Blogroll

26 de set de 2010

Violência política

Está disponível no Youtube um vídeo com cenas do debate entre os candidatos ao governo de Alagoas realizado pelo Sistema Pajuçara de Comunicação.

Os candidatos em questão são Ronaldo Lessa (PDT) e Teotônio Vilela Filho (PSDB). Assista ao vídeo:



O vídeo está editado e por isso, certamente, não expressa o que aconteceu aovivo da noite do debate. Na ocasião, o que mais chamou minha atenção foi a lendidão de raciocínio dos candidatos, a falta de propostas, a inércia em articular críticas ou sugestões para um futuro governo de um estado caótico e pobre como o nosso.

No fim, fica o questionamento: quem ganhou e quem perdeu? Opino no sentido de que não houve político ganhador ou perdedor. Com esse tipo de política só o povo pode perder ou ganhar.

Bookmark and Share

Você não sabe?

Sócrates disse “Só sei, que nada sei.”. No mundo filosófico grego da época, essa frase tinha um sentido único, que se encaixava no ideal socrático. Hoje em dia, você pode estar pensando, esse tipo de afirmação não é mais útil. Acredito, inclusive, que a maioria das pessoas – incluindo as que estudam filosofia de forma distorcida no Ensino Médio – acham que o pensamento filosófico desenvolvido há dois mil e quinhentos anos atrás não tem correspondência com o mundo moderno. Mas tem!

Vou fazer uma proposta de raciocínio a vocês. Pensem quanto tempo você gastou na Internet na última semana. Pensou? Imagino que seja uma quantidade considerável. Agora tente listar dez informações úteis que você viu na Internet essa semana. Coisas simples, como o que você acessa num site de notícias, por exemplo. Se você conseguiu se lembrar de mais de dez informações, espero que você não tenha passado 72 horas on line.

Eis uma característica do mundo atual: temos cada vez mais acesso a informação, e cada vez menos a retemos. Quanto mais lemos, ouvimos, vemos, clicamos; mais perdemos nossa possibilidade de raciocínio e formação de opinião. Estamos vendidos ao entretenimento fácil, e cada vez utilizamos menos nosso senso crítico. Isso, quando realmente estamos acessando uma informação, e não só uma babaquice que nos faça rir.

Mas aqui estou eu, escrevendo minha primeira crônica neste espaço e me intrometendo a falar da sua vida. Isto já é uma prova do quanto nossas vidas estão “open”. De um quarto um tanto bagunçado, existe alguém (eu) que está influenciando a sua visão de mundo nesse momento – sem que você me conheça, ou mesmo me veja. Não é um processo necessariamente ruim, mas é um processo no qual você, quer queira quer não, está inserido. Portanto, você precisa, no mínimo, estar consciente. Ao menos pra saber que nada sabe.

Texto retirado do blog Como Assim?!, o qual você pode acessar através do seguinte endereço: http://webcomoassim.blogspot.com

Bookmark and Share

24 de set de 2010

O que você está fazendo mesmo nessa campanha?

Se você ficou apenas mandando comentários para os blogs e sites xingando os políticos corruptos, fez muito pouco.

Se numa mesa de bar, ou em um encontro família – e só aí -, manifestou a sua mais veemente repulsa a quem rouba o dinheiro público e a quem mata em nome do poder, está devendo à coletividade.

Se você se queixou dos pobres e miseráveis da periferia, que seriam “os grandes responsáveis pela eleição de bandidos de toda espécie”, mas não se indignou com o adesivo no carro de alguém mais próximo fazendo a propaganda de um candidato com os adjetivos mencionados, está exclusivamente equivocado.

Temos uma triste tradição: de transferir para os outros as nossas responsabilidades. Não só os jornalistas, dirigentes de entidades, militantes sociais ficam na obrigação combater àqueles que nos fazem tanto mal.

Cada um, o que inclui você, pode fazer um pouco – por mínimo de que seja. Discutir no ambiente de trabalho, na comunidade, na escola, nas associações de que participa, isto sim é possível e necessário.Um voto que você ganha para uma causa ou para um candidato decente é um voto a menos para a turma barra pesada.

Fazer beicinho depois do estrago, dizer – e até acreditar – que os outros é que estão errados porque votaram mal é apenas, de novo, transferir comodamente uma responsabilidade que também é sua.

Aproveite. Temos ainda uma semana de campanha, e você – mais do que qualquer um – pode ajudar a virar o jogo da história.

Ricardo Mota

Fonte: Blog do Ricardo Mota no portal de notícias Tudo na Hora.

Bookmark and Share

23 de set de 2010

Lula, o Filho do Brasil é nosso representante no Oscar

Apesar do sucesso de "Nosso Lar" - que até venceu enquente realizada no site do Ministério da Cultura - é óbvio que "Lula, o Filho do Brasil" seria o escolhido entre os inscritos paraconcorrer a uma vaga na indicação de melhor filme estrangeiro da festa do cinema norte-americano de 2010.

O presidente da Academia Brasileira de Cinema, Roberto Farias, anunciou que, por opinião unânime da Comissão de Seleção, o longa-metragem dirigido por Fábio Barreto (O Quatrilho - 1995) vai concorrer a uma indicação à categoria Melhor Filme em Língua Estrangeira, na 83ª Premiação Anual, promovida pela Academy of Motion Picture Arts and Sciences - Oscar 2011.

