Blogroll

28 de fev de 2013

A decadência moral do futebol brasileiro materializou-se no garoto boliviano Kevin

Promiscuidade entre jogadores, dirigentes e criminosos é corriqueira
Em 11 anos, 4 títulos regionais conquistados [2 taças da Copa das Confederações 2005 e 2009 e 2 taças
da Copa America 2004 e 2007]. Desde o último título mundial em 2012 viramos saco de pancada para seleções européias e até para nossos fregueses argentinos. Assistimos de camarote a Itália se sagrar tetra campeã mundial enquanto a Espanha dominou o cenário nos últimos 6 anos. Muito pouco para um país acostumado a figurar durante 10 anos como o bicho papão do futebol mundial. Assim como o Brasil não acompanhou o desenvolvimento social dos demais países de mesmo nível econômico, o futebol por aqui parou no tempo em termos estratégicos, falta de profissionalismo e egocentrismo inflado dos jogadores mais técnicos [Neymar].  Ao mesmo tempo o povo brasileiro assistiu mesmo sem ver [se é que vocês me entendem] países como Chile, México, China, Índia, etc. se distanciarem de nós em termos de Educação, Ciência, Economia e Defesa. Assim como evoluíram no futebol tendo superando a falta de talento com estratégia, profissionalismo, menos estrelismo e mais coletividade.


No Brasil – mais do que nos outros países - o futebol é o desafogo do povo, uma das únicas coisas que fazemos melhor que os outros povos e por causa disso freqüentemente nossa cultura é resumida a isso. Nós brasileiros nos acostumamos a ter apenas o futebol, o famigerado carnaval carioca e nossas praias para oferecer às outras Nações. Nossa fama de malandros, relaxados, corruptos, etc. deixou apenas o futebol como a única coisa que o brasileiro faz de bom. Administrar? Gerenciar? Projetar? Estudar? Desenvolver? Música? Livros? Filosofia? Nada disso. Lá fora Brasil é sinônimo de festa, bola, floresta/mata e praia.  Para a imprensa internacional estamos na rabeta dos países subdesenvolvidos. E estamos mesmo. Culturalmente, politicamente, etc., etc., etc.



Somos vistos como um povo primitivo que não contribui para o desenvolvimento da humanidade. E farei uma analogia entre o rumos incertos de "nossa paixão nacional", o futebol e nosso País como líder da América Latina que deveríamos ser e não fazemos por merecer. A visão que o Brasil faz questão de transmitir é que "nascemos para jogar bola". E não adianta espernear. Nós nos resumimos a isso. Pelo menos na melhor das hipóteses e querendo ou não fazemos questão de mostrar isso. Não nos esforçamos para ter uma Educação que renderia escritores, a nossa Arte [pintura, escultura, poesia, cinema] é incipiente pois além de não valorizar o que temos de bom aqui ainda imitamos de forma vergonhosa o que é feito fora. Nosso passado, presente e futuro político é mais sujo do que as piores conspirações romanas. Só que nem no futebol mandamos mais. Nosso reinado acabou justamente porque acatamos a corrupção e seus congêneres como meio de vida.
O baixo desenvolvimento social faz com que pessoas desse tipo encontrem sentido na vida fazendo parte das torcidas organizadas

É certo que já tivemos outros jejuns, até maiores; é certo também que, é ilógico querer que o Brasil ganhe todas as Copas. Porém, o período de estagnação que estamos passando no futebol é reflexo de nosso país, de nosso povo como um todo. Assim como os políticos são os representantes do povo, os cartolas de futebol são os representantes da torcida. Acontece que as torcidas não estão nem aí para a política; em contrapartida, servem de massa de manobra para eleger populistas conivente com o estilo violento e imoral de ser. Não importa o que o político faça no cargo contanto que dê apoio às torcidas. Dificilmente as torcidas vão reclamar algo nas câmaras de vereadores, prefeituras, fóruns, etc. muito menos há registro de qualquer manifestação de qualquer quer seja a torcida organizada que objetive um bem maior, um bem coletivo.


Já qualquer atitude tomada pelos dirigentes que desagradem os torcedores da maioria dos times nacionais, a represália será desmedida comparada às manifestações que visam protestar contra políticos corruptos [por exemplo apenas 250 pessoas se reuniram na Av. Paulista para protestar contra o sen. Renan Calheiros. A cidade tem 17 milhões de pessoas]. A maioria dos clássicos entre os maiores times do país tem média de público de 40 mil pessoas. Você imagina 40 mil brasileiros se reunindo todo domingo para articular idéias, projetos, ao menos reivindicar melhorias básicas em nossas instituições sociais? Não. Não costumamos ver 2, 3 pessoas reunidas com bons propósitos quanto mais 40, 50 mil...


Voltando a idéia central: assim como os políticos são o espelho dos eleitores [corruptos, relaxados, baixa moral/ética] os times são espelho de suas torcidas. Flamengo e Corinthians detém as maiores torcidas do país, mas são torcedores criados em uma cultura de massa de baixíssima qualidade deve-se reconhecer. É visível o favorecimento e os milhões de dinheiro sujo que irrigam o futebol no Brasil. Quanto maior o numero de torcedores de um time, mais dinheiro se gera. Na mesma linha torta que trilha a ética no Congresso com seus Renans, Lulas e Sarneys, trilha a CBF. Ricardo Teixeira que o diga. Seu sucessor, José Maria Marin, não é mais limpo: já roubou medalhas em pleno evento de premiação da copa São Paulo de Futebol Junior [ladrão que rouba ladrão... ops!] e foi flagrado com um famoso "gato" de energia em sua casa - [clique aqui para ler].
Promiscuidade essa que nem o Presidente à época, escapou. Num páis onde futebol é religião alguém avisa a ele que o Estado Brasileiro é laico; tá lá na Constituição

