Blogroll

24 de ago de 2011

Programa "Histórias que Ficam' fomenta a produção de documentários

Fundação CSN lança primeira edição do Programa Histórias que Ficam. Além de fomentar e difundir a produção de documentários inéditos, o Programa oferece consultoria aos projetos selecionados.


Foi lançado oficialmente no dia 16 de agosto, na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, o Programa Histórias que Ficam. A sessão contou com representantes da imprensa e convidados, que tiveram a oportunidade de conhecer melhor como será o programa. Iniciativa inédita da Fundação CSN Para o Desenvolvimento Social e Construção da Cidadania (Fundação CSN), o Programa conta com recursos da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura e busca apoiar projetos audiovisuais, revelando a diversidade da produção nacional. Serão selecionados projetos de diferentes regiões brasileiras e os contemplados receberão consultoria especializada ao longo de todo o processo de realização dos filmes.

O Programa irá selecionar quatro projetos inéditos de documentários, com tema Memória. A iniciativa busca incentivar a participação de diretores que tenham realizado, no máximo, até um longa-metragem. Além de oferecer incentivo financeiro, com investimentos de até R$300.000,00 (para cada produção), o Programa Histórias que Ficam prestará consultoria durante todas as etapas de realização dos filmes. A consultoria aos projetos selecionados contará com a participação de renomados profissionais do cinema brasileiro como: Eduardo Coutinho, Marcelo Gomes, Luiz Bolognesi, Daniela Capelato, Karen Harley, Guilherme Coelho, Leonardo Edde, entre outros.

Cada projeto contemplado será, obrigatoriamente, de uma região do Brasil, contribuindo assim para a descentralização da produção audiovisual nacional, estimulando a pluralidade de criações. Depois de finalizados, os documentários produzidos com recursos do Programa Histórias que Ficam participarão de um circuito de exibição itinerante, em praças públicas de cidades de todas as regiões brasileiras. Serão privilegiadas as cidades com até 100 mil habitantes e nas quais não existam salas de cinema.

Das inscrições e requisitos

As inscrições devem ser feitas de 17 de agosto a 13 de outubro, no site www.historiasqueficam.com.br. Toda a documentação exigida deverá ser enviada até o dia 14 de outubro, pelo Correio. Dentre as exigências para inscrição estão: produções brasileiras inéditas, com realizadores que tenham, no máximo, um longa-metragem no currículo, produções com duração de até 70 minutos e custos de até R$300.000,00.

Na primeira fase, serão selecionados 12 projetos (sendo três de cada região), que serão avaliados através de uma defesa oral (Pitching). Na sequência, serão feitas as contratações e iniciadas as produções.

A Fundação CSN

Uma das maiores investidoras de cinema no Brasil, a CSN tem como braço social a Fundação CSN, responsável por iniciativas que contribuem para o desenvolvimento social e econômico das comunidades nas quais atua.

 Somente no campo do audiovisual, foram 36 filmes desenvolvidos com o apoio da CSN, entre os anos de 2004 e 2010 – boa parte deles de caráter documental. No catálogo de obras realizadas com o apoio da empresa estão títulos como “Tropa de Elite” (I e II), “Terra Vermelha”, “Eu e Meu Guarda-Chuva”, “O Contador de Histórias”, “Besouro”, além dos documentários “A Raça-Síntese de Joãosinho Trinta”, “Doutores da Alegria”, “Fordlândia” e “Garapa”.

A empresa patrocina outras iniciativas culturais e sociais rigorosamente selecionadas. Entre os projetos que receberam apoio estão a exposição “Lúcio Costa - O Arquiteto”, em comemoração aos 50 anos de Brasília, o livro “Direitos Humanos - Imagens do Brasil”, o projeto de construção da Biblioteca Brasiliana na USP, com o acervo de Guita e José Mindlin e o Museu de Congonhas (Centro de Referência do Barroco e Estudos da Pedra).

Além disso, a CSN apóia projetos que promovem a inclusão social de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social. Entre as entidades que receberam o incentivo da empresa estão o Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAACC), com seu projeto de ampliação das instalações, e o Instituto Deco 20, com diversas atividades de cultura e esporte para jovens.

Dentre seus inúmeros projetos também estão: Projeto Garoto Cidadão; Orquestra Sinfônica Jovem; Orquestra Escola; Orquestra de Tambores de Aço; Um Caminhão Para Jorge Amado; Quarta Cultural.

Nos últimos anos, a CSN incentivou R$88 milhões em projetos culturais, sendo R$16,6 milhões em filmes (Leis do Audiovisual, Rouanet e ProAC).

Educação – A Fundação CSN incentiva a capacitação profissional do jovem, proporcionando a formação de mão-de-obra especializada, através das unidades de ensino Hotel-Escola Bela Vista e a Escola Técnica Pandiá Calógeras (ETPC), em Volta Redonda, Rio de Janeiro, e o Centro de Educação Tecnológica (CET), em Congonhas, Minas Gerais. Para democratizar o acesso às escolas, a Fundação CSN oferece, por meio de processo seletivo, que inclui análise socioeconomica, bolsas de estudo para jovens oriundos da rede pública de ensino e em situação de vulnerabilidade social. Em média, são oferecidas, por ano, mais de 400 bolsas (entre integrais e parciais). A instituição realiza também cursos gratuitos para a comunidade, por meio de parcerias com a CSN e outras empresas e entidades, beneficiando mais de 500 pessoas por ano.

0 Deixe seu comentário: