Blogroll

28 de set de 2011

Santa Maria da feira

Faz tempo que não venho aqui indicar, comentar, ou tagarelar sobre alguma coisa. Esses dias, com um pouco mais de tempo, resolvi escrever alguma coisa aqui no blog. Resolvi indicar uma banda que, há muito, venho querendo comentar sobre. A banda da qual me refiro se chama “Santa Maria da feira”, composta por Rafael Arcaro, Felipe Campedelli, Rafael Senatore e Ione Dias.
Apesar do nome diferente que, às vezes, para algumas pessoas, pode parecer estranho, a banda é de uma qualidade sonora, indiscutível. Quando escutei a primeira música da banda, que encontrei por acaso na internet, achei muito interessante. Fazia tempo que não escutava músicas tão boas. De verdade.

 A banda tem influencias de: Django Reinhardt, Los Hermanos, Marcelo Camelo, Devendra Banhart, Little Joy, M. Ward, Andrew Bird, The Beatles e Caetano Veloso. Tenho certeza que todos vocês vão gostar muito dessa banda. Eu, particularmente, gostei muito e, por isso, resolvi comentar e indicar pra vocês. Espero, de verdade, que todos gostem.  A banda tem alguns clipes que são muito legais também.

http://santamariadafeira.tnb.art.br

por Bruno Madson

24 de set de 2011

TMcast #05 - O Twitter, nós mesmos e tudo mais

Olá ouvintes/leitores! Sabemos que a publicidade inicial era de um podcast por semana, mas, como todos já perceberam, não dá! ahahaha... É muita coisa acontecendo ao mesmo tempo e nossos colaboradores estão no olho do furacão do tempo, então... O TMcast dará o ar da graça sempre que possível.

E para a felicidade de toda a nação TMcastiana, estamos de volta com um episódio bem diferente dos anteriores. Wenndell Amaral, Traum Bendict e Bruno Madson conversaram sobre a ferramenta/rede social Twitter, refletiram um pouco sobre o uso dessa coisa, bem como sobre com a usam. Outros assuntos também foram interligados ao Twitter e tudo com um belo fundo musical escolhido a dedo. Escutes e saberás!

Duração: 48 minutos.



DOWNLOAD (19 MB)

Não mais comentaremos os comentários, logo você pode comentar sem medo.

Feed do TMcast para você inscrever e receber o podcast assim que ele for postado:
http://tempo-moderno.podomatic.com/rss2.xml
Feed para iTunes:
itpc://tempo-moderno.podOmatic.com/rss2.xml

Música apresentada no final do episódio: The Beatles - Revolution (Álbum Branco, 1968).

Não tivemos imagem ilustrativa deste episódio porque nosso colaborador Carlyson Oliveira está muito ocupado combatendo os plágios dos mexicanos malditos. :D

23 de set de 2011

Filme: O Profeta



O Profeta [Un Prophète], 2010.
Dir.: Jacques Audiard
Elenco: Tahar Rahim, Niels Arestrup, Adel Bencherif
Dur.: 155 min.

Quando se fala em filme francês logo vem à tona no imaginário popular imagens clichês de romances tórridos [Último Tango Em Paris] e/ou cenas brutalmente dramáticas [Reversível]. A França é um país culturalmente rico graças, assim como no Brasil, a diversidade racial: árabes, franco-italianos, franco-espanhóis e franceses "puros" compõem a colcha de retalhos que á a atual República Francesa.

A mistura [explosiva] étnica, a crise econômica que resultou na implantação do Euro e a busca pela felicidade à seu modo particular são os temas de que o filme trata: um franco-árabe, Malik El Dejebena [vivido pelo talentoso ator Tahar Rahim], é preso acusado de lesionar acintosamente policiais. Cumprindo pena no democrático sistema prisional francês, o jovem de 19 anos logo se vê compelido a escolher uma tribo mafiosa para pleitear a aceitação; por livre e espontânea pressão escolhe a dos ítalo-francos da Córsega [região a tempos conhecida pelo comércio ilícito].

Malik, sem família nem ninguém no mundo exterior, vai seguindo sua peregrinação no submundo da máfia francesa e como uma gata borralheira às avessas, vai crescendo dentro da organização criminosa mesmo com todo o preconceito e violência exalado pelos franco-italianos. Enquanto Malik enfrenta questões morais e éticas para garantir a própria sobrevivência, o destino o mostra como extrair o melhor das duras lições e ter esperança em dias melhores fora da cadeia.

O diretor Jacques Audiard usa seu filme para atestar uma antiga teoria de outro francês, o filósofo iluminista Jean Jaques Rousseau, que afirma que "o homem nasce bom, a sociedade [ou o meio em que o mesmo está inserido] o corrompe..." Não posso adiantar muitos detalhes, pois essa é uma película que tem que ser sorvida aos poucos para ser bem compreendida. Ótimo filme.

Walter A.
@walter_blogTM / wjr_stoner@hotmail.com

19 de set de 2011

Música: Pink Floyd

Pink Floyd
Echoes - 2001

O Pink Floyd dispensa apresentações. Quem nunca ouviu as melodias psicodélicas e proguessivas criadas por Roger Waters [baixo], David Gilmor (Sid Barret) [guitarras], Nick Mason [bateria] e Richard Wright [teclados]? Até os mais incaltos conseguem destinguir aos primeiros acordes de Another Brick In The Wall à quilômetros de distância...

Na época em que o TM era impresso, chegamos a fazer a resenha do disco Wish You Were Here, em relutância de resenhar o já mais que falado Dark Side Of The Moon... Ficamos também na dúvida de oferece a você leitores os álbuns Animals e The Wall... Todos clássicos da música moderna.

Sendo assim, é tarefa hercúlea indicar apenas um álbum para que as pessoas escutem devido a alta qualidade da banda... imagine então escolher um punhado de músicas para elaborar um caça-níquel tipo The Best Of...?! Como tudo que detenha o nome da empresa Pink Floyd tem obrigatoriamente que passar pelo crivo de seus acionistas majoritários [Gilmor, Mason, Wright e Waters] a coletânea inevitável ficou boa.

Mesclando músicas inéditas com as melhores faixas fisgadas das respectivas épocas da banda, Echoes - The Best Of Pink Floyd, segue um traçado linear, reconstruindo a trajetória estelar da banda. Desde o primeiro disco The Piper at the Gates Of Dawn [1967] até o último disco de inéditas Division Bells [1994], as músicas escolhidas levaram em conta todas as fases do quarteto não deixando que as doferenças pessoais entre Roger Waters e o resto do mundo afetassem o trabalho. Esse disco foi feito para que nós não mais fiquemos perdidos nos meios dos cd´s do Pink Floyd, tentando escolher apenas 1 álbum para ouvir com nossos 2 humanos ouvidos.

Clique Aqui para baixar o disco.

Walter. A.
@walter_blogTM / wjr_stoner@hotmail.com

17 de set de 2011

Últimas: Aliado de Sarney, Gastão Vieira assume vaga de Novais no Turismo

Pela quinta vez em oito meses de governo, a presidente Dilma Rousseff demitiu um de seus ministros. O titular do Turismo, deputado federal Pedro Novais (MA), que fora levado até a Esplanada abençoado pelo PMDB e por seu padrinho José Sarney, entregou sua carta de demissão por volta das 18h. No final da noite, o partido indicou, depois de uma disputa acirrada entre as facções da legenda, o deputado Gastão Vieira, também maranhense e apadrinhado do presidente do Senado. Até agora, três peemedebistas foram demitidos da Esplanada.

Fonte: G1
---

Na "faxina" de fachada do PT, entra mais um mão leve amigo de um dos grandes Mãos-leves do país! Sempre o PMDB metendo à mão na cumbuca e arrombando a boca... kkkkkkkkkkkkkk

15 de set de 2011

Cineclube Lanterna Mágica: programação do Cine Cultura

O Cineclube Lanterna Mágica encerrará neste sábado, dia 17 de setembro, o ciclo "O Olhar Feminino" no Cine Cultura com mais dois ótimos filmes. Primeiramente o curta metragem 3 Minutos (1999), de Ana Luíza Azevedo, depois com o longa Rosetta (1999), dos irmãos belgas Jean-Pierre Dardenne e Luc Dardenne, ganhador da Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1999.

Clique no cartaz ao lado para visualizar a programação completa e as sinopses dos filmes.

Cinecultra - Uma iniciativa do Cineclube Lanterna Mágica.
Todos os sábados, a partir das 19 horas, no Auditório da Prefeitura de União dos Palmares, entrada gratuita.

Mais informações na página do Twitter do Cineclube Lanterna Mágica.

14 de set de 2011

Editorial: e os porcos chafurdam, cantam e dançam no lamaçal que o mundo se transformou...



Resumindo, um texto não pode mudar a realidade. Uma idéia também não tem esse poder, infelismente. Idéias, textos e congêneres somentem podem mudar [para melhor ou pior] a mente dos homens. Esses sim possuem o poder de mudar a realidade. Esse era o ponto que eu queria chegar.

Ao parar para observar a fúnebre marcha da realidade pude constatar que por mais que os cidadãos pensantes se esforcem para oferecer soluções para os problemas que emperram a igualdade social, cultural e econômica, o número de cidadões empenhados em piorar tudo sempre foi e sempre será maior. Não só no Brasil, mas no mundo todo, os homens de bem seguem religiosamente a antiga fábula do beija-flor em meio ao incêndio na floresta...

Cada um faz a sua parte para apagar o incêndio causado pela má gestão pública com atitudes paliativas: pensam, escrevem, usam os meios eletrônicos para divulgar noções básicas de legalidade, moralidade, ética, etc. com o que é público. Mas, em meio a abundante pouca vergonha de nossos representantes que manipulam as massas de formas que elas mesmos não percebem, existe salvação para a corrupção que se alastra dia após dia enquanto os porcos burgueses do Congresso chafurdam, cantam e dançam com nosso dinheiro?

Os mais otimistas afirmam que sim, há jeito. Renovar os mandatários públicos seria uma opção. Os mais pessimistas [como eu], acham que não há mais jeito. Para mim o mundo passou do ponto. Revolução! Gritariam alguns... Renovação! Gritariam outros... Repetição! Grito eu. Os Estados Nacionais, soberanos, regidos por uma Constituição foram criados para serem o que são: réplicas de governo baseados em instituições que no papel, na teoria, são linda e belas, mas na prática não passam de simples engrenagens do sistema para manter a ordem social enquanto os verdadeiros donos do poder fazem o que bem entendem quando bem entendem, quase nunca levando em conta o que é bom para o cidadão. As engrenagens enferrujadas lubrificadas na base da propina que dão sustentação ao falido "sistema social" em que vivemos denominam-se: Executivo, Legislativo e Judiciário.

Teoricamente, mas bem teoricamente mesmo, existe independência entre os citados Poderes (a metafísica deve ter alguma teoria que comprove essa separação). Nossa Constituição, um conjunto de leis tão belo e fascinante quanto dúbil e utópico diz que os Poderes devem ser "independentes e harmônicos entre si". Peço licença aos queridos leitores para gargalhar! O Legislativo tem o dever constitucional de elaborar leis para melhorar e humanizar os setores de nossa vida; já o Executivo deveria elaborar modos, garantias para fazer com que essas leis fossem cumpridas e o Judiciário deveria exercer o controle em casos de discordância, caso fosse provocado.

A realidade nos mostra distorções gigantescas entre as finalidades de cada Poder e a forma como eles são geridos. As engrenagens principais do Sistema sempre lustrosas, perfeitas e infalíveis na teoria, tornam-se sujas, desgastadas e falidas na prática por mais pomposas e ricas que sejam. E isso não é culpa dos pensadores que as criaram, que fique bem claro. Filósofos e políticos antigos não conceberam conceitos tão elevados como República, Parlamento, Leis, etc. com a finalidade de pilhar suas próprias nações. A culpa é da corrupção.

Se ministros possuem empregados particulares pagos com dinheiro público, políticos espionam a vida uns dos outros, chantageiam, mentem, corrompem e nada é efetivamente feito, é porque todos - os 3 Poderes - tem interesse que as coisas assim permaneçam. O legislativo reluta em reformular as leis tornando-as mais duras; o executivo depende dessas leias brandas para "fazer o dinheiro girar"; e o Judiciário... Bem, o Judiciário é o Judiciário: aquele milenar e antiquado dinossauro narcisista que mais se preocupa em discussões acadêmicas pedantes em detrimento da verdadeira essência do Direito que é a busca da Justiça...

A Nação já acha comum esse tipo de conduta imoral que emana de nossos governantes; nossos jovens são corrompidos desde o próprio lar até a escola. Servindo de combustível para a escalada da violência que cresce a cada dia. Os ricos não se preocupam tanto com a violência pois vivem em pequenos palacetes acarpetados, cercados de muros e seguranças particulares de escolta; e você? e eu? Toda nossa negligência em tomar as rédeas das decisões de nosso país, se materializará na violência crescente cotidiana e quando despertarmos para a gravidade do problema, talvez seja tarde para reverte-lo.

Setembro, 2010.

"Estado Violência
Estado Hipocrisia
A lei não é minha
A lei que eu não queria...

Estado Violência
Deixem-me querer
Estado Violência
Deixem-me pensar
Estado Violência
Deixem-me sentir
Estado Violência
Deixem-me em paz..."