O estilo do brasileiro jogar fez com que o europeu se reinventasse e hoje vemos que eles estão conseguindo nos ultrapassar no futebol. Graças a profissionalismo, técnica e compromisso. Coisas que andam faltando e muito aqui: os torcedores do Corinthians que estavam com os sinalizadores que mataram o garoto Kevin estavam hospedados no mesmo hotel do time. Existe um relacionamento promíscuo entre jogadores, dirigentes e torcidas organizadas. E mais promíscuo ainda entre dirigentes, políticos e líderes comunitários. Uma bola de neve imoral e conivente que objetiva sempre votos nas eleições, dinheiro e poder a todo custo. E essa conivência deu nisso. Perdeu-se uma vida. E para os fanáticos é bom lembrar que nem todos os títulos de seu time já conquistados ou a ser conquistados valem a vida de alguém. O Corinthians campeão do mundo 2012 não precisava disso. Quem paga o advogado do suposto menor que supostamente teria atirado o sinalizador? E porque um menor? Ah! Tremenda cara de pau apresentar um menor pra "assumir a culpa"; faça-me o favor! O povo não é trouxa, e todos sabem que o menor só foi apresentado porque aqui no Brasil menor não vai pra cadeia. Fato. Outro detalhe um sinalizador daquele custa R$140,00 em média a unidade. Então quem teria tanto dinheiro pra gastar pra arquitetar tamanha crueldade? Uma pessoa de influência na Fiel... Pra finalizar, o sinalizador não causa ferimento como alega o menor. Mais uma artimanha legal. É por essas e outras que a advocacia cai diariamente no descrédito, levantando teorias rídículas para burlar a lei e manter inpune o suposto menor infrator e pincipalmente, o Sport Club Corinthians Paulista.


Além da conivência do Corinthians com sua torcida de marginais o dolo maior recai sobre os acéfalos torcedores debilóides para quem os Neymares da vida são astros, os pontapés maldosos do Emerson Sheik nos adversários “faz parte” e soltar rojão na cara dos outros é "da hora mano!". Pelé, Tostão, Zico, Júnior, etc. assim como Ulisses Guimarães, Brizola, Pontes de Miranda, e poucos outros tinham ética por isso são lembrados até hoje e serão sempre. Que com essas mortes simbólicas, o povo brasileiro acorde, e com a persistência costumeira, ajude com novas atitudes no dia a dia a reavivar o espírito da ética em nosso país, e assim conseqüentemente voltaremos a vencer o mundo nas 4 linhas, porque fora delas ainda seremos sacos de pancada durante muito tempo. Enquanto não, teremos que encarar notícias macabras com teor de morte de inocentes, destruição, confronto com a polícia, confronto entre torcidas, etc. O que todos esquecem é que vem uma Copa do Mundo aí. Será que no Maracanã vai caber tanta decepção?





Walter A.
wjr_stoner@hotmail.com / facebook.com/Walter_blogTM

24 de fev de 2013

ÙLTIMAS: Você sabe como será escolhido o novo papa? Jornais italianos dizem que Bento XVI renunciou por culpa do "lobby gay" e do "lobby do dinheiro e poder"


O Vaticano iniciou neste sábado uma verdadeira contraofensiva para rebater "informações falsas", "boatos" e "calúnias" publicadas pela imprensa sobre uma trama de corrupção, tráfico de influências e sexo na Cúria Romana, que seriam uma manobra para "condicionar" o Conclave que escolherá o novo Papa.


"Se no passado eram as chamadas potências, ou seja os Estados, que queriam condicionar a eleição do papa, hoje se trata de envolver a opinião pública", lamenta em um comunicado pouco comum a Secretaria de Estado.

"Através dos séculos, os cardeais tiveram que enfrentar múltiplas pressões na hora de eleger o pontífice por parte de diferentes poderes, enfrentando lógicas de tipo político e mundano", completa a nota da instituição vaticana presidida pelo cardeal Tarcisio Bertone.Atualmente, "tenta-se alterar a opinião pública por meio de argumentos e avaliações que não percebem o sentir espiritual que a Igreja está vivendo", completa a nota.
"É deplorável que ao aproximar-se o início do Conclave (...) se multiplique a divulgação de notícias não verificadas nem verificáveis e inclusive falsas, que causam graves dano a pessoas e instituições", ressalta o comunicado.

Poucas horas antes, o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, rebateu "a desinformação e, inclusive, as calúnias", sobre possíveis intrigas na cúpula da Santa Sé e a existência do chamado "lobby gay", denunciado pelo jornal La Repubblica, uma das publicações de maior tiragem no país."Há quem tenta aproveitar o movimento de surpresa e desorientação, após o anúncio de que o Papa Bento 16 abandonará seu cargo, para semear a confusão e desprestigiar a Igreja", declarou Federico Lombardi, em um editorial divulgado pela Rádio Vaticano.

"Aqueles que apenas pensam em dinheiro, sexo e poder, e estão acostumados a ver as diversas realidades com estes critérios, não são capazes de ver outra coisa, nem sequer na Igreja, porque seu olhar não sabe dirigir-se para cima ou descer com profundidade nas motivações espirituais da existência", completou com tom indignado. As denúncias, publicadas pelo jornal La Repubblica e a revista Panorama, importantes publicações da Itália, afirmam que o Papa decidiu abandonar o cargo depois de receber um relatório secreto de 300 páginas, elaborado por três cardeais veteranos e considerados inatacáveis.

No documento são descritas as lutas internas pelo poder e o dinheiro, assim como o sistema de "chantagens" internas por conta do homossexualismo. A contraofensiva do Vaticano coincide com a conclusão por parte do Papa Bento XVI da semana de retiro espiritual iniciada em 17 de fevereiro. Para um grupo de cardeais, o Papa prometeu "a proximidade espiritual" após a formalização de sua renúncia, no dia 28 de fevereiro. Com termos muito religiosos, o pontífice refletiu sobre "o maligno" e fez uma advertência sobre os "males deste mundo, o sofrimento e a corrupção".

A saída do papa gerou reações em todo o mundo, em particular na Itália, onde começam a chegar os cardeais de todos os continentes que participarão em março na eleição do novo pontífice. Segundo o La Repubblica e a Panorama, o relatório foi entregue ao papa em dezembro e havia sido encomendado pelo chefe da Igreja Católica após a explosão do escândalo "Vatileaks", o vazamento de cartas e documentos confidenciais do pontífice.

Clique abaixo e veja como acontece o Conclave Papal:


Fonte: Yahoo!Noticias


16 de fev de 2013

Filme: Idiocracia


Idiocracy [EUA], 2006.
Dir.: Mike Judge
Elenco: Luke Wilson, Maya Rudolph, Justin Long, Terry Crews.
Dur.: 84min.

