7 de mar de 2009

8 de Março - Dia Internacional da Mulher.

Coube a mim como a única integrante feminina do Tempo Moderno escrever um texto a respeito do “Dia Internacional da Mulher”. Não escrevo por obrigação, mas sim por missão moral de parabenizar a todas as mulheres por serem quem são, independentemente de classe social, idade, raça, opção sexual e todos aqueles distintivos práticos demais, que as pessoas usam para nos individualizar, quando, na verdade, somos broto de uma mesma essência. A você, a mim, às mulheres que morreram na fábrica, em 1857, lutando por melhores condições de trabalho e a todas nós, que construímos nossas histórias todos os dias, o meu agradecimento pela existência e a minha dedicação com um singelo texto de carinho.

Palavra de Mulher

Quando criança, eu queria crescer. Pensava eu que só alcançaria a virtude de ser mulher com os meus 17 ou 18 anos, quando meu corpo já estaria um tanto delineado por curvas femininas mais definidas, meu olhar conservaria uma segurança quanto às minhas decisões e meus pés poderiam decidir sozinhos sobre quais caminhos eles gostariam de conhecer. Não se tornara lúcido para mim, como é agora, que desde pequenina eu já guardava sinais de grandes conquistas que estariam por se concretizar. Chamavam-me de “menina”. É assim que denominam uma Mulher ainda com traços físicos pouco visíveis, escondidos por detrás de bonecas e brinquedos coloridos.

Eu e as “meninas” da Escola éramos conhecidas pela criatividade em inventar narrativas, pela capacidade de equilíbrio em cima da bicicleta, pela organização nos trabalhos em sala de aula, pela coragem de dizer o que pensávamos àqueles que pareciam superiores a nós, por nossa força de vontade em demonstrar que também éramos capazes de levantarmos juntas aquele objeto, que julgavam pesado... Desde pequena, já surgia dentro de nós o desejo de nos mostrarmos competentes e aptas para determinados afazeres; já crescia o orgulho da virtude de podermos ser mães e a inclinação para escrevermos história. À medida que o tempo passa, descobrimos que não é um batom mais escuro nos lábios ou um salto mais alto nos calcanhares que nos farão mais bonitas. Não há maquiagem que consiga embaçar a força e o prazer de ser quem somos.

Seres que buscam, que choram, que se dedicam, que sonham. Aquelas que enfrentam dificuldades, para alcançarem determinado objetivo; aquelas que estão à frente dos movimentos sociais, lutando por um ideal; aquelas que cuidam dos outros como se cuidassem de si mesmas. Somos a mais alta executiva do País, ao mesmo tempo em que somos a mais fabulosa secretária doméstica. Temos um pouco da esperteza das policiais, da cautela das médicas e da perseverança das atletas. Somos qualidades e defeitos, filhas e mães, eleitoras e presidentas.

A vida vai nos ensinando que cada cicatriz nos joelhos e cada ruga na testa guardarão resquícios de quem fomos e do que realizamos. Um novo passo dado é sempre uma vitória digna de aplausos. E tratamos de envelhecer assim: batalhadoras, sensíveis, carinhosas, perspicazes... E mulheres. Crescemos e vivemos tanto, para descobrirmos que nosso maior intuito é amar, sendo nossos frutos as precípuas provas deste sentimento. De certo que não acredito que haja predestinações para existir, mas sinto que um dos motivos principais de nossa vida é fazer as pessoas conhecerem a felicidade.

Felicidade tamanha que, quando nós partirmos, sobre os nossos túmulos, colocarão rosas vermelhas em forma de agradecimento às personalidades que um dia demos existência e à profissão da feminilidade que um dia exercemos. Isto acontecerá não porque somos perfeitas, mas porque fazemos o possível para sermos a mais perfeita entre as imperfeições.

Sara Albuquerque.

“Qual o conselho que você daria a uma mulher? (Jornalista)
- Ame. (Piaf)
- ...E a uma jovem? (Jornalista)
- Ame. (Piaf)
-... E a uma criança? (Jornalista)
- Ame... (Piaf)”

(Diálogo retirado do Filme: “PIAF – Um hino de Amor”)

1 Deixe seu comentário:

A citação do diálogo de PIAF caiu muito bem.

Deixando de lado o lado do apelo comercial sobre esse dia, não se pode negar que as mulheres merecem todo o reconhecimento e a lembrença que um dia colocado para elas deve deixar.