Estado Violência - Titãs

Walter A.
@walter_blogTM / wjr_stoner@hotmail.com

12 de set de 2011

I Prêmio Imprensa Maria Mariá - Melhor Blog Cultural (Júri Acadêmico)

No dia 10 de setembro de 2011 a Equipe que faz o TempoModerno esteve presente na cerimônia de premiação do I Prêmio Imprensa Maria Mariá no município de União dos Palmares/AL. O blogue concorria na categoria "Blog Cultural" onde havia duas formas de premiação, pelo voto popular e pela escolha do Júri Acadêmico. O TempoModerno foi escolhido pelo Júri Acadêmico como o melhor Blog Cultural produzido na Zona da Mata Alagoana o que lhe rendeu o Selo Imprensa da Liberdade, tendo alcançado a maior nota entre todos os sites e blogues que participaram nas diversas categorias da premiação.

Na ocasião os colaboradores Bruno Monteiro, Wenndell Amaral e Traum Bendict subiram ao palco e agradeceram - em nome de todos que fazem o TM - pela premiação, relembraram pessoas que fizeram parte da Equipe TM, assim como, aqueles que ajudaram na confecção e distribuição do Zine impresso que antecedeu a página na internet.

Foto: José Marcelo

O corpo de jurados da premiação era composto pelos jornalistas Maikel Marques e Valderi Melo, a advogada Candice Almeida, os blogueiros José Marques e Geraldo Amorim, o designer gráfico Carlyson Oliveira, o fotógrafo Luiz Carlos e o rapper Luiz Fernando.


A Equipe que faz o TempoModerno compartilha com seus leitores esse prêmio que serve de incentivo para que continuemos divulgando o que entendemos ser uma cultura de atitude.

6 de set de 2011

O Homem do Futuro - um bom meio termo

O novo filme do diretor Claudio Torres conseguiu mesclar sabiamente comédia romântica com ficção científica. O Homem do Futuro merece ser assistido porque tem boas atuações, é bem produzido e dirigido e possui um roteiro quase impecável, diverte sem ser rasteiro com nossa inteligência.
No longa, o pergonagem Zero é um professor/cientista que está trabalhando numa nova fonte de energia, mas que é amargurado pelo passado, pois nos tempos de faculdade apaixonou-se pela mulher mais bonita do curso e acabou se dando mal. Dessa forma, Zero, enquanto testava a máquina de energia que criou, acidentalmente viaja no tempo até o exato dia em que viu pela última vez sua paixão.

Fazer paralelos com outros filmes de ficção científica é quase inevitável, mas um nos é remetido claramente: De Volta Para o Futuro 1 e 2, talvez o 3. Cópia, imitação deliberada? Não sei. Tem como ser original nesse quesito? Talvez esteja mais para homenagem. Homem do Futuro tem aquele velho enredo comum das comédias brasileiras, só que com um plus de uma ficção científica embutida, e é ai que a diferença acontece.

Não se poderia falar do O Homem do Futuro e não comentar a inserção da música "Tempo Perdido" da Legião Urbana, interpretada no filme pelos atores Wagner Moura e Aline Moraes. Essa foi uma ideia por demais saudável, casou perfeitamente com a história, apesar de parecer um pouco forçada devido aos acontecimentos do próprio filme. Quem assistiu ao trailer pôde sentir o clima da cena onde podemos escutar a antológica músicas do Rentato Russo. Outra música que aparece inusitadamente é "Creep" da banda Radiohead, cantada pelo próprio Wagner Moura, e nas cenas que toca dá até pra deixar aquela lagriminha safada cair sem culpa.

O Homem do Futuro consegue ser sensato na ficção científica, pois não empurra de qualquer jeito a ideia de viajem no tempo e ainda a usa de maneira moderada, sempre no sentido de complementar o cerne da história. Os efeito especiais são pontuais e bem feitos, fazendo com que fique ainda mais crível a história. De qualquer forma, por mais ficção científica que seja, O Homem do Futuro passa as emoções naturais que um bom filme deve passar. E ai está mais um acerto desse longa, ele é mais romântico e ficção científica que comédia.

5 de set de 2011

Cineclube Lanterna Mágica: programação Cine Cultura

Na próxima exibição do projeto Cine Cultura, o cineclube Lanterna Mágica apresentará o curta Messalina (2004), de Cristiane Oliveira e o clássico longa Persona (1966), de Ingmar Bergman.

Clique no cartaz ao lado para visualizar as sinopses dos filmes.

Nesse mês de setembro o Cine Cultura focará a mulher através dos filmes exibidos. Na seção anterior o filme principal foi o arrebatador Dançando no Escuro, de Lars Von Trier. Não perca o próximo Cine Cultura!

Sábado, dia 09 de setembro.
Local: Auditório da Prefeitura de União do Palmares.
Hora: 19:00
Entrada gratuita.