Nessa comédia futurista, o militar/bibliotecario não muito inteligente Joe Bowers é convocado para um experimento secreto: testar uma máquina que garantisse uma hibernação tranquila para um ser humano. Dividindo com ele a experiência, aparece a prostituta Rita [Maya Rudolph]. Depois de alguns problemas de força maior, eles acordam 500 anos depois, encontrando um mundo totalmente debilitado tanto fisicamente [sem água, destruido por guerras, etc.] quanto intelectualmente: o presidente dos EUA [o ótimoTerry Crews] é um ator pornô, lutador de MMA e cantor de rap/funk.






Vejam o veículo de locomoção oficial do presidente Camacho: escracho

Se o presidente da "nação mais importate do globo" é dessa estirpe duvidosa, imagine seus ministros, assessores, etc. Se o presidente enverga um naipe dessa natureza como imaginar então seus eleitores? As pessoas do futuro são literalmente débeis mentais. A sociedade do futuro, abraça de vez o comercialismo industrial de massa e consome sem freios programas aculturais ao extremo [um dos programas mais famosos da época é "Ai! Minhas Bolas" uma especie de JacksAss ainda mais idiota] sentados em poltronas confortáveis onde já vem acopladas bacias sanitárias para evitar o longo caminho até o banheiro e nenhuma cena se perca.

No Congresso do futuro a diplomacia não tem vez. Alguem arriscaria um veto?

A direção é um tanto quanto despretenciosa, com edições rápidas, sem tanto esmero com a iluminação por exemplo. Os enquadramentos são básicos e neutros, porém o roteiro [assinado pelo ganhador do Oscar Etan Cohen] e os cenários bem feitos dão o acabamento perfeito para a comédia non sense mais crítica que já vi. Do jeito que a coisa anda, esse futuro 500 anos depois do filme, virão bem antes do tempo.

Quem quiser o torrent pra baixar manda um email ou add no facebook e pede via msg.

Walter. A.
wjr_stoner@hotmail.com / facebook.com/Walter_blogTM







EDITORIAL: A Falência das Instituições Sociais [parte II] : Escola


O método de unir jovens em um local apartado para o repasse de conhecimentos existe desde a Antiguidade Clássica. O ensino fundamental existe provavelmente desde a Grécia antiga [atraves da Academia idealizada por Platão; os sofistas também mantinham métodos de ensino], Roma antiga, Índia antiga e China antiga. O Império Bizantino tinha um sistema de ensino criado a partir do nível primário. A fundação histórica do sistema de educação primária remonta à 425 d. C. onde os militares tinham pelo menos o ensino primário.

Seguindo o lado Ocidental do Globo, veio a Idade Média e com ela a supremacia da Igreja no domínio do conhecimento. Através do catequismo da Igreja objetivando angariar mais fiéis, a estrutura da Igreja tem como base o magistério: no auge da Idade Média, eclesiásticos comandavam cidades, escolas, universidades, etc. e por isso tinham que ser bons administradores, tomem por exemplo. Do lado Oriental do mundo, a China e algumas nações Islâmicas [Irã, Índia] desde de muito antes de cristo já tinham seus métodos pedagógicos com destaque para a matemática, física, química e biologia... São nações que hoje modernas, dão todo o suporte necessário para a manutenção da educação num patamar alto.

A infraestrutura das escolas vem melhorando; já os Recursos Humanos...
Deixando de lado essa verborragia histórica, A Escola Moderna Ocidental teve seu ápice durante o Renascimento, vindo hoje a ocupar uma das instituições com menos insvestimento do Governo. Ao menos aqui no Brasil, a União destina menos que 5% de seu PIB com a Educação e os Estados devem destinar ainda menos. Não adinta criar ministérios, despejar dinheiro em programas de Segurança agressivos à comunidade sem que se invista massiçamente nas escolas, nos professores e demais pilares que sustentam essa instituição que anda mal das pernas, devido à resistencia a mudanças, subvalorização e sobretudo à corrupção e má gerência dos governantes.



Na Educação Privada os alunos comandam; com efeito, surgem os de alto rendimento que ficam com às melhores vagas nos vestibulares
Nas escolas públicas chovem apadrinhados. Os diretores não são escolhidos por suas capacidades laborais e sim por quem tem maior QI [Quem Indique]. A qualidade técnica que já não é boa, cai ainda mais. Com isso, o Corpo Docente composto pelos professores se resigna por ser comandado por quem não tem capacidade. Some-se ainda a esse fato hipotético, que fique claro, a qualidade dos alunos que hoje em dia devido à cultura de massa estúpida na qual estão inseridos e ao meios social instável de suas residências, em sua maioria, complicam a nada fácil rotina do professor, ponta de lança da história, aquele que tenta transmitir seu conhecimento e tem que torrar sua paciência com crianças e adolescentes mal criados por seus pais. Estes, tem papel de grande influência na escola, pois não é somente a educação tecnica e interpessoal gerada pela instituição de ensino que farão das crianças pessoas produtivas, com moral elevada e equilíbrio emocional.


Liberalidade x Conservadorismo: um meio termo é o ideal para não afugentar nem alienar
Os pais devem acompanhar in loco a produtividade dos filhos, e promover atividades secundárias após o período escolar [estímulo a leituras que nada tenham a ver com as materias da escola, esportes, música, etc. ] e não apenas relegar sua parte na educação de seu rebento à TV. Ações como estás ajudariam os professores, os pais com problemas futuros e os principais interessados: os próprios alunos que lapidariam suas habilidades intelectuais e físicas durante 1/3 do dia. Educando alunos de melhor educação caseira, num futuro a médio/longo praso, uma escola bem estruturada formará jovens de alto rendimento intelectual impulsinando assim os diversis setores da Economia do País: indústrias, empresas, serviços, comércio, cultura, etc.


A desvalorização do conhecimento gera a do professor: "E o salário ó! "
Do lado privado a coisa é outra; com um poder aquisitivo bem maior, a classe média/alta pode pagar colégios que já incluem em sua grade atividades extra-classe, para a manutenção do aluno em atividades produtivas e afastados dos desviantes e tentadores caminhos da vida ociosa e libertina que esteiam do lado externo dos muros escolares. Assim como nas públicas, nas privadas existem aquela minoria playboyzada que não querem bulhufas com a vida e atazanam a vida dos docentes; em contraste, é das instituições particulares as vagas nos cursos mais disputados das melhores faculdades do país. O pobre, classe média/baixa, sempre fica longe dos cursos "mais desejados do mercado", e se contentam em cursar ciências sem grande expressão economica, subvalorizadas pela cultura da ignorância reinante em nosso Brasil.

É aí que identifico o início da falência da Escola. O conhecimento gerado, além de limitado pela parte burucrática e política da instituições, ainda é extremamente influenciado negativamente pela cultura de massa abjeta e pelo meio social adverso ao desenvolvimento sadio humano em que está inserida mais da metade da população jovem do país. Esses fatores resumem a escola num ambiente para passar o tempo, fazer amigos, socializar, para a maioria; apenas alguns veem a escola como um lugar de conhecimento onde está disposto as ferramentas para mudar sua própria vida e a realidade ao seu redor.
Fato é que a estrutura atual das escolas sejam públicas ou privadas não favorecem mais um desenvolvimento pedagógico humanitário. Tudo é competição, onde apenas poucos conseuen êxitos, caracterizando uma determindada corrida darwinista que visa apenas o lucro. O conhecimento gerado hoje em dia com os alunos que brotam das escolas e elevam os nomes das grandes Universidades com seus inventos, não tem como ponto de chegada o bem estar do ser humano, e sim o lucro de empresas e/ou o uso militar. O número de analfabetos no Brasil cai a cada ano enquanto o número de graduados sobe, porém o resultado de nossas "cabeças pensantes diplomadas" são nulos, pois toda a tecnologia de ponta que temos compramos pronta do exterior em todos os setores. Nem mesmo gasolina conseguimos fabricar para nosso próprio consumo.

Para garantir a Ordem e o Progresso, não há outro caminho senão o da Educação, com menos corrupção, gera-se segurança, saúde e cultura para a população. Nosso país é propicio para uma tecnologia auto-sustentável: energias renováveis, consumo inteligente, reciclagem... Nossos recursos são incalculáveis. O povo brasileiro deve acordar, dizer não aos "enlatados estrangeiros" que nos empurram goela abaixo dizendo o que fazer e o que não fazer e colocar a alma naquilo que faz e por fim, tomar os rumos da nação dos usurpadores que dominam sob a ignorância do povo.

Fevereiro, 2013.
Walter A.
wjr_stoner@hotmail.com / facebook.com/Walter_blogTM

13 de fev de 2013

ÚLTIMAS: Brasil importou volume recorde de gasolina em 2012 - Escândalo de venda de carne de cavalo cresce na Europa

A gasolina foi a grande vilã da balança comercial de petróleo e derivados em 2012, segundo dados estatísticos recém-divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Apesar de o gasto maior continuar sendo com o óleo diesel, em 2013, o país, sobretudo a Petrobras, teve uma despesa recorde com a aquisição de gasolina. Foram gastos US$ 3 bilhões para comprar 3,8 bilhões de litros do combustível no exterior, o maior volume da série histórica da agência, iniciada em 2000. Também os gastos foram os maiores já registrados, 82% superiores aos de 2011. 

Diante da incapacidade de produzir mais derivados no curto e médio prazos, o Brasil vê distanciar-se ano a ano o sonho da autossuficiência em petróleo e derivados. O então presidente Luis Inácio Lula da Silva, com a descoberta do pré-sal, chegou a comemorar um futuro próximo em que o Brasil participaria do seleto grupo dos grandes exportadores mundiais. Porém, as projeções desmoronaram à medida que os planos de aumento da produção de petróleo não se concretizaram e as refinarias planejadas nãos saíram do papel, salientou o especialista em petróleo e derivados da consultoria Tendências, Walter De Vitto. 

O cenário deve melhorar com a entrada em operação da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, em 2014, segundo a previsão da Petrobras. Ainda assim, o aumento de capacidade não será suficiente para cobrir o crescimento da demanda e o País tende a continuar precisando comprar no exterior o volume que é incapaz de produzir, projetou Vitto. 

Pelas contas do diretor do Centro Brasileiro de InfraEstrutura (CBIEE), Adriano Pires, o país importa, hoje, 11% do total consumido de combustível. A balança comercial do grupo de combustíveis e lubrificantes é deficitária em US$ 9 bilhões - considerando um gasto com importação de US$ 35,3 bilhões e receita com exportação de US$ 26,2 bilhões, segundo dados da especialista em comércio exterior do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Lia Valls. 

Já a balança comercial do insumo, o óleo bruto de petróleo, foi superavitária em US$ 7 bilhões - com uma importação de US$ 13,4 bilhões e exportação de US$ 20,4 bilhões.Essa conta, no entanto, não revela a realidade, disse Pires. Alguns dados dos últimos meses do ano passado só aparecerão nas estatísticas de 2013, já que a Petrobras tem 50 dias para informar os seus números, seguindo norma do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior de 2012, ressaltou Pires.

O retrato da balança comercial brasileira de petróleo e derivados no ano passado é negativo para a Petrobras, que paga a conta da importação, atentou Vitto. Além da dificuldade em expandir a capacidade de refino, a estatal foi prejudicada pelo aumento de preço do litro do etanol, decorrente de uma safra pior no passado, e consequente aumento do consumo da gasolina nos carros do tipo flexível, capazes de utilizar como combustível tanto o álcool como a gasolina. 

Na verdade, a despesa com a importação de gasolina é crescente desde 2010 - tendo passado de US$ 70,6 mil em 2009, para US$ 285 milhões em 2010 e US$ 1,6 bilhão em 2011. Mas, desde 2005, o país não importava o combustível continuamente, mês a mês, sem interrupção e em grandes volumes, como ocorreu no ano passado. Em 2012, foram adquiridos no mercado internacional 73% mais gasolina do que em 2011. O auge da importação foi registrado no mês de novembro, com 640 milhões de litros, embora a maior variação em um mês em comparação a igual mês do ano anterior tenha ocorrido em janeiro, quando foram importados 314,5 milhões de litros, ante 1 mil litros adquiridos em janeiro de 2011.

Fonte: Estadão.

Somos uma nação rica em recursos, porém sem condições técnicas de usufruir àquilo que Deus nos deu, de efeito por que somos ignorantes, indolentes e preguiçosos. E isso nada tem haver com nossa descendência nativa [indígena] e sim com a cultura herdade dos vícios de nossos colonizadores, os portugueses.

---

Escândalo de venda de carne de cavalo cresce na Europa

"Me vê frango seu Zé. Se estão vendendo cavalo por boi na Europa, imagina aqui! Abafa..."