“Votamos no filme que nos pareceu mais bem feito, que honra a cinematografia brasileira e tem como atriz Glória Pires, que se torna uma excelente candidata ao prêmio de Melhor Atriz”, explicou Roberto Farias.

Lançado oficialmente no dia 1º de janeiro de 2010, “Lula, o Filho do Brasil” conta a trajetória pessoal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (interpretado por Rui Ricardo Diaz) desde seu nascimento, em 1945, quando, no sertão pernambucano. A genitora de Lula, Dona Lindu, é interpretada por Glória Pires. “Lula, o Filho do Brasil” conta a saga da família Silva, semelhante a de tantas outras famílias Silva do Brasil. Ainda no elenco: Cléo Pires (no papel de Lurdes), Juliana Baroni (Marisa Letícia), Milhem Cortaz (Aristides), Lucélia Santos (Professora) e Antônio Pitanga (Seu Cristóvão).

Com informações dos sites cultura.gov.br e cinema.cineclick.uol.com.br

Bookmark and Share

22 de set de 2010

Edital Idéias para 20 de Novembro

Estão prorrogadas as inscrições para concorrer a segunda edição do Edital de Idéias Criativas para 20 de Novembro - Dia Nacional da Consciência Negra 2010. Inicialmente o edital seria encerrado no dia 16/09, mas o prazo para seleção ficou prorrogado até o próximo dia 01 de outubro.

O edital é promovido pela Fundação Cultural Palmares e tem por objetivo angariar projetos criativos para celebrar mais uma vez o Dia Nacional da Consciência Negra. Os monantes de recursos a serem liberados podem chegar a R$500 mil.

O edital premiará um total de 15 projetos em todas as regiões do país. O conteúdo a ser selecionado deve ser inovador, além de valorizar a cultura afro-brasileira.

Para cada região serão selecionados projetos individuais e de entidades. Para dúvidas e informações a Fundação Cultural Palmares disponibiliza o endereço eletrônico edital20denovembro2010@palmares.gov.br

Saiba mais no site http://www.palmares.gov.br

Bookmark and Share

19 de set de 2010

Promoção Cultural de Aniversário

RESULTADO:Em comemoração ao nosso aniversário de 2 anos, tivemos a ideia de realizar uma promoção para presentear nossos leitores. A promoção aconteceu através da rede social Twitter e contou com a participação generosa de nossos seguidores.

Neste dia 19 foi efetivado o sorteio às 17 horas, através do site Sorteie.me, e o resultado apontou nosso leitor e seguidor Edgar Peixoto (@peixotoedgar) como ganhador. Você pode conferir o resultado clicando aqui.

Agradecemos a todos que interagiram conosco nessa promoção. Um abraço da equipe Tempo Moderno, até a próxima!

Bookmark and Share

18 de set de 2010

Filme: Maria Antonieta

Maria Antonieta (Marie Antoinette)
EUA/França/Japão, 2006
Direção e roteiro de Sofia Coppola
Com Kirsten Dunst, Jason Schwartzman, Judy Davis, Rip Torn, Rose Byrne, Asia Argento e Steve Coogan.


A primeira cena de Maria Antonieta mostra a própria, personalizada pela atriz Kirsten Dunst, fazendo as unhas dos pés, relaxada, e logo passa a mão num super bolo confeitado para em seguida olhar para a câmera (para nós) e dar um sorriso desdenhoso.

Esse primeira cena pode significar diversas coisas, com certeza muita delas totalmente diferentes da intenção de quem a idealizou, contudo, podemos supor que ali nos foi apresentado o resumo do que estava por acontecer no decorrer do longa. A rainha Antonieta começa o filme como ingênua, transforma-se no deleite em forma de pessoa e termina expulsa do trono, como sabemos pelas aulas de História.

Maria Antonieta de Sofia Coppola não é arrogante nem impulsiva. É compreensiva e simplória, mas a diretora não tira o ar de futilidade de sua existência. Sofia Coppola baseou-se na biografia escrita por Antonia Fraser para compor o roteiro, objetivando realizar um filme mais íntimo e humano da Rainha Antonieta, e conseguiu. Apesar da futilidade, a Antonieta ali presente é um ser cativante, problemático, com medos e vontades, como todos nós.

A trilha sonora desse longa é algo a parte. Deve ser comentada. Como em seus filmes anteriores, Sofia Coppola caprichou e fez ótimas mesclagens entre som e imagem. Com The Cure, New Order, Siouxsie and the Banshees, ainda com bandas contemporâneas como Air, The Radio Dept. e The Strokes, essa trilha parece ter sido propositalmente escolhida para fazer oposição ao estilo "de época" do filme. Para fazer com que a distância histórica dos fatos ficasse menor.

Bookmark and Share

15 de set de 2010

Logo voltaremos

Estamos com baixa frequencia de postagens devido a falta de tempo imposta, sobretudo, pela jornada acadêmica e, ao mesmo tempo, profissional dos colaboradores que realizam o Tempo Moderno.

Entretanto, mesmo assim, continuaremos com esse espaço, onde divulgamos nossos pensamentos sobre diversos assuntos que julgamos importantes, ainda que com menos assiduidade.

Logo voltaremos com atualizações. Enquanto isso, