Blogroll

30 de nov de 2009

Lei contra a discriminação homossexual

Está em tramitação no Congresso Nacional o projeto de Lei nº 122/2006, de autoria da deputada federal Iara Bernardi (PT/SP). O projeto proposto visa, entre outras coisas, aterar a Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor e também alterar o parágrafo 3º do art. 140 do Código Penal brasileiro que versa sobre a injúria (atribuir a alguém qualidade negativa, que ofenda sua honra, dignidade ou decoro), ou seja, o projeto de lei torna crime a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero - equiparando esta situação à discriminação de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, sexo e gênero, ficando o autor do crime sujeito a pena, reclusão e multa.

A priori podemos afirmar que são desnecessárias leis desse tipo, pois o próprio conceito do crime de injúria já engloba a discrimanação sobre a orientação sexual, porém, pela ignorância de grande parte dos brasileiros, esse tipo de criação legislativa tem que ser editada, dando ênfase negativa a uma atitude praticamente estúpida.

Entidades religiosas e homofóbicas estão praticamente projetando uma "cruzada" contra o projeto de lei e contra os homossexuais baseando-se nas escrituras religiosas, como se os 6 bilhões de habitantes do planeta terrra seguissem a mesma religião. Mais uma intolerância fundamentalista por parte dos religiosos.

No sítio do Senado Federal, onde a pauta do projeto está em apreciação e deverá ir à audiência pública para uma discussão ampla, foi colocada uma enquete com a seguinte questão: Você é a favor da aprovação do projeto de lei (PLC 122/2006) que pune a discriminação contra homossexuais? Hoje (dia 30/11/2009) o resultado parcial aponta o "Sim" com 48,67% e o "Não" com 51,33%. O que você acha? É a favor ou contra?

29 de nov de 2009

Livro: Cem Anos de Solidão

A expressão "esse livro mudou minha vida", nunca teve um sentido concreto pra mim. Sempre achei livros essênciais, mas, não sei se por culpa do método rudimentar de ensino que enfrentei, não sentia prazer em apreciar livros didáticos. Lembro uma vez que apanhei e fiquei proibido de brincar por 1 mês por passar 20 dias sem fazer a lição de casa usando o artifício de que a professora ia corrigir tudo na revisão para as provas. A letra fria e teórica dos filósofos e pensadores, as vezes sem nenhum coração, até que me faziam entender algumas coisas... Mas sempre fica-se desejando algo empírico, algo que você possa relacionar e comparar a você e suas situações de vida. Aí entram os romances. Alguns me prendiam de uma forma única, só parava de ler quando acabava. Mas ainda nenhum livro, antes de Cem Anos de Solidão do indenominável Gabriel Garcia Marquez, tinha-me feito pensar de uma maneira tão completa, fazendo com que eu juntasse as peças do quebra-cabeça esfumaçado da existência humana que estava totalmente embaralhado em minha jovem mente.

O livro conta a história de várias gerações de uma família que tem como patriarca José Arcádio Buendía um homem que sai de sua cidadezinha natal para fundar um povoado em meio a natureza selvagem com a culpa de ter matado um homem. Leva sua mulher Ursula e alguns amigos que o seguem. Em meio a paisagens marcantes, acontecimentos fantásticos, sempre costurando a história da família com a época das guerras nos países latinos invadidos pelos capitalistas. Narra-se amores, guerras, pontos de vistas de vários personagens, alguns caricaturas de nosso dia a dia. O filho que sai de casa para cair no submundo, o pai distante, a mãe segura e firme, mas sem nunca perder a empatia, mostrasse a verdadeira verdadeira líder da família... Márquez, nos mostra como as histórias cotidianas acabam refletindo em decisões mais importantes de uma nação ao mesmo tempo que nos mostra fatos que vivenciamos, servindo de exemplo de como não agir e como é quase impossível manter o mundo em ordem, principalmente quando deixamos de lado o amor, a conversa, o entendimento e vamos em busca apenas do desconhecido, do novo, da matéria, seja em forma de sentimentos fúteis e passageiros ou da forma pura do poder: o dinheiro.

Várias revistas como Veja (não leia, a não ser pra criticar), Superinteressante, Galileu, etc. já publicaram reportagens sobre esse clássico mundial. Existem por exemplo, no site da Superinteressante um quadro que resume a história. Vários estudos acadêmicos, inclusive muitos doutorados, foram pautados nesse livro. Mas e daí? Não é isso que importa. É a mensagem de Gabriel Garcia Márquez que importa e ele nos mostra de forma simples e direta, mas sem perder nunca a sensibilidade. Soa frio as vezes, mas o momento é necessário.

PS.: A interpretação numerológica de meu nome desemboca no número 7, o que significa, segundo crenças sem bases científicas - e nem por isso menos relevantes - que tenho a insígnia da solidão marcada desde minha criação. Só soube disso depois de já passar da metade do livro. Esse fato não me fez gostar mais ou menos do livro. Apenas despertou em mim mais uma vez a pergunta: será o destino? Vou continuar a lê-lo para saber. Pra quem já leu o livro, já tive vontade de ser o Coronel Aureliano e mudar o mundo. Infortunadamente, ultimamente estou mais para o patriarca José Arcárdio que tudo observa solitário, de longe, embaixo de uma castanheira, mudo e com fama de louco.
Walter Jr

26 de nov de 2009

Música: Them Crooked Vultures

O rock andava perdido, triste, sem muita vontade de viver... Alguns já afirmavam que ele havia morrido. Outros até diziam que ele havia renascido... Bem, o fato é que tudo na vida é um ciclo e com as vibrações sonoras não poderiam ser diferentes. O rock andava tão confuso ultimamente que foi preciso que uma coalizão fosse criada. Dave Grohl, John Paul Jones e Josh Homme são homens por trás dos Them Crooked Vultures, que lança seu primeiro albúm homônimo esse mês.

O TM não poderia deixar de dar esse presente aos amantes da boa música. O rock de hoje andava tão confuso, tão influenciado por não sei o quê... Bandas que estavam no auge no final dos anos 90 e começo dos 2000, como Red Hot Chili Peppers, U2, Pearl Jam, etc, etc, cairam num ostracismo imenso, ao ponto de seus integrantes formarem outras bandas paralelas com integrantes de outras bandas de renome. Joe Satriani juntou-se a Chad Channing (bateria do Red Hot) e Sammy Hagar (ex Van Halen) para formar o Chikenfoot. Flea (baixista Red Hot) juntou-se com Tom York (vocal Radiohead); Ian Asburn (ex The Cult) juntou-se aos ex integrantes do lendário The Doors e saíram em turnê... e assim sucessivamente vem acontecendo, todos se reunindo, tentando buscar algo novo para salvar o bom e velho rock and roll .

Quem não conhece os nome citados no primeiro parágrafo, com certeza vai lembrar das 3 bandas por onde passaram esses abutres tortos (tradução livre): Nirvana, Led Zeppelin e Queens Of The Stone Age. Todas dispensam comentários e tiveram suas carreiras marcadas por acrescentarem vitalidade e inovação no rock.

O projeto existe desde 2005, mas apenas agora eles resolveram lançar oficialmente. Josh Homme conveceu Grohl a voltar para as baquetas e dar um tempo no Foo Fighters. Que por sua vez pediu a presença de Jonh e foi atendido. O disco é o que eles são: uma mistura de Led, Nirvana e Queens Of The Stone Age. Por isso chamou tanta atenção.Não, eles não vieram para salvar o rock como tanto já se proclamou por aí a cada novo verão. Eles se reuniram para, acima de tudo, fazer o que mais gostam: tocar. Ex integrantes de bandas "alternativas", esses quase senhores, mesmo já experimentados na vida da estrada, mostram que um tempo parado, estático, sempre faz bem pra recarregar as energias. Grohl não perde a potência e coordenação perfeita na bateria, acompanhado pelas viajantes linhas de baixo de Jones enquanto Homme destila toda sua técnica psicodélica-hard-punk-blues em suas suites de guitarra calibradas por efeitos mais que viajantes.

Eles não vieram pra salvar o rock. apontar que rumo seguir, tentar mostrar o que não precisa ser mostrado, apenas subentendido. Eles não querem apontar a direção certa. Mas também não vieram para confundir. A ideologia deles é clara. As letras, à cargo de Homme, indicam apenas histórias de vida mas, não do modo heróico ou sofredor que se vê hoje. Amor, violência, desespero, tristeza, rompimentos, retomadas, sarcasmo, ironia, sadismo... A experiência de cada membro somado juntamente com a vontade de soar despretencioso e sincero, fizeram com que fluissem 13 músicas de uma qualidade a muito tempo não vista. Albúm já considerado clássico.

Enquanto as bandas emos e pop-teens tantam mascarar a decrepitude do rock, maquiando-o e fazendo-o parecer "jovem", o Them Crooked Vultures, vai na contramão; anda pelas sombras e te leva a atmosferas das mais soturnas, pairando como névoa lúgubre, espantando com as asas de abutre todo a inércia, apatia e descrença dessa nova geração que nem sequer consegue distinguir mais o que é preto e o que branco. Clique aqui para baixar o disco.

Set List: 1.No One Loves Me & Neither Do I - 2.Mind Eraser No Chaser - 3.New Fang - 4.Dead End Friends - 5.Elephants - 6.Scumbag Blues - 7.Bandoliers - 8.Reptiles - 9.Interlude With Ludes - 10.Warsaw Or The First Breath You Take After You Give Up - 11.Caligulove - 12.Gunman - 13.Spinning In Daffodils.



Walter Jr.

22 de nov de 2009

Conheça o Museu da Corrupção

"No dia em que se comemoram os 509 anos do descobrimento do Brasil e em que a farra das passagens aéreas no Congresso ganha as manchetes do noticiário, o Diário do Comércio inaugura o seu Museu da Corrupção on-line, um espaço de exibição e reflexão sobre os escândalos que marcaram a história do País. Num primeiro momento, o site vai tratar do período entre a década de 1970 e os dias atuais. A proposta, porém, é recuar década a década, século a século, até os tempos coloniais. Afinal, não seria exagero afirmar que a corrupção nasceu quase em seguida ao descobrimento".

O texto acima é a apresentação do MUCO, o Museu da Corrupção. Vale a pena passear pelas alas desse museu e tirar a poeira da memória em relação aos tantos escândalos políticos da história brasileira.

Acesse aqui o Museu da Corrupção.

Imagens do Instituto Histórico

Será realizado no dia 2 de dezembro o lançamento do primeiro livro dedicado exclusivamente ao acervo iconográfico do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas.

Acervo de grande valor e diversidade, esse tesouro, está, nessa publicação, visitado em uma pequena parte, criteriosamente selecionada. Novos livros deverão se candidatar para seguir adiante a tarefa de popularizar imagens da história alagoana.

Memória das Alagoas é o título da obra, editada numa parceria entre o Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas - IGHAL - e o Governo de Alagoas. O livro tem 170 páginas e contém apresentação da lavra do governador Téo Vilela, nota explicativa por conta secretário Álvaro Machado, prólogo de autoria do presidente do IGHAL, Jayme de Altavila. O médico e intelectual Fernando Gomes é o guia do leitorado na vista as imagens publicadas.

A solenidade de lançamento, não por acaso, coincide com o aniversário de 140 anos de fundação do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, entidade que segue sendo (e se fortalecendo) a mais importante depositária da memória histórica alagoana.

Abaixo, como amostras grátis, duas imagens da obra em tela:

Casa de detenção de Maceió, ou a "cadeia velha", criminosamente demolida nos anos 70.

Carnaval de rua em Passo do Camaragibe, no ano de 1921.

Será que União dos Palmares ou outra cidade da zona da mata alagoana ganhou um pequeno espaço nessa obra? Só folheando pra saber.

Fonte: Blog do Enio Lins, com adaptações e complementos.

SESI Brasil, III Mostra de Cinema Brasileiro

A partir do próxima dia 27 terá início a SESI Brasil - III Mostra de Cinema Brasileiro promovida pelo Serviço Social da Indústria - SESI - em Alagoas. A mostra acontecerá no Centro Cultural Sesi na Pajuçara, Maceió. A mostra vai até o dia 04 de dezembro.


Está confirmada a presença na mostra dos diretores Rosemberg Cariry, com seu filme Patativa do Assaré: Ave Poesia, José Eduardo Belmonte, apresentando o elogiado longa Se Nada Mais Der Certo e Camilo Cavalcante com uma mostra de curtas.

Integrando o evento haverá um concurso: quem enviar uma foto ou uma ilustração que melhor representar nosso país para o e-mail nucleozero@nucleozero.com.br concorrerá a um passaporte para a III Sesi Brasil - Mostra de Cinema Brasileiro. Quem quiser concorrer tem até o dia 25/11 para enviar o arquivo em formato JPG com tamanho máximo de 3mb. O resultado sai no dia 26/11 no site do Centro Cultural Sesi.

O público poderá participar diretamente da mostra, escolhendo os melhores filmes nas categorias Ficção e Documentário para receber o Troféu Sesi Brasil.

Para mais informações, preço dos ingressos e para saber a programação completa, acesse aqui o site do Centro Cultural Sesi.

16 de nov de 2009

Fundação Cultural Palmares certifica 26 comunidades quilombolas em Alagoas

Entre as vinte e seis comunidades, duas são do município de Santana do Mundaú, localizado a 29 km de União dos Palmares, são as comunidades quilombolas de Jussarinha e Mariana. Certificados de reconhecimento serão entregues no próximo dia 18 em solenidade no Palácio República dos Palmares

Pela primeira vez, 26 comunidades remanescentes quilombolas receberão da Fundação Cultural Palmares seus certificados de auto-reconhecimento. O Núcleo de Gerência de Quilombolas do Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas (Iteral), juntamente com o governador Teotonio Vilela Filho e demais representantes do Governo entregarão os documentos durante solenidade no Palácio República dos Palmares.

Aproximadamente 50 representantes das comunidades estarão presentes à solenidade e receberão das mãos do próprio presidente da Fundação Cultural Palmares, Zulu Araújo, a certificação de suas comunidades. O reconhecimento foi possível graças ao mapeamento étnico cultural realizado pelo Iteral nas 45 comunidades de Alagoas, onde foi observado que 39 não eram reconhecidas.

As comunidades que serão certificadas e os municípios onde estão localizadas são os seguintes: Jussarinha, Santana do Mundaú; Sapé, Igreja Nova; Abobreiras, Teotônio Vilela; Birrus, Teotônio Vilela; Barro Preto, Água Branca; Serra das Viúvas, Água Branca; Serra das Viúvas, Água Branca; Aguazinha, Olho D´Água das Flores; Guarani, Olho D´Água das Flores; Lagoa das Pedras, Água Branca; Santa Filomena, Palestina; Burnil, Pariconha; Malhada Vermelha, Pariconha; Sítio Belo Horizonte, Traipú; Uruçu, Traipú; Sabalangá, Viçosa; Gurgumba, Viçosa; Macuca, Jarapatinga; Serrinha dos Cocos, Senador Rui Palmeira; Bom Despacho, Passo do Camaragibe; Cabloco, São José da Tapera; Cacimba do Barrro, São José da Tapera; Mariana, Santana do Mundaú; Passagem do Vigário, Taquarana; Alto do Madeira, Jacaré dos Homens; Pixaim, Piaçabuçu.

Fonte: Fundação Cultural Palmares.

14 de nov de 2009

Segundo Renan Calheiros, logo União ganhará seu campus da UFAL

O senador Renan Calheiros, líder do PMDB, registrou, durante pronunciamento em Plenário, na tarde da quinta-feira, 12, a visita da reitora da Universidade Federal de Alagoas, professora Ana Dayse, que foi ao seu gabinete convidá-lo para a inauguração do prédio do Laboratório de Computação Científica e Visualização (LCCV) da Ufal, em Maceió, no próximo dia 19.

Renan aproveitou para homenagear a reitora pelo sucesso da 4ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas – “um evento muito importante no calendário cultural nacional e internacional que mostra a competência e dedicação de todos os que fazem a Universidade Federal de Alagoas, especialmente a figura da reitora Ana Dayse, e da organizadora da feira, professora Sheila Maluf”.

A Bienal ocorreu de 30 de outubro a 8 deste mês Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso, em Maceió, no bairro de Jaraguá, com 130 estandes e a presença de quase 160 mil visitantes, que compraram mais de 100 mil livros e gerou uma renda estimada em R$ 3 milhões.

O senador confirmou, ainda, a liberação de R$ 4,5 milhões para interiorização do ensino federal em Alagoas.

– Já conquistamos a implantação do campus da Ufal de Palmeira dos Índios, de Penedo e de Arapiraca, onde já temos mais de 3 mil alunos distribuídos em 11 diferentes cursos; estamos construindo e do Delmiro Gouveia e vamos começar o de Porto Calvo, Santana do Ipanema e União dos Palmares – comemorou Renan.

Fonte: www.ufal.edu.br

13 de nov de 2009

Concurso vai promover a música de Alagoas

A música de Alagoas recebe um novo incentivo, às vésperas do Dia Nacional da Cultura — 5 de novembro. A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) publicou no Diário Oficial da última terça-feira (3), o edital do Prêmio de Incentivo à Produção de CDs e/ou DVDs de Música em Alagoas.

Forró, pagode, bossa nova, rock, axé e outros ritmos. O edital é democrático e abre espaço para músicos, grupos, conjuntos, compositores ou intérpretes de todos os gêneros musicais. A exigência? Ser um artista da terra.

“Este prêmio de incentivo aos músicos era um compromisso antigo. Queremos fomentar a produção artística local. Com a publicação do edital, universalizamos a informação e abrimos oportunidades para todos”, afirmou o secretário de Estado da Cultura, Osvaldo Viégas.

Ao todo serão concedidos até 19 prêmios no valor total de R$ 75 mil, originários do orçamento do Fundo de Desenvolvimento de Ações Culturais (FDAC). Os primeiros nove selecionados receberão R$ 5 mil e os demais receberão o valor de R$ 3 mil, a serem empregados na produção dos CDs e DVDs.

Os vencedores serão selecionados pela Comissão de Análise de Projetos (CAP) da Secult. As inscrições seguem até o dia 10 de dezembro, por meio dos Correios ou diretamente na Secult, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

A ficha de inscrição e o edital estão disponíveis no site www.cultura.al.gov.br (na pasta Editais e Concursos) e na sede da secretaria, na Praça Marechal Floriano Peixoto, 517, Centro. Mais informações pelo telefone: (82) 3315-7868.

Clique aqui para ir direto para a página do Edital no sítio da Secult.

Assessoria de Comunicação - Secult. Fones: (82) 3315.7866 / 8833.9056. E-mail:
noticiasdasecult@gmail.com

12 de nov de 2009

Quase metade dos jovens do país está na pobreza, mostra IBGE

Quase metade das crianças e dos jovens de até 17 anos estava em situação de pobreza ou extrema pobreza no ano passado, de acordo com estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira. Segundo o levantamento, intitulado Síntese dos Indicadores Sociais , 44,7% das crianças e adolescentes do país estavam na condição de pobreza ou pobreza extrema, o equivalente a cerca de 11 milhões de pessoas. Apenas 36,8% dos jovens de 18 a 24 anos têm ensino médio completo e 34,9% das mulheres são chefes de família.

Pelos critérios da pesquisa, um pobre tem um rendimento domiciliar per capita de até meio salário-mínimo por mês ao passo que o extremo pobre tem uma renda de até um quarto do mínimo. No Nordeste, 66,7% das pessoas com até 17 anos vivem na pobreza ou na extrema pobreza ao passo que no Sudeste o contingente era de 31,5%.

A estrutura etária do país manteve o processo de envelhecimento, segundo o IBGE. A taxa de fecundidade no país atingiu 1,89 por mulher sendo que na região sudeste esse nível ficou em perto de 1,5 filho por mulher, se aproximando do padrão europeu. Com a redução da fecundidade e aumento da esperança de vida, o número de idosos não para de crescer. Em 2008, eram aproximadamente 21 milhões de pessoas com mais de 60 anos superando os contingentes de países europeus como França, Itália e Inglaterra, segundo o IBGE.

Fonte: IBGE

Concurso do IBGE para nível superior

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE - abriu nesta quinta-feira (12) as inscrições para 350 vagas em cargos de nível superior. São 278 vagas de analista de planejamento, gestão e infra-estrutura em informações geográficas e estatísticas e 72 vagas de tecnologista em informações geográficas e estatísticas. Os salários variam de R$ 5.909,63 a R$ 7.409,19, de acordo com a titulação dos aprovados.

O candidato deverá escolher a área em que quer trabalhar. As provas objetivas, discursivas e práticas serão realizadas na localidade da vaga escolhida. As provas objetivas estão previstas para 10 de janeiro de 2010 e terão duração de 4h30.

As inscrições poderão ser feitas pelo site www.cesgranrio.org.br até 6 de dezembro. A taxa de inscrição custa R$ 110,00. Clique aqui para ver o Edital. Há vagas previstas em todas as Unidades da Federação e no Distrito Federal.

As 278 vagas para analista estão divididas entre as seguintes áreas: análise de sistemas/desenvolvimento de aplicações, análise de sistemas/suporte à comunicação e à rede, análise de sistemas/suporte, análise de sistemas/suporte de produção e rede, arquivologia, assuntos educacionais, auditoria, biblioteconomia, ciências contábeis, engenharia civil, engenharia elétrica, engenharia de produção, geoprocessamento, gestão e infraestrutura, gestão em pesquisa, história, jornalismo, letras (português/inglês), pedagogia, planejamento, orçamento e finanças, produção gráfica/editorial, programação visual, recursos humanos, e recursos materiais e logística.

Já as 72 vagas de tecnologista se dividem em análise agrícola, análise socioeconômica, engenharia cartográfica, engenharia florestal, estatística, geografia e geologia.

O concurso terá prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, para todas as áreas de conhecimento; prova discursiva, de caráter eliminatório e classificatório, para as áreas de conhecimento de análise de sistemas/desenvolvimento de aplicações e de jornalismo; prova prática, de caráter eliminatório e classificatório, para as áreas de conhecimento de produção gráfica/editorial e de programação visual; análise de títulos, de caráter classificatório, para todas as áreas de conhecimento.

O candidato deverá escolher a área em que quer trabalhar. As provas objetivas, discursivas e práticas serão realizadas na localidade da vaga escolhida.

STF confirma suspensão da posse dos suplentes

Ontem, dia 11, o Supremo Tribunal Federal confirmou em sessão plenária a liminar da ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha nas Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADI 4307 e ADI 4310) contra a chamada “PEC dos Vereadores”, proposta de Emenda Constitucional que aumenta em mais de 7 mil o número de vereadores no Brasil. Todos os ministros votaram contra, com exceção do ministro Eros Grau.

Um voto interessante e que serve de espelho dos demais votos foi o do ministro Carlos Ayres Britto, que preside o Tribunal Superior Eleitoral (TSE): "Só há uma forma de investidura legítima nos cargos de representação popular, é pelo voto mediante a audiência do eleitorado. Fora disso não há legitimidade na investidura, tirante aqueles casos de chamamento do suplente por efeito de uma classificação que se faz nos termos do Código Eleitoral e de acordo com os diplomas expedidos pela Justiça Eleitoral. Pensar diferente é fazer da emenda um substitutivo, um sucedâneo da urna. É conferir à emenda à Constituição a dignidade de voto, de voz do eleitor. Nós sabemos que só quem tem voto é o eleitor, nos termos do artigo 14 da Constituição”, afirmou Ayres Britto, acrescentando que permitir que uma PEC confira mandatos seria um “caso bizarro e esdrúxulo de eleição por ato legislativo”

Com o referendo à decisão da ministra Cármem Lúcia, nenhum suplente a vereador das eleições do pleito eleitoral de 2008 poderá ser empossado e na prática, a decisão tomada em plenário nesta quarta mantém o efeito da liminar. Assim, caso a decisão não seja revogada no julgamento definitivo no STF, os novos cargos de vereador só poderão ser criados a partir da próxima eleição municipal, prevista para 2012.

Fontes: Supremo Tribunal Federal; G1, com adaptações.

11 de nov de 2009

Atrações musicais divulgadas para o Mês da Consciência Negra 2009

De acordo com publicação do blog A Terra da Liberdade, as bandas de reggae Tribo de Jah e Adão Negro foram confirmadas pela Secretaria de Cultura de União dos Palmares para apresentações no Mês da Consciência Negra. Adão Negro deverá se apresentar no dia 19 de novembro, Tribo de Jah no dia 20. Os shows acontecerão na Praça Basiliano Sarmento.

Nas festividades do ano passado, as atrações musiciais principais foram as cantoras Sandra de Sá e Margarete Menezes, além de shows de bandas palmarinas (Estuário, Verde Raiz etc) . Esse ano as comemorações se voltam totalmente ao estilo musicial do reggae, o que não chega a ser um erro, mas certamente concorre para, no mínimo, uma falta de planejamento, uma vez que a realidade negra, afro, ou seja, a cultura negra brasileira não se resume ao reggae. Pode-se afirmar também que não se deve restringir a um só estilo musicial por tornar o evento repetitivo, sem criatividade. Sem falar no resto da programação.

Outro ponto escorregadio nesse Mês da Consciência Negra é que as bandas e grupos locais que deverão se apresentar durante os próximos dias e até abrindo os shows das citadas atrações principais, não são apresentados ao público, são anunciados como "bandas da terra" e "grupos da terra". Como já disse meu irmão Walter Jr., são as minhocas adestradas de União dos Palmares? Esse tipo de divulgação só desvaloriza os grupos culturais e as pessoas que lutam para acrescentar algo a Cultura palmarina.

I Festival de Música da Ufal

A Universidade Federal de Alagoas, visando promover o resgate dos antigos festivais universitários, realiza no período de 12 a 14 de novembro o primeiro Festival de Música. O festival foi idealizado pela Pró-reitoria Estudantil, através da Coordenação de Política Estudantil, visando o fortalecimento da produção artístico-musical dos três segmentos que compõem a comunidade acadêmica: estudante, professor e técnico.

A abertura do I Femufal será no dia 12 de novembro, às 14h30, em uma tenda cultural que será montada ao lado da Biblioteca Central, no Campus A.C. Simões, com uma mesarredonda sobre o tema "História dos festivais universitários em Alagoas". Após a mesa, será lançado o LP em CD do Festival de 1981. Na abertura também haverá a apresentação do Coletivo Afro-Caeté.

A mesarredonda contará com as presenças de Paulo Poeta, Edson Bezerra, Sávio de Almeida e Ênio Lins. À noite, às 18h, acontecerá o show do Rapper GOG no Posto 7, Jatiúca. GOG vai iniciar em Maceió sua primeira turnê pelo Nordeste lançando o DVD ao vivo “Cartão Postal Bomba”.

O I Festival de Música da Universidade Federal de Alagoas (Femufal) constitui-se num evento acadêmico-universitário que pretende revelar e dar publicidade à produção artística e às habilidades culturais dos estudantes, professores e funcionários no campo da música. Conta com a parceria da Prefeitura Municipal de Maceió, através da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC).

Programação
O Festival acontecerá em três fases: dez músicas serão apresentadas no dia 12 e três serão classificadas para a final. No dia 13, mais 10 músicas concorrentes sobem ao palco e mais três músicas serão classificadas. No dia 14, os seis finalistas disputarão os três primeiros lugares. A premiação para o primeiro lugar será R$3.000,00 mais participação no CD do festival; segundo lugar, R$2.000,00 e participação no CD do festival; terceiro lugar, R$1.000,00 mais participação no CD do festival. O melhor intérprete receberá R$500,00. Essas etapas ocorrerão no Posto 7, praia de Jatiúca, a partir das 18h.

A Ufal lançará dois CD’s: um contendo as 20 músicas selecionadas para o Femufal e o outro um relançamento de uma coletânea de um festival de música realizado na Universidade nos anos 80.

Fontes: www.ufal.edu.br ; blog do Coletivo Afra-Caeté.

10 de nov de 2009

EDITORIAL:

Quem acompanha o blog há de ter percebido que não mais tenho escrito/postado nada no TM. Não foi por escolha, nem por falta de tempo, muito menos por descaso. Não deixei o TM de lado, nada disso. Muito pelo contrario: cheguei a pensar tantas e tantas coisas que eu gostaria de abordar aqui que entrei em conflito comigo mesmo. Temas de assuntos brotavam naturalmente, mas o que me falta (faltava) era o entusiasmo para dar continuidade. Cheguei a conclusão que a minha falta de vontade de ao menos começar a escrever se dava ao fato de minhas idéias irem de encontro com a realidade que brota aos nossos olhos humanos. Me vi afastado da realidade por culpa de minhas ideias.

Num passado não muito distante, achava eu que o mundo era uma terra de ninguém. Tinha absoluta certeza que não havia nada alem de nós aqui e por esse motivo, viveríamos para sempre entre sentimentos humanos corriqueiros como raiva, ódio, etc. que acabam muitas vezes por desembocar em ações brutas, animalescas, em pura violência. Via um mundo como representação de sentimentos humanos egoístas.

Com mais um pouco de avançar de tempo, confirmei que o mundo como é hoje não passa de uma representação mas não uma representação generalizada, afinal somos governados por pouquissimos homens em comparação com os 6 bilhões de habitantes do planeta. O mundo violento cruel onde me encontrava era uma representação de governantes... Uma representação mórbida de um mundo forjada por uma classe de homens que se acham melhores que a grande maioria simplesmente por terem mais dinheiro, mais bens, mais riquezas.

Quando me dei conta desse fato, comecei a me perguntar qual a minha parcela de culpa de o mundo se encontrar tão fora de ordem. Busquei inúmeras explicações, e a mais coesa e tocante que consegui chegar foi: "a minha parcela de culpa, e também da maioria dos brasileiros, consiste em não entender de política". Foi a época que me interessei pelo Direito, pois é de lá que surgem as leis que regem e mantém o país funcionando, ainda que precariamente. Nos primeiros anos de faculdade aprendi como tudo começou, as primeiras tribos de legisladores, as primeiras nações de legisladores - destas, o Império Romano se destaca como a nação mais desenvolvida, ao ponto de influenciar as estruturas de nosso país mais de 2000 anos depois.

Quando eu caminhava para o fim da faculdade ainda acreditava que o melhor sistema de governo era a democracia; acreditava que a diminuição da ignorância política serviria para impulsionar um avanço agudo no desenvolvimento social de nosso país; acreditava que existia divisão entre os 3 poderes; acreditava que a fama de corruptos era apenas um modo de mandar os políticos trabalharem melhor; acreditava que não existia interferência entre as esferas de governo, nem nas esferas dos tribunais; acreditava que o problema da violência se resumia apenas ao fato das vendas de drogas; acreditava que a polícia era "do bem" e os bandidos "do mal"; acreditava que, mudando a parte de cima da pirâmide social, todo o resto se acomodaria de uma forma mais harmonica, mais equilibrada, mais humana.

Enquanto continuava minha caminhada em busca de mais conhecimento "acadêmico" que levasse a continuas diminuições dos abismos sociais, me interessei por História e por Filosofia. Deixei a parte atual, a teoria moderna, para voltar no tempo e tentar entender as raizes da maldade que deixou o mundo com essa cara ameaçadora. Não demorei para achar várias respostas para minhas perguntas. Analisando criticamente a Historia e absorvendo os principais conceitos da Filosofia, cheguei ao fim da faculdade totalmente averso ao Direito, aos Sistemas de Governo - qualquer que fosse - e a Sociedade como um todo. Vejam bem, não era ódio ou raiva e sim aversão, não me sentia parte da coletividade, não mais me sentia um ser com direitos e obrigações.

Terminei a faculdade esse ano. Meu ultimo ano de estudo, me ensinou mais de que os 4 anos iniciais. Aprendi que o mundo sempre foi desse jeito amendrontador; aprendi que a ganância do homem não apareceu junto com o capitalismo - esse já é produto daquele; Aprendi que não existe divisão de Poderes; aprendi que o Executivo paga para o Legislativo legislar em seu favor assim como também paga para o Judiciário julgar a seu favor; aprendi que individuo não tem voz perante as Organizações Financeiras; aprendi que a vida do ser humano foi transformada em mero objeto de mão de obra para financiar quem está no poder, independente do tamanho do salário ou do status social que o individuo ocupe.

Aprendi que a falta de investimento em Educação, Saúde e Cultura é uma decisão estratégica para manter o povo quieto; aprendi que não existe diferença entre políticos e grandes empresários: ambos iludem, sugam e mentem para continuar no poder; aprendi que o problema da violência só será resolvido quando a corrupção e a desigualdade social acabar, ou seja, nunca enquanto o mundo for como é. Aprendi que não existe diferença entre polícia e bandido, afinal ambos apenas defendem interesses próprios. E por fim, aprendi a lição mais dolorosa: esses não são males só de nosso país, mas do mundo todo. Cada país estrangeiro foi idealizado não para proteger e desenvolver seus cidadãos, mais sim, sugar sua força de trabalho e os recursos naturais da terra para manter o poder. Aprendi que quanto mais "rico" um país, mais "pobres" são sacrificados para manter a riqueza.

Sociedade, Familia, Escola, Governos, Religiões... Tudo havia sido corrompido pela maldade milenar do homem. Os pensadores e filósofos, tanto laicos quanto cristãos, até que tentaram alertar o homem do buraco onde estavam se metendo, mas suas escrituras foram deturpadas para serem usadas como objetos de controle social e arrecadação de verbas para Instituições tão corruptas quanto os governos. Não importa em que parte do planeta você estiver, sob qual sistema de governo você vive, muito menos qual religião você segue: seja na China, no Brasil, no Sudão ou nos EUA, o que sempre importou foi o Poder.

Me vi preso a um ciclo de idéias. Antes achava que o mundo não tinha salvação; depois achei que com o regramento jurídico as coisas poderiam ser melhoradas; com o estudo do regramento jurídico vi que nada poderia ser mudado e voltei a pensar que o mundo não tinha salvação e novamente entrei em conflito comigo mesmo procurando um sentido para minha existência.

Se estamos embebidos nesse meio corrosivo, onde a moral e a ética das pessoas são facilmente moldadas por valores vazios sem que se perceba, porque eu estou preocupado com o mundo? Porque eu estou preocupado com o outro? Porque estou preocupado enquanto milhões apenas se preocupam com seu próprio umbigo? Não me perguntei isso por muito tempo. Joguei tudo pro alto e esqueci do mundo e seus problemas. Me dei por entregue, apesar de sempre estar pensando e escrevendo sobre coisas que, ao meu ver, melhorariam meu redor. Me sentia que estava dando murro em ponta de faca e minha vontade de pensar sobre o mundo foi se esvaindo... Fui aceitando tudo como é. Fui desistindo de questionar como fazia antes.

Foi-se assim até o mês passado. Quem elaborou o editorial do mês de outubro foi meu irmão. Eu estava atarefado com meu trabalho de conclusão de curso, mas poderia ter tirado um tempinho pra escrever algumas linhas mas não o fiz. Não sentia vontade. Não via mais utilidade em escrever sobre coisas que todos viam estarem erradas mas ninguém podia fazer nada para mudar o rumo da coisa. Nao via mais sentido em escrever sobre políticos, sobre cultura que aliena, sobre a violência. Sentia como se algo me dissesse que eu estava no caminho errado. E eu estava. Eu pregava uma mudança inversa, de cima pra baixo. Os homens do poder deveriam dar o exemplo aos homens "comuns". Eu estava errado, estava indo de encontro a lógica.

Precisou que um fato extremamente pessoal acontecesse comigo para que eu parasse mais uma vez e repensasse tudo novamente... Dessa vez com mais cuidado, tentando achar o que eu havia deixado escapar... E por mais que eu procurasse, mais me via longe de achar a resposta e uma angustia grande foi tomando conta de mim. Até o dia que, como uma iluminação divina, aquele pensamento surge do nada e repentinamente em minha mente tudo fica claro: era a falta de amor que tinha deixado o mundo destruído dessa forma como nos acostumamos a vê-lo. Pra que lutar por melhoras em leis se a falta de amor fará com que as novas leis não sirvam pra nada? Melhoras no sistema eleitoral? Pra que se falta amor e sobra sentimentos negativos - ganância, soberba, inveja, etc, etc? Não adianta se ter o melhor sistema de governo, a melhor distribuição de renda do mundo, o menor índice de violência do mundo ou o melhor sistema de ensino do mundo se ninguém consegue ter amor puro no coração... Não adianta perdemos nosso tempo tentando resolver questões de uma cidade que envolvem o destino de milhares de pessoas se não conseguimos apaziguar nossa própria casa. Como podemos tomar decisões sem saber o que é amar, respeitar, entender, nossas namoradas, esposas, filhos, pais, irmãos, tios, avós, etc... Não nos esforçamos nem pra entender nós mesmo! Não adianta tentar mudar o mundo sem mudarmos nos mesmos antes. E nós só mudamos quando aceitamos que existe algo acima de nós. Só mudamos quando deixamos de nos achar as peças principais e passamos a obedecer a ordem natural das coisas a buscar dia após dia, hora após hora, ter pensamentos nobres, livres de maldade, de raiva, de ódio, de ofensas...

Mudaremos quando aprendermos a olhar para nós mesmo e analisarmos nossos próprios atos. Demorei muito tempo pra perceber isso mas sei que nunca é tarde pra deixar o amor entrar em nós, mudar nossa vida e consequentemente mudar o mundo. Quando formos pessoas amorosas, harmônicas entre si, o mundo será uma lar de verdade e não esse inferno fantasiado de civilização. Depois que entendi verdadeiramente que primeiro devemos aprimorar nossa alma para só então agir, entendi o significado do amor pelo próximo. Entendi o que significa "deus".

Depois que deixei de tentar apontar soluções para problemas que não podem ser resolvidos pela lógica, minha vontade de escrever voltou. Hoje não cobrarei mais de quem está por cima. Cobrarei primeiro de mim e só de mim a mudança e o amor necessário para que o mundo fique um pouco mais acolhedor. Cobrarei de mim o respeito, o amor, a confiança necessária para se ter laços humanos com o próximo e, consequentemente, com a coletividade. Será que ainda dá tempo?

Novembro, 2009.

Walter Jr
Editor-chefe

(Mais uma) Vergonha! Servidores alagoanos devem ficar sem o 13º salário!

A pouco mais de 20 dias para o fim do prazo legal para quitar a primeira parcela do 13º salário, o governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) disse nesta segunda-feira que o Estado ainda não tem os recursos garantidos para pagar o abono dos servidores estaduais, aposentados e pensionistas. Segundo a Secretaria de Gestão Pública, o Governo luta para honrar o compromisso ainda em 2009, mas não há certeza.

O governador afirmou não ter "novidades" a apresentar sobre o pagamento. "Não há nada novo. Ainda não temos previsão dos recursos", informou Vilela, durante solenidade de entrega de viaturas nesta manhã, na orla de Ponta Verde, sem dar qualquer perspectiva de data para o pagamento.

O secretário de Estado de Gestão Publica, Guilherme Lima, confirmou ao Tudo na Hora que o Estado ainda não tem recursos em caixa para pagar o 13º, mas acrescentou que acredita numa solução possivelmente em 2009. “Estamos otimistas com relação ao cumprimento do pagamento. Por enquanto estamos trabalhando para que isso aconteça o mais rápido possível”, admitiu, sem dar garantias.

Segundo as lei trabalhista brasileira, o pagamento do 13º salário deve ser feito em duas parcelas. A primeira deve ser paga até 30 de novembro e a segunda, até 20 de dezembro.

Fonte: Tribuna de União

Para que esta "bela" foto de nosso "estimado" governador atingisse a perfeição seria necessário apenas um enorme "nariz de pinóquio", como aquele que é facilmente observado na face rechonchuda de nosso governador local... Bem, deixando o bom humor de lado, é facilmente identificável o tom de deboche nas declarações dos homens do Governo do Estado. É de conhecimento público que 90% da população de nosso Estado não sabe o que significa Lei Orçamentária e todo o restante da papelada que somem na gigantesca burocracia da máquina pública, mas afirmar que um Estado, que tem suas finanças controladas por leis um ano antes de se efetuar os gastos, não tem dinheiro para pagar o 13º do funcionalismo é, por analogia, o mesmo que assumir que houve desvio de verbas, pois o dinheiro para os gastos de recursos humanos do Governo de Estado já estava separado desde o ano passado. Pra onde foi esse dinheiro? Quem se atrever a tentar responder, que tome cuidado, pois a verdade aqui nessas bandas, é confirmado com fogo. Alguém aí ainda duvida que existem coisas que só acontecem em Alagoas?

Segundo BBC, quase 9 em 10 brasileiros defendem maior redistribuição de riquezas

Quase nove em dez brasileiros defendem maior redistribuição da riqueza, revelou uma pesquisa realizada pelo Programa sobre Atitudes em Políticas Internacionais (em inglês, Pipa), encomendada pela BBC.

De acordo com os dados, países da América Latina são mais entusiastas na ação dos governos para acelerar a economia, sendo que, no México e no Chile, 92% e 91% dos entrevistados, respectivamente, defendem uma maior distribuição da riqueza, ante 89% dos brasileiros. No total, 29.033 pessoas foram entrevistadas em 27 países para a realização da pesquisa, que teve como motivação a comemoração dos 20 anos da queda do Muro de Berlim, que acontece nesta segunda-feira (9).

A pesquisa mostrou insatisfação global em relação ao capitalismo de mercado aberto, com apenas 11% dos entrevistados nos 27 países que disseram que isso funciona bem. Em 15 dos países analisados, a maioria gostaria que o governo fosse mais atuante no controle da indústria, com destaque para o Brasil, onde 64% das pessoas deram essa resposta, atrás de Rússia (77%), Ucrânia (75%) e Indonésia (65%). Os dados ainda mostraram que as pessoas querem que o governo seja mais atuante na regulação dos negócios, com 87% dos brasileiros que deram essa resposta, a maior proporção encontrada na pesquisa, seguidos pelos chilenos (84%) e franceses (76%).

Fonte: BBC Brasil

A insatisfação com a roubalheira pública é crescente e inegável. Mas até que essa insatisfação se transforme em uma ação positiva, ainda temos um longo caminho a percorrer em um curto espaço de tempo... O mal está vencendo, os homens de bem começaram a abrir os olhos agora. Antes tarde do que nunca.

9 de nov de 2009

FILME: Controle - A história de Ian Curtis

Control
Controle – A história de Ian Curtis
EUA/Inglaterra, 2007
Direção de Anton Corbijn


Com Sam Riley (Ian Curtis), Samantha Morton (Deborah Curtis) , Craig Parkinson (Tony Wilson), o longa que conta a história de Ian Curtis, os últimos anos de sua vida, até seu suicídio aos 23 anos de idade.

Control é um filme que aborda o tempo todo o seu título. Fala do controle, da falta dele, de perspectivas, desafios e frustrações. Quando Ian Curtis se depara com sua doença (epilepsia) ele tenta controlá-la. Quando se apaixona perde o controle e se deixa levar, depois tenta controlar sua vida não planejada. Tenta controlar sua atração por uma fã, mas não consegue. Tenta controlar suas emoções no palco mas não adianta nada. Mas, como controlar a vida? Não podemos. Ian também não pôde.

A vida de Ian Curtis, como sendo a proposta do filme, é contada. O jeito é diferente do que se pode esperar quando se escuta as músicas da Joy Division, banda da qual Ian era o vocalista e principal compositor, e quando se lê a respeito dele. Um pouco já tinha sido mostrado no filme A Festa Nunca Termina (24 Hour Party People, 2002), mas em Control é bem diferente, e melhor. É um filme feito com cuidado.
À esquerda Ian Curtis, à direita o ator Sam Riley.
Joy Division foi uma banda de apenas quatro anos de vida. Mesmo assim, influenciou incalculáveis outras bandas e pensamentos de milhares de pessoas. Muita coisa mudou depois dela. Talvez Control possa ser visto como um filme a servir de norte para outras produções que proponham falar de alguém.

Literatura e rock?

A literatura e o rock n´ roll volta e meia estão de mãos dadas, algumas vezes nada de importante nasce dessa união, mas sempre algo interessante surge, como mostra o vídeo do programa Entrelinhas da Tv Cultura onde é comentado o novo álbum de Iggy Pop, Préliminaires, que surgiu a partir da leitura que o roqueiro americano fez de A Possibilidade de uma Ilha, romance do polêmico escritor francês Michel Houellebecq. Assista abaixo.



Iggy Pop esteve há pouco no Brasil para tocar no Festival Planeta Terra em São Paulo, juntamente com as lendárias bandas Sonic Youth e Primal Scream. Leia aqui publicação da Revista RollingStone.

8 de nov de 2009

Deputado Federal manda recado sobre a PEC da Música

"Amigos, anteontem, mais uma vez estava prevista a votação da emenda constitucional 98/07, a nossa PEC da Música. A liderança do governo na Câmara e o PMDB (partido do governo do Amazonas) obstruíram a votação, pois queriam ajustes no texto.

Foram mais de seis horas de reunião junto com o secretário da Receita Federal, bancada do Amazonas e lideranças do governo no Ministério das Relações Institucionais, a fim de se chegar a um consenso na redação da proposta. Ao final, alcançamos um texto que avança, pois introduz a música brasileira na Constituição Federal.

O líder do governo, deputado Henrique Fontana, está publicamente incumbido de providenciar a última consulta ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta próxima semana. O presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, está ciente e prometeu colocar o texto em votação. Nosso objetivo é produzir um consenso sobre a matéria e facilitar a aprovação da PEC da Música pelo Congresso Nacional."

Otavio Leite
Deputado Federal

Otávio Leite é Deputado Federal pelo estado do Rio de Janeiro, eleito pelo Partido da Social Democracia Brasileira - PSDB. É advogado e professor de Direito, segundo informações do sítio da Câmara Federal. Ficamos, de certa forma, felizes e agradecidos pela atenção do deputado. A proposta de emenda constitucional abordada poderá trazer inúmeros benefícios para nossos artistas, conforme já publicamos aqui sobre o assunto, clique aqui para relembrar. Vamos torcer e acompanhar o andamento dessa proposta. Veja o comentário do deputado.

7 de nov de 2009

E Cadê a Cultura?

Texto extraído do blog Acorda União e escrito por Marcio Ferreira da Silva, estudante do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Alagoas.

Vivemos, como muitos falam, a era da Sociedade da Informação, com economia globalizada, baseada nas Novas Tecnologias da Informação. Escutamos sempre nos jornais que as pessoas passaram a acessar mais e mais a internet, principalmente no Brasil, e há os que acreditam, em teoria, que o acesso à informação ficou “ágil” e “fácil” segundo as falas cotidianas, ágil sim, fácil, será?.

Mas como pensar a Sociedade na era da Informação com índices alarmantes de analfabetos? União dos Palmares como se destaca neste cenário? Bom, talvez seja fácil responder. Neste dia 5/11/2009 dia de reflexão sobre a Cultura no país, vemos todos os dias a ausência de equipamentos culturais que auxiliariam na melhoria das condições de acessibilidade aos diversos tipos de informação. Falta-nos um Museu, que nos conte a história dos nossos antepassados, o Quilombo dos Palmares, a garantia de um referencial concreto da nossa história que se encontram espalhados pelo mundo afora. Uma Biblioteca Pública de qualidade, que com todo respeito aos que trabalham ali, se caracteriza muitas vezes a partir do interesse dos gestores de nossa terra como uma verdadeira Lixoteca. A biblioteca pública municipal deve ser mais uma referência para o Brasil como estratégia de divulgar a tão bonita história de Zumbi e seus guerreiros. A estratégia de um desenvolvimento da biblioteca escolar. Como conceber incentivo à leitura, se nas escolas da rede municipal e estadual não existem políticas nesta área, com criação de espaços de leitura, hora do conto etc. Um povo que não tem cuidado com seus documentos, é um povo que não se respeita e não merece o respeito, pois desconsidera suas próprias conquistas e despreza o aprendizado, possível em grande monta, com os documentos arquivados, organizados e tratados que um Arquivo Público traz para ajudar a contar as histórias de sua terra.

Como resolver isso e não ficar apenas na crítica? É a pergunta que faço, embora já citei alguns para melhorar a qualidade de vida, a cultura deste povo. Nesta reflexão desejo que os gestores municipais pensem, pensem estrategicamente o município só por um instante, até porque agora o UFC já está na primeira.

Nesses três meses de fundação, como você classifica a atual gestão da AMES?

Essa é a pergunta da enquete que está no blog da Associação Municipal dos Estudantes Universitários e Técnico Profissionalizantes de União dos Palmares, a AMES. Para participar é só visitar o blog http://ames-up.blogspot.com, aproveite e dê uma passeio por lá para ficar sabendo o que a AMES anda fazendo e deixer seu comentário, recado ou sugestão. É participando que podemos construir entidades fortes e realmente representativas.


Fundado o Sindicato dos Trabalhadores Públicos de União dos Palmares

A entidade que deverá representar os interesses dos trabalhadores públicos de União dos Palmares, foi fundada no último dia, 05 de novembro, com a aprovação do estatuto da entidade e a eleição da primeira diretoria. A direção inicial da entidade ficará a cargo da Enfermeira CARLA THEREZA BORBA LEITE, e fazem parte ainda da diretoria ASSIS e TITA.

Segundo o Vereador MANOEL FELICIANO que compareceu a assembléia na tarde de ontem (05 de novembro), a mesma foi realizada na sede no Centro Comunitário do Alto do Cruzeiro. Oportunamente o referido sindicato foi criado quando da notícia de crime de improbidade administrativa cometido pelo Prefeito de União dos Palmares, ARESKI DE FREITAS, e divulgado com exclusividade pelo Jornalista, IVAN NUNES, em seu Blog A Palavra.com, mas sobre esse tema discorreremos a seguir.

Fonte: Blog do Josivaldo Ramos.

Semana da Consciência Negra do Campus Zumbi dos Palmares

O Campus V, há pouco tempo batizado de Zumbi dos Palmares, da Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL - promoverá também sua semana da Consciência Negra. A realização dessa iniciativa está a cargo do NEAB – Núcleo de Estudos Afro-Brasileiro – do Campus I em Arapiraca sob a coordenação do Prof. M.Sc. Clébio Correia de Araújo, bem como do Diretor do Campus de União dos Palmares, o Prof. M.Sc. Jairo José Campos da Costa.

Para participar da Semana da Consciência Negra da UNEAL o interessado terá de fazer sua inscrição mediante o pagamento de uma taxa de R$ 6,00. As inscrições irão até o próximo dia 16.No ato da inscrição, o participante, se desejar, optará por participar de uma das oficinas, exceto a oficina de teatro, cuja inscrição e início acontecerão antes da semana. Cada oficina somente poderá inscrever 20 pessoas.

O número de vagas para a semana é limitado a 300 pessoas e será conferido um certificado, ao final da semana, de 25h/a aos participantes cuja freqüência for superior a 75%. E de expositores, a todos os participantes-convidados.As inscrições poderão ser realizadas no Núcleo de Estudos Afro-Brasileiro/Campus I – Arapiraca e na Secretaria do Campus V – União dos Palmares.

A programação você pode conferir na publicação do blog A Terra da Liberdade clicando aqui.

6 de nov de 2009

Tombado o Museu da Imagem e do Som de Alagoas - MISA

A revista Graciliano Ramos, uma publicação da Imprensa Oficial de Alagoas, apresenta neste mês, reportagens e lembranças do escritor Aurélio Buarque de Holanda Ferreira (1910-1989). Entre as relíquias, uma entrevista inédita, resgatada do acervo do Museu da Imagem e do Som de Alagoas (Misa). Nessa conversa, o autor do dicionário mais popular do país, revelou: “Eu me considerava um fracassado em matéria de vendagem de obras de literatura”. Contou do interesse em rever Alagoas. Até os seus 72 anos de vida, tinha vindo ao Estado pelo menos umas 40 vezes. Aurélio nasceu na cidade de Passo de Camaragibe – a 75 km da capital.

Esse é apenas um exemplo de todas as riquezas guardadas no museu. Além dos registros em fitas cassete e vídeos, o acervo conta com mais de 9 mil fotografias. A partir dessa quarta-feira (4), véspera do Dia Nacional da Cultura, todo o patrimônio do Misa passou a ser tombado pelo Governo do Estado, a partir da iniciativa da Secretaria da Cultura (Secult).

O tombamento diz respeito também ao prédio e protege contra intervenções inadequadas. As características arquitetônicas foram avaliadas e registradas pelo Pró-Memória, diretoria da Secult. A construção data de 1869. No início, era sede do Consulado Provincial. Foi transformado em Museu da Imagem e do Som de Alagoas apenas em 1982. Atualmente, faz parte da Secretaria da Cultura.

Além do acervo, o museu é centro de exposições de artes plásticas, palestras e apresentações musicais. É espaço vivo. “O Misa tem um carisma especial junto aos visitantes. Foge às formalidades de outros espaços”, diz o diretor do centro, José Márcio Passos.

Nesse mês de novembro, será palco para os shows das bandas À la Sax (16), Mopho (17) e $ifrão (18). No Dia da Consciência Negra (20), a Orquestra de Tambores enche de som a Praça Dois Leões, bem em frente ao Misa.

Essa é uma comemoração ao Dia da Consciência Negra e também um reconhecimento às atrações que mais brilharam nas últimas edições de Misa Acústico – um evento que já conquistou um público. Mais informações: (82) 3315-7881.

O MISA está localizado na Rua Sá e Albuquerque, 275, Jaraguá, Maceió – AL. Com horário para visitações de segunda a sexta, das 8h às 14h. Tel.: (82) 3315-1924 e 3315-1925.

Fonte: Secretaria de Estado da Cultura de Alagoas

5 de nov de 2009

Comemorações da Consciência Negra 2009

O Dia Nacional da Consciência Negra será celebrado em várias cidades brasileiras durante todo o mês de novembro. O Seminário A Pequena África e seus Personagens, no próximo dia 5, no Rio de Janeiro, abre a Agenda 20, da Fundação Cultural Palmares. Ao todo serão 20 manifestações culturais em 12 cidades brasileiras - 15 selecionados pelo Edital Nacional de Idéias Criativas e cinco concebidos pela Fundação especialmente para esse mês. Entre as atividades seminários, lançamento de livros, cinema, música, dança, culinária, contadores de histórias e várias outras performances. Os eventos acontecem até o dia 30.

Na Bahia as comemorações começam no dia 19, com a abertura da Exposição O Benin está vivo ainda lá, que integra a Semana do Benin na Bahia, até o dia 22.

Em Alagoas, na Serra da Barriga, em União dos Palmares, o Dia Nacional da Consciência Negra terá a participação das Mulheres de Axé - representantes de templos de matriz africana que se destacam em todo o país por sua atuação na preservação e divulgação da religião. Elas farão, ao raiar do dia, a cerimônia de Iségún Káwójuba, em reverência aos ancestrais africanos. Além disso cerca de 120 lideranças das comunidades quilombolas do estado estarão reunidas no auditório da Prefeitura Municipal de União.

Clique aqui para visualizar a programação promovida pela Fundação Cultural Palmares.

União dos Palmares também preparou uma programação local, será o Mês da Consciência Negra em União dos Palmares. Segue abaixo a programação completa divulgada pelo secretário de cultura, Elson Davi. A previsão é de 14 dias com eventos e iniciativas nesse mês de novembro. Destaque para o Fórum Alagoano de Capoeira, exposição de arte e fotografia reabrindo a Casa Jorge de Lima. Sobre as atrações artísticas e musicais não foram divulgados nomes ainda, resta aguardar. Em 2008, além de muitos grupos de União dos Palmares, como as bandas Estuário, Verde Raíz e Escrúpulo Douda, tivemos as cantoras Margarete Menezes e Sandra de Sá.

PROGRAMAÇÃO:

06 de Novembro: Caminhada com o tema: “Respeitando as diferenças”
Local: Concentração - Ginásio de esportes Mário Gomes de Barros
Horário: 15:00
.
07 e 08 de Novembro: Fórum alagoano de capoeira
Local: Auditório da prefeitura (Dr. Paulo Cesar Santos Bezerra) e Quadra municipal de esportes (Manoel Ferreira Neto - Paisinho)
Horário: 09:00 as 12:00 / 14:00 as 18:00 / 20:00 as 00:00
.
10 a 13 de Novembro: Ciclo de palestras
Local: Auditório da prefeitura (Dr. Paulo Cesar Santos Bezerra)
Horário: 09:00 as 11:30
.
14 de Novembro: Beleza negra de Muquém e apresentações culturais e artísticas
Local: Comunidade remanescente de Quilombo de Muquém
Horário: 20:00 as 02:00
.
14 e 15 de Novembro: I encontro alagoano de Hip-Hop
Local: Auditório da prefeitura (Dr. Paulo Cesar Santos Bezerra) e Quadra municipal de esportes (Manoel Ferreira Neto - Paisinho)
Horário: 09:00 as 12:00 / 14:00 as 18:00 / 20:00 as 22:00
.
19 de Novembro: Encontro etno e desenvolvimento cultural quilombola
Local: Auditório da prefeitura (Dr. Paulo Cesar Santos Bezerra)
Horário: 14:00 as 20:00

19 de Novembro: Beleza negra de União dos Palmares
Local: Quadra municipal de esportes (Manoel Ferreira Neto - Paisinho)
Horário: 19:00
.
09 a 20 de Novembro: Exposições de arte e fotografia
Local: Casa de Cultura Palmarina, Casa do Poeta Jorge de Lima e Auditório da prefeitura (Dr. Paulo Cesar Santos Bezerra)
Horário: 08:00 as 12:00 / 13:00 as 18:00
.
09 a 20 de Novembro: Apresentações de grupos de teatro de rua
Horário: 09:00 as 12:00 / 14:00 as 18:00 / 20:00 as 22:00
.
16 a 20 de Novembro: Feira de artesanato
Local: Casa do Poeta Jorge de Lima
.
18 a 21 de Novembro: Atrações artísticas e culturais
Local: Praça Basiliano Olíbio de Mendonça Sarmento
Horário: 20:00 as 02:00
.
20 de Novembro: Homenagens ao Herói Zumbi dos Palmares
Local: Serra da Barriga

- Cerimônia Religiosa (restrito aos religiosos)
Horário: 04:00 .

- Abertura a Visitação ao Parque Memorial Quilombo dos Palmares
Horário: 06:00

- Apresentações Culturais (Orquestra de Tambores, Orquestra Filhos de Zumbi e Grande Roda de Capoeira)
Horário: 09:00

- Oficina (Imagem e Visual)
Horário: 09:00

20 de Novembro: Parada Militar e Desfile Estudantil
Local: Avenida Monsenhor Clóvis Duarte de Barros
Horário: 15:00

O evento tem realização da Prefeitura Municipal de União dos Palmares, Secretaria Municipal de Cultura, Secretaria Municipal de Turismo e Secretaria Municipal da Infância e Juventude. E o apoio do Governo do Estado de Alagoas, Secretaria de Estado da Cultura, Fundação Cultural Palmares, Agrucenup – Associação das Entidades Negras e Grupos Culturais de União dos Palmares e GUESB – Grupo União Espírita Santa Barbara.

Fontes: Fundação Cultural Palmares; blog A Terra da Liberdade.

Projeto Cinema da Cidade

O Ministro da Cultura, Juca Ferreira, e o diretor-presidente da Agência Nacional do Cinema - ANCINE, Manoel Rangel, lançaram no dia 4 de novembro, o projeto Cinema da Cidade durante evento que aconteceu em comemoração ao Dia Nacional da Cultra na Câmara dos Deputados Federais.

O projeto Cinema da Cidade faz parte do Programa de Expansão do Parque Exibidor de Cinema articulado pela ANCINE para estimular a instalação de salas em cidades e zonas urbanas desprovidas ou mal atendidas por esse serviço, municípios entre 20 e 100 mil habitantes, com o objetivo de diversificar, descentralizar e expandir a possibilidade de acesso ao cinema. O programa abrange ações de financiamento, investimento e desoneração tributária.

No caso do Cinema da Cidade a meta é financiar, por meio de emenda parlamentar e através de convênio com as prefeituras, a construção ou recuperação de complexos de exibição em cidades de pequeno e médio porte que não contam com esse serviço. Além de salas de cinema o projeto prevê a instalação de bonbonnière, sala multiuso (para eventos e oficinas culturais) e espaços comerciais.

Para participar, as prefeituras devem apresentar à ANCINE o projeto de construção ou recuperação das salas de cinema. Uma vez contemplada, a prefeitura deverá selecionar, por meio de edital público, uma empresa exibidora para a gestão do complexo.

Chamo aqui a ATENÇÃO da Secretaria Municipal de Cultura, na pessoa de seu secretário Elson Davi, também da Prefeitura de União dos Palmares, na pessoa do fidedigníssimo Sr. Areski de Freitas, União dos Palmares merece, pelo menos, um estudo sobre a questão. Pode-se procurar parcerias com empresas aqui já instaladas para esse projeto. Não custa nada tentar. É uma chance muito boa para passar desapercebida.

3 de nov de 2009

Livro: Alice no País das Maravilhas

Gênero: Literatura Infantil
Ano: 1865
Autor: Lewis Carrol


Quem, em sua infância não fantasiou histórias mirabolantes em um sábado a tarde ao brincar sozinho no quintal de casa? Possivelmente muitos irão responder que sim a essa pergunta. Eu, quando criança, inúmeras vezes me imaginei sendo o Jaspion ou o Giban quando brincava. Eram recursos que utilizamos para fazer a brincadeira mais divertida ou para me distrair durante as tardes. Pode-se dizer que a história contada por Lewis Carrol em seu livro Alice no País das Maravilhas, segue a mesma proposta.

Alice encontrava-se, em uma bela tarde, com sua irmã. Ela lendo um livro, enquanto Alice encontrava-se entediada por não achar no livro lido pela irmã nenhuma graça. Portanto temos dois elementos que nos dão dicas para o possível mundo ilógico que estamos por ter pela frente: uma criança ávida por brincar e uma situação de completo tédio. São esses os dois fatores que lançam Alice em seu país das maravilhas.

Logo após nos informar que nossa personagem encontra-se entediada, um coelho branco é introduzido na história, ele fala e diz estar ocupado e entra em sua toca. Observando o curioso caso, Alice o segue, caindo no mesmo buraco que o coelho entrou. A queda dura um bom tempo, revelando uma grande profundidade do buraco (uma referência ao sono profundo que Alice cai e que só sabemos nas últimas linhas do livro). A partir daí tanto Alice quanto nós somos arremessados em um mundo desconhecido e ilógico, onde animais conversam, cartas de baralhos se relacionam com humanos e estranhos acontecimentos ocorrem.

A linguagem é um dos fortes recursos utilizados pelo autor. Como tudo não passa de um sonho, os acontecimentos aparentemente sem nexo estão postos coerentemente dentro da história. Trata-se da velha história da forma e do conteúdo, nesse caso usado com muita precisão: o conteúdo da história é reforçado pela forma como ela é contada, cheia de lacunas e falta de lógica.