O escândalo com a adulteração de carne na Europa cresce a passos largos. Na terça-feira (12), a polícia britânica invadiu um matadouro e uma empresa processadora de alimentos com a suspeita de que estariam vendendo carne de cavalo como sendo bovina. Em meio à crise, surgem suspeitas que dão tom quase ficcional ao caso: 70 mil cavalos estariam desaparecidos na Irlanda, a carne de cavalos também estaria sendo vendida em kebabs e pode, ainda, haver contaminação com carne de burro.

Autoridades britânicas anunciaram no fim da tarde que um matadouro em West Yorkshire, no norte do Reino Unido, e uma empresa processadora de alimentos em Aberystwyth, no oeste do país, foram invadidos pela polícia e a vigilância sanitária. A incursão tem como objetivo investigar a suspeita de que as duas empresas estariam vendendo carne de cavalo no lugar da bovina a lanchonetes de kebab e hambúrgueres. As duas empresas tiveram o trabalho suspenso e foram recolhidos documentos e toda a carne disponível.

A ação das autoridades britânicas, a mais forte desde que a crise começou em janeiro, acontece em um dia em que rumores sobre o escândalo surgem a todo momento. O fato mais dramático foi a acusação feita pela deputada trabalhista Mary Creagh. Ela afirmou que existiriam 70 mil cavalos desaparecidos na Irlanda e deu a entender que os animais teriam sumido para abate. Segundo ela, os cavalos - muitos deles selvagens - são vendidos a 10 por cabeça na Irlanda para comerciantes que, após o abate, conseguiriam até 500 pela carne desses animais.

Outro que surgiu no noticiário foi o polêmico agricultor José Bové. Conhecido pelos protestos antiglobalização nos anos 2000 e expulso do Brasil após destruir lavouras em manifestação no Rio Grande do Sul, o francês disse que o comércio da carne de cavalo seria comum na Romênia, que teria fornecido o produto a uma fabricante francesa de lasanhas congeladas. Segundo ele, após a proibição de cavalos nas estradas romenas, “milhões” de animais foram enviados ao matadouro, sem distinção entre cavalos e burros.
Autoridades de segurança alimentar da Romênia disseram que o país produziu 6,3 mil toneladas de carne de cavalo, de mula e de burro no ano passado, que foram rotuladas corretamente quando foram exportadas para outros países europeus.

Saúde
O escândalo se espalha por toda a Europa. A agência que regula os produtos alimentícios no Reino Unido (FSA, na sigla em inglês) foi à TV e ao rádio para dizer que os fabricantes de almôndegas, lasanhas, hambúrgueres e outros pratos prontos foram instruídos a checar a presença de carne de cavalo nos produtos e entregar os resultados no dia 15, segundo o jornal inglês The Guardian. A publicação conta que a FSA mantém o caso como uma investigação sobre “carne identificada erroneamente”, uma vez que não é ilegal usar carne de cavalo em alimentos, desde que identificado na embalagem. 

A agência diz não haver preocupação quanto à segurança alimentar, mas aconselha os consumidores que compraram pratos de carne da marca Findus a não comê-los, diz o Guardian. Isso porque os produtos não teriam sido submetidos ao teste para verificar a presença de fenilbutazona, uma substância comumente usada em cavalos que é banida por ser insegura para o consumo humano. Ela poderia causar, em casos raros, doenças no sangue.

Nesta quarta-feira, ministros de países da União Europeia (UE) vão discutir o problema da rotulagem de produtos feitos com carne. A Irlanda, que ocupa a presidência rotativa da UE, disse em seu site que a reunião foi convocada “para considerar as implicações mais amplas na UE, após as revelações recentes sobre a presença de carne de cavalo em produtos de carne”

Fonte: Estadão

Vergonha. Isso só confirma que a ganhancia do homem sempre fala mais alto do que a moral e a responsabilidade com o que é certo. Como é possível os consumidores serem tratados com tamanho desreipeito nos países ditos "desenvolvidos"? Isso mostra que lá, é como cá.

8 de fev de 2013

ÚLTIMAS: Veja as pérolas ditas por "gênios" da bola que assassinam o português, a geografia, a lógica... - Dilma pretende retirar impostos federais da cesta básica para conter inflação

Pérolas da história do futebol

Após ser xingado pela torcida do Bahia, o atacante Souza se defendeu com ironia: "Queria dizer que eu não sou viado!"

Ao menos isso você não é né Souza?! O resto você assume.

   

 

 

Mateus, comentando a perda de um pênalti na final do 1º turno do Gauchão 2012 pelo Caxias: "Só bate pênalti quem erra".

Esse mostrou que vinha treinando pra errar bonito em campo.

 

 

 

 

 

Paulo Nunes, quando jogava pelo Palmeiras, explica um gol: "A bola ia indo, ia indo, ia indo... e iu".

Gol cagado não tem como explicar. Mas Paulo Nunes quase conseguiu.

 

 

 

 

Ex-zagueiro de Flamengo e Corinthians, Váldson celebrou sua transferência para o México com uma gafe: " Estou realizando meu sonho de ir jogar no futebol europeu".

Um mapa mundi urgente aqui pro zagueirão. Só faltou ele dizer que nas folgas ia visitar a Torre Eifel.

 

 

 

Ex-presidente do Corinthians, Vicente Matheus explicou porque recusou uma proposta por Sócrates: "'O Sócrates é invendável, inegociável , invendível e imprestável."

E esse seu português seu Vicente é "indizível".

 

 

 

 

 

 

Souza (d), na época em que estava no São Paulo: "O novo apelido do Aloísio é CB, Sangue Bom".

Sangue com `C´? Sem comentários.

 

 

 

 

 Zanata, ex-lateral baiano que passou por Palmeiras, Vasco, Flamengo e Fluminense: "Na Bahia é todo mundo muito simpático. É um povo muito hospitalar".

Como assim Zanata? Lá todo mundo trabalha em hospital? Aff...

 

 


 

Ferreira, ex-ponta-esquerda do Santos: "No México que é bom. Lá a gente recebe semanalmente de 15 em 15 dias".

Alguém explica ao Ferreira que a semana tem 7 dias: domingo, segunda, quarta, quinta, sexta e sábado. Onde ele arrumou os outros 8 dias?

 

 

 


 

Dunga, quando era técnico da Seleção: "As pessoas querem que o Brasil vença e ganhe".

Vou tentar te ajudar Dunga. Não seria vença e conveça?. É, agora é tarde pra remendos.

 

 

 

 Ídolo do Benfica, João Pinto é o autor de uma das frases mais bizarras do futebol: "O meu clube estava à beira do precipício, mas tomou a decisão correta: deu um passo à frente."

Assim como seu português não foi João Pinto deu um passo à frente do precipício para a morte.

 

 

 

Gil, comemorando título mineiro de 2006 pelo Cruzeiro, foi perguntado por um repórter de uma rádio católica se tudo podia naquele momento. A resposta foi sincera: "Só não vale dar o c... né, o resto vale".

Acabou se entregando hein Gil? Ninguém perguntou das suas preferências sexuais...

 

 

 

 

Fabão, quando chegou ao Flamengo: "A partir de agora o meu coração só tem uma cor: vermelho e preto".

Fabão, não tem nem como te ajudar a não ser explicando que 1 é 1 e 2 é 2, cara. Sem comentários. 

 

 

 

 Claudiomiro, ex-meia do Inter, ao chegar em Belém do Pará pelo Brasileirão-72: "Tenho o maior orgulho de jogar na terra onde Jesus nasceu".

Deopis do jogo ia dar uma passadinha no Muro das Lamentações também Claudomiro? Salta outro mapa mundo no capricho, please! 

 


 

Jardel (quatro frases fantásticas): "Eu, o Paulo Nunes e o Dinho vamos fazer uma dupla sertaneja" - "O interessante é que aqui no Japão só tem carro importado" - "Quando o jogo está a mil, minha naftalina sobe" - "Clássico é clássico e vice-versa"

Sem comentários. To me acabando de rir.

 

 Fonte: Yahoo!Esportes

Comentários em negrito por Walter A.

---

Dilma planeja desonerar cesta básica

A presidente Dilma Rousseff disse nesta terça-feira que o governo planeja eliminar os impostos aplicados aos produtos da cesta básica para conter a inflação, que segundo as previsões ficará em trono de 5% este ano.

"Nós estamos estudando a desoneração integral da cesta básica dos tributos federais", declarou Dilma em uma entrevista a rádios do estado do Paraná. A presidente afirmou que o governo está revisando o conceito de cesta básica, antes de definir quais produtos serão desonerados.
A governante confirmou que uma das metas traçadas para este ano é "reduzir a taxa de inflação", que fechou em 5,48% no ano passado e, segundo cálculos do setor privado, pode ser um pouco maior em 2013, apesar de o governo trabalhar com uma previsão de 5%.

Os produtos que compõem a cesta básica subiram em média 10% em 2012, segundo cálculos de organismos sindicais independentes. Dilma não detalhou a forma como será feita a revisão dos produtos, mas disse que a lista atual está "ultrapassada" e, por isso, é necessária uma "adaptação".

A presidente afirmou que a política de desoneração de alguns setores realizada pelo governo a dois anos, junto com a tendência de queda das taxas de juros, garantirá o crescimento da economia, que será "mais lenta", já que "o mercado internacional ainda não se recuperou" da crise global. O governo calcula que a economia brasileira, que fechou 2012 com uma expansão menor que 1%, crescerá em torno de 4% este ano, enquanto o setor privado estima que o crescimento será de 3,10%.

Sobre a política de desonerações, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje em um fórum empresarial realizado em São Paulo que a intenção do governo é mantê-la e inclusive aprofundá-la.
Mantega fez um balanço geral das diversas medidas adotadas para reduzir "os custos financeiros e de energia", e garantiu que o Executivo propõe para este ano "uma maior redução dos custos tributários".
Segundo o ministro, "o Brasil está em uma cruzada para reduzir os custos" de produção, a fim de baratear a vida dos cidadãos e para tornar as exportações mais competitivas no mercado internacional
 
Fonte: Agencia EFE  

MÚSICA: Trem Fantasma

-Trem Fantasma
-Oliver No Planeta do Sol. 
- EP independente, 2010.

Em meio ao marasmo habitual que já tomou a cena rocker nacional [arrisco a dizer até a mundial] vez por outra aparecem projetos novos, coesos, de proposta bem definida. É nesse segmento que trilha o Trem Fantasma [não consegui evitar o trocadilho infame]. O nome da trupe já diz à que vieram: psicodelia/rock and roll uma vez que Trem Fantasma intitula também uma música d´Os Mutantes composta em parceria com Caetano Veloso; além do mais a capa do EP cheia de efeitos setentista não deixa dúvidas acerca do conceito estético da banda.


As guitarras de Leonardo Montenegro destilam icônicas influências: David Gilmor [Pink Floyd] e Jimmi Page [Led Zeppelin] em suas fases mais psicodélicas são as  mais claras, contudo, Frank Zappa e  Jimmi Hendrix sobrevoam e deixam suas marcas; a cozinha sob o comando de Marcos Dank [voz, baixo, violão o guitarra], Rayman Juk [voz, violão, baixo] e Yuri Vasselai [bateria, percussão] reverbera uma base viajante ao mesmo tempo pesad, porém sem agredir demais, forrando a cama para os vocais à la Roger Waters, sempre revezados.

Segundo as informação do site da banda no portal TramaVirtual, a banda surgiu no começo de 2008  "para tocar composições próprias inspiradas na psicodelia de 1967 e o peso dos anos 70. O nome da banda remete à música dos Mutantes, e dá um sentido de viagem, tanto pelo som, como pelo sentido de continuidade que um trilho de trem passa. A banda proriza a espontaneidade no seu som, improvisando bastante ao vivo."

Durante a audição de temas como "Guerra Dentro da Gente", "Ao Vivo Na Pompeia" e "Não Vai Mais Fazer" tem diluído em seus respectivos amálgamas os genes de discos como "A Sarceful Of Secrets", "Animals", ""Live at Pompeii" [estes do Pink Floyd]; "Abbey Road" e "Rubber Soul" marca o esporo beatle enquanto petardos como o disco IV do Led folhea alguns riffs da banda.