Uma coisa me chamou a atenção nessa obra voltada para o público infantil: a ausência de uma moral no fim. Estando acostumados a ver em obras literárias infantis (como O Pequeno Príncipe e O Menino do Dedo Verde) uma lição educativa, ficamos meio decepcionados ao não encontrarmos nela, nem esboçada, esse tipo de ocorrência, o que torna a obra maçante e chata de se ler, uma vez que tudo aquilo apenas acontece, sem sentido nenhum. Talvez esse meu posicionamento seja um tanto preconceituoso, Carrol pode ter feito isso de propósito, buscando fugir um pouco do padrão dessas histórias.

Ao terminar de ler o clássico livro escrito por Carrol, me pergunto onde estão as maravilhas apontadas no título da obra. Essa pergunta me ocorreu devido ao constante clima de tensão e de aprovação pelo qual Alice passava em sua aventura e que senti ao longo da história. Mas, como tudo aquilo é uma projeção de Alice para quebra o tédio em que estava podemos inferir que alguns acontecimentos de sua vida real tenham sido refletidos me seu sonho. Viagem a parte, confesso que me decepcionei com a leitura deste clássico, que ao meu ver tem mais potencial para um roteiro de cinema do que para uma obra literária. Talvez seja por isso que Tim Burton esteja fazendo um filme em cima dessa história, é esperar para ver como tudo isso termina.

Texto escrito por Estêvão dos Anjos, que é natural de Palmeira dos Índios - Alagoas, formado em jornalismo e pós-graduando em Língua Portuguesa e Literatura. Estêvão também mantém ativo o blog Sobre Filme e Livros.

Um balanço sobre o primeiro evento da Associação Municipal dos Estudantes


A Associação Municipal dos Estudantes Universitários e Técnico Profissionalizantes de União dos Palmares tem o maior prazer em afirmar que a I Copa Karla Tamires de Desportos foi um sucesso. Nos dias 24 e 31 de outubro de 2009, a AMES realizou os jogos de futsal e handebol. As partidas foram emocionantes, cinco times de futsal e dois de handebol disputaram para ver quem iria levantar o troféu em cada modalidade.

A AMES conseguiu, apesar do pouco tempo de existência, fazer o que nenhuma outra associação fez, que foi a promoção deste evento para os estudantes, onde a motivação e objetivo foi o de arrecadar fundos e levantar o nome da AMES perante a sociedade palmarina. Mostrar que merecemos mais apoio para lutar pelos direitos inerentes a quem representamos, a classe estudantil universitária e técnico profissionalizante que usa o transporte para ir à capital alagoana em busca de uma educação de alta qualidade, já que nosso município não oferece tais instituições.

Apesar dos empecilhos o saldo foi positivo, muitas pessoas prestigiaram o evento. Os times formados principalmente por alunos do turno da noite da Universidade Federal de Alagoas – UFAL - foram os campeões do futsal e handebol. As partidas de futsal foram arbitradas por Lulinha, e tudo correu com a maior tranqüilidade, sem nenhum incidente envolvendo as equipes. A AMES também contou com o apoio importante de Poeira, na arbitragem das partidas de handebol.

Após os jogos decisivos, a AMES iniciou o cerimonial de encerramento, cujo mestre de cerimônia foi o Presidente da instituição, Jailton Cavalcante, auxiliado pelo 2º tesoureiro, Dallas Diego. O cerimonial foi bastante emocionante, a entrega das medalhas aos campeões foram feitas pelos familiares dos homenageados. Dona Zuleide, mãe da Karla Tamires, homenageada que deu nome ao evento, entregou as medalhas aos times campeões, Dona Mariné, mãe de Carla, aluna de matemática, entregou aos segundos colocados e a mãe do Wilton, entregou ao terceiro colocado.

Logo após a entrega das premiações, o estudante Allan Belarmino fez um breve discurso. Os times da UFAL resolveram entregar seus troféus para a mãe da Carla e de Wilton, demonstrando uma atitude de muita nobreza e respeito, ganhando aplausos dos presentes na quadra municipal de esportes. Genisete Lucena entregou a placa de Homenagem a D. Zuleide. A seguir, foi facultada a palavra a madrinha da Karla Tamires, onde demonstrou total apreço pela afilhada. Florbella Proença, estudante de medicina da UFAL falou em seguida sobre sua amiga, momento em que abordou sua paixão pelo esporte. Sr. Cícero, pai de Johnny Wilter, falou um pouco e agradeceu a homenagem. O graduando em Direito, Bruno César, leu à pedido de Bruna Patrícia, aluna de Odontologia da UFAL a tradução da música “Ill be Missing You”, a música contém palavras fortes que expressam a vontade de estar com o ente querido. O pai de Johnny Wilter, Sr. Cícero, entregou as flores aos familiares dos homenageados presentes, Mariné, mãe de Karla, Shirley, irmã de Sheila, D. Zuleide, mãe de Karla Tamires e para a mãe de Wilton.

A cerimonia foi encerrada pelo Presidente da AMES, Jailton Cavalcante, que parabenizou os atletas e todos os homenageados pelo evento.

As 21h teve início a festa de encerramento dos jogos. O evento aconteceu no prédio da Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL - e teve a participação da banda de pagode “Um Jeito a Mais” e do Dj Magno. Pouco mais de 180 pessoas prestigiaram a festa, que para a organização foi um número acima do esperado.

Não poderíamos fazer nada sem a ajuda fundamental de alguns colaboradores. Nos jogos a colaboração foi de Everton Matthäus, graduando em Zootecnia na UFAL e Diego Urubá, aluno de Direito da Faculdade Raimundo Marinho - FRM. Na festa contamos com a colaboração da fisioterapeuta Mariana Vital, graduada pela Faculdade de Alagoas - FAL. Devemos a eles nossa total gratidão.

A luta continua...

2 de nov de 2009

Pela consciência e pela paz

Por Olívia de Cássia Correia de Cerqueira, jornalista palmarina.

O mês de novembro é quando se comemora o Dia da Consciência Negra, um mês de reflexões para todos aqueles que têm descendência afro e também para os que lutam por dias melhores e mais justos e sem preconceitos. O Brasil, um país de dimensões continentais, foi um dos últimos a abolir a escravidão, por meio de um decreto da princesa Isabel, que foi levada pelas circunstâncias históricas a abolir a escravidão no País.

A atitude de Isabel se deu não por que ela era boazinha e humana, como fizeram a gente pensar durante muitos anos na escola, mas porque a situação já estava insustentável tendo tomado relevância a partir de 1850 e caráter popular a partir de 1870, culminando com a assinatura da Lei Áurea, de 1888, que extinguiu - no papel - a escravidão negra no Brasil, segundo os historiadores.

No País, a escravidão começou na primeira metade do século XVI, com a produção de açúcar. Os portugueses traziam os negros africanos de suas colônias na África para utilizá-los como mão-de-obra escrava nos engenhos de açúcar do Nordeste; os comerciantes de escravos portugueses vendiam os africanos como mercadorias no Brasil. Um comércio desumano com aquelas pessoas, como se fossem animais.

Foram muitoso anos de maus-tratos com o povo negro. Os mais saudáveis, chegavam a valer o dobro daqueles mais fracos ou velhos, segundo contam os historiadores em seus relatos. Também era mais valorizado o negro vindo de Angola e Moçambique, para o trabalho na lavoura, e aqueles negros vindos do porto de São Paulo de Mina, na mineração em Minas Gerais.

Inconformados com tanta humilhação e maus-tratos, por volta do ano de 1580, fugitivos dos engenhos de açúcar se aglutinaram na Serra da Barriga, em União dos Palmares, e formaram um grande quilombo. Palmares foi o primeiro e o mais importante refúgio daqueles que sonhavam com a liberdade e o principal símbolo de luta e resistência, tendo durado por mais de um século. Transformou-se em moderno símbolo da resistência do africano à escravatura.

Zumbi foi o líder do Quilombo dos Palmares, que comandou um verdadeiro exército na Serra da Barriga e lutou brava e incansavelmente pela libertação e dignidade de seu povo. Uma história de rebeldia, luta pela liberdade e justiça. A história palmarina é uma história rica de memórias e precisamos repassá-la para nossos jovens, para que reverenciem esses nossos heróis na figura do grande guerreiro que foi Zumbi, não só em novembro, quando o mundo todo se volta às comemorações do Dia da Consciência Negra, comemorado no dia 20. Essa consciência tem que existir todos os dias dentro de todos nós.

O preconceito racial tem que ser combatido com conscientização, educação e luta pela paz diária objetivando a convivência pacífica entre os povos. Vamos cultuar a paz dentro de nós, fazer um pacto, aproveitar que este ano o dia estadual pela paz está na ordem de discussão na sociedade alagoana, com manifestações pelas ruas e adicionar esse debate nos encontros que vão acontecer durante o mês da Consciência Negra, para celebrar essa comunhão e intenção pela paz, contra a intolerância religiosa, contra o preconceito e pela libertação dos povos oprimidos. Que venha a paz; salve Zumbi, nosso maior herói.

http://oliviadecassiajornalista.zip.net