Cabe lembrar que a pioneira nesse "quase movimento" de influências retrôs tão reluzentes foi a alagona Mopho que fez sucesso com sua formação clássica [João Paulo, Leonardo Luis, Jr Bocão e Hélio Piska] no Sul/Sudeste durante a década passada mas perdeu o tino por culpa de divergências internas mas continua seus trabalhos de forma independente. Depois do Mopho tiveram outras bandas com proposta perecida, mas a que mais me agradou depois dos nossos conterrâneos foi o Trem Fantasma. O Brasil teve uma época de ouro durante as décadas de 70 e início dos 80 no quesito música psicodélica/rock anr roll: O Peso, Casa das Máquinas, O Terço, os próprios Mutantes, são apenas alguns nomes desse movimento. Bem que essa proposta poderia ser renovada. A música brasileira está precisando urgente de uma renovação de bom gosto.

Abaixo, veja o clipe "Não Vai Mais Fazer", prestem atenção na letra, na musicalidade e comprovem que estão acima da média. O trabalho é muito bom. Quem quiser baixar o som dos caras é só clicar aqui e baixar diretamente do nosso HD Moderno. Quem não conseguir baixar, manda um email ou add no face.

Walter A.
wjr_stoner@hotmail.com / facebook.com/Walter_blogTM

 


4 de fev de 2013

FILME: Os Infratores

Lawless  [EUA]. 2012.                                                                              Dir.: John Hillcoat                                                                           Elenco: Shia LaBeouf, Tom Hardy, Guy Pierce, Gary Oldman, Jessica Chastain;                                                                                           Dur.: 115 min. 

Não escondo de ninguém minha preferência por filmes baseados em histórias reais. Infelizmente, a maioria dos filmes com essa temática são filmes que narram histórias repletas de sangue, dor e desgraça. Contudo, são nesses momentos difíceis onde aprende-se as maiores lições da vida.

Um anônimo ditado diz "o caminho do aprendizado se divide em dois: o da dor e o do amor". Cabe só a nós decidir. E não é a toa que histórias como essa fiquem eternizadas pela Sétima Arte. São façanhas feitas por homens que marcam como ferro em brasa seu tempo e os estilhaços dos fatos continuam a ecoar durante anos.

O diretor John Hillcoat revelou-se um verdadeiro diretor de filmes com Os Infratores, uma vez que sua escola é a de vídeos clipes de rock. Sua primeira guinada na carreira foi A Estrada [2009] [onde aborda temas densos entre um pai e um filho viajando a pé por um EUA apocaliticamente devastado]; em 2012 ele lança com todos os méritos técnicos [fotografia, iluminação, som] em combinação com os atores certos para os papéis certos.

O filme conta a história da família BonDurant; o irmão mais velho Forrest [Tom Hardy] lidera junto com seu irmão Howard [Jason Clarke] um alambique clandestino em plena Lei Seca. Existem ainda mais o caçula, Jack [Shia LaBeouf] que é esperto e de boa vontade, porém sempre rechaçado dos negócios obscuros pelos outros 2 mais velhos.

Como a maioria dos jovens contrariados, Jack faz algo imprevisível e os negócios começam a florescer ainda mais, despertando a ira do agente federal Charles Rakes [Guy Pierce e atuação e caracterização fora do comum] que usa dos métodos mais sujos possíveis para chegar até os irmãos BonDurant. Devido a sua ríspides animalesca que contrasta com suas manias exageradas de asseio, Rakes se transforma em vilão perto dos irmãos fora-da-lei. Curtam o vídeo abaixo e quem quiser o torrent do filme, é só me mandar um email ou adicionar no face.

Walter A.
wjr_stoner@hotmail.com / facebook.com/Walter_BlogTM 




ÚLTIMAS: Sambista Zeca Pagodinho afirma que "Carnaval está morto" - Dep. Henrique Alves(PMDB), assim como Renan acusado de irregularidades, é o Presidente da Camara

Referência do samba, Zeca Pagodinho acredita que o Carnaval está morto


Zeca Pagodinho, 54, um dos principais nomes do samba brasileiro de todos os tempos, confessou ao jornal "Folha de S. Paulo", durante uma entrevista em um restaurante da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, que o Carnaval como ele conheceu antigamente está morto.

"Não tem Carnaval. Vou gostar de quê? Não tem nada. Roubaram tudo, sumiram com tudo. Acabaram com tudo o que é da cultura. Tudo. Não sei que doideira deu nesse mundo aí", opinou o sambista, que complementou ao afirmar que não entende ao certo o motivo disso ter acontecido.
Segundo Zeca, a cultura do samba clássico como um todo está de desfazendo no Rio em um processo que vem ocorrendo nos últimos 20 anos. "Não tem baile infantil pra você levar [as crianças]. Lá no meu condomínio tem, no prédio, mas eu não vou estar lá. Não sei o que aconteceu. As ruas não são mais enfeitadas. Também no meu bairro, em Del Castilho, tinha as cornetas. A gente ouvia as músicas de carnaval. Era um Carnaval. Não tem mais. Acho que Olinda que ainda tem. Carnaval. A Bahia tem, mas é axé, aquelas coisas assim. Estou falando de Carnaval, máscara, eu acho que é mais pro lado de Olinda", falou.

O sambista, que revelou não ser tão amigo do ex-presidente Lula, afirmou acreditar ainda que parte da culpa se deve ao baixo investimento da prefeitura da cidade na manutenção da cultura do Carnaval. Para ele, a festa cresce, mas a estrutura disponível não acompanha o progresso.
"A prefeitura deveria apoiar isso, dando mais banheiro, preparando a cidade para isso. Vem gente de fora. Não adianta botar dez banheiros para 200 mil pessoas. Não dá. E na hora de mijar nego não pensa em... Na hora que der vontade... Eu mesmo sou um, que tenho incontinência urinária, eu tomo remédio. Se puder eu vou mijar andando mesmo. Não quero saber não, fazer o quê?", disse, sendo corrigido pela assessora, segundo a "Folha", que afirmou que ele, na verdade, não sofre desse mal. "Eu tomo remédio para glicose. Aliás, eu não tenho paciência pra esperar, hahaha. É quase igual!", brincou.

Questionado se a perda da identidade do Carnaval se deve ao declínio da qualidade do samba, Zeca não poupou as palavras. "Não escuto samba ruim. Só escuto samba bom. Todos os que eu escuto são bons. Tem que ter uma melodia boa. Ou tem que ser divertido. Ou tem que dar uma mensagem bacana. Tem que falar do amor. Tem que ter um papo bacana. Um papo. Não um "aiaiai-oioioi-iuiuiuiu-aiaiaiai". Aí não vale", respondeu.

Fonte: Folha de São Paulo

O impressionante é a quantidade de alienados que se endividam, roubam, matam mais não perdem um carnaval. Em contramão ao hedonismo desvairado generalizado que rodeia a festa atualmente, o que um dos decanos do samba afirma deve ser respeitado, ele estando ébrio ou não.



Henrique Alves discursa em sua posse

Alves é eleito presidente da Câmara com 271 votos

Agora acompanhe a incrível semelhança com o personagem d´A Praça...
Mesmo sendo alvo de uma série de denúncias publicada pela imprensa no último mês, o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), elegeu-se no início da tarde desta segunda-feira presidente da Casa. Em votação secreta, o peemedebista obteve 271 votos, enquanto o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) recebeu 165, Rose de Freitas (PMDB-ES), 47, e Chico Alencar (PSOL-RJ), 11. Foram três votos em branco. Participaram da votação eletrônica 497 dos 513 deputados. Para se eleger em primeiro turno, eram necessários pelo menos 249 votos.

cara de um focinho de outro
O deputado potiguar, que tem 11 mandatos consecutivos e 42 anos de Câmara, dividirá com o colega de partido Renan Calheiros (AL), eleito na sexta-feira (01) presidente do Senado, o comando da pauta de votações do Congresso pelos próximos dois anos. Os peemedebistas à frente das duas Casas reforçam a posição do PMDB para a sucessão presidencial de Dilma Rousseff - o partido já tem a vice-presidência, com o presidente de honra do partido, Michel Temer.

Ainda bem no Congresso tem apenas 1. 2 ia ser demais pro Erário
Em seu discurso, Henrique Eduardo Alves atribuiu ao "fogo amigo" as denúncias que surgiram contra ele. Nesta segunda-feira, os deputados encontraram em seus gabinetes uma publicação com cópias de reportagens de supostas irregularidades cometidas por Alves no exercício do mandato e até as suspeitas de enriquecimento ilícito. Ele classificou a publicação apócrifa de "pequena", "mesquinha" e de um "comportamento sem cara, sem rosto, clandestino e subterrâneo". Disse ainda que "as labaredas desse fogo amigo não resistem às chuvas de verão".

O deputado afirmou que, no último mês, quiseram construir um novo Henrique com a publicação das reportagens. "No mês eleitoral, quiseram rediscutir Henrique, quiseram refazer Henrique, construir um outro Henrique", disse. Alves disse que as denúncias não chamuscam o alicerce que construiu em sua vida e defendeu a liberdade de imprensa.

O deputado do PMDB fez um discurso para o público interno, em defesa do Parlamento. Ele foi aplaudido ao prometer criar uma comissão para analisar propostas sobre o chamado orçamento impositivo para as emendas parlamentares, uma antiga reivindicação dos deputados, que contraria os interesses do governo federal. Com o orçamento impositivo, a presidente Dilma Rousseff não poderá mais segurar a liberação de dinheiro do Orçamento quando se tratar das emendas individuais parlamentares aprovadas na lei orçamentária.


Críticas


Henrique Eduardo Alves foi o alvo preferencial dos outros três candidatos. Logo após o pronunciamento do peemedebista, o deputado Júlio Delgado fez um duro discurso em que rebateu todos os pontos da fala do favorito. De improviso, Júlio Delgado disse que "chegou a hora da mudança", de "vencer as práticas políticas que envergonham o Parlamento" e vencer "a politicagem na Casa Legislativa".


Intitulando-se o primeiro a se lançar contra a "candidatura única", o deputado do PSB lembrou que a ausência de disputa não permite o debate, a essência do Parlamento. Júlio Delgado criticou inicialmente a proposta de Henrique Eduardo Alves de aprovar o orçamento impositivo. O deputado do PSB lembrou que essa é uma ideia que já se tentou viabilizar no passado sem sucesso. A proposta que considera mais factível, ressaltou, seria a de um contingenciamento parcial do Orçamento, de uma forma que não atingisse todos os recursos das emendas parlamentares.


Primeira candidata a discursar, a deputada Rose de Freitas defendeu maior independência do Parlamento em relação ao Executivo. Ela acusou o Executivo "não respeitar o povo brasileiro", por meio dos seus representantes na Câmara, cobrou a aprovação de um orçamento impositivo. "O Poder Executivo não respeita o povo brasileiro. Nunca vi querer um Parlamento forte, somos da base do governo, trabalhamos, queremos que se fortaleça", disse a deputada capixaba, que anteriormente elogiou a presidente Dilma Rousseff.


A atual vice-presidente da Câmara disse que não quer a Casa dependendo de "pires, de favor". Num discurso voltado para o público interno, Rose de Freitas cobrou a aprovação do orçamento impositivo, ressaltando que essa ideia não é "metáfora de campanha". Ela disse ter apresentado a proposta 18 vezes na Câmara, tendo sido todas elas derrubadas.


Último a falar da tribuna antes da votação, o deputado Chico Alencar criticou a hegemonia do PMDB no Legislativo. Ele afirmou que o comando das duas Casas nas mãos do partido dificulta o exercício da função fiscalizadora do Congresso. "É um perigo para a democracia brasileira." Segundo ele, isso fará com que o "oficialismo predomine" e o Legislativo renuncie à fiscalização.


Alencar chegou a dar uma estocada em Henrique Eduardo Alves, ao defender o projeto em tramitação na Casa que proíbe o parlamentar de destinar recursos de emendas ao Orçamento da União para empresas de assessores. Uma das denúncias que pesam contra Alves é por suposto favorecimento à empresa de engenharia de seu assessor, que deixou o cargo após a publicação de reportagem sobre o assunto.

Veja nas imagens acima a semelhança entre o dep. Henrique e o personagem João Plenário do humorístico A Praça É Nossa do SBT; de tanto o povo não ligar pra política até as caricaturas de políticos conseguem ser eleger. A vida imita a arte, ou a arte imita a vida? Ironias à parte, é impressionante a semelhança entre a hiena real e bastante sedenta e a hiena de mentira. Esse é nosso Brasil: o segundo homem mais poderoso do país já renunciou antes para não perder o mandato e o terceiro está prestes a renunciar pra não perder o mandato. Quando teremos homens de bem gerindo nossas riquezas? Acho que essa pergunta é utópica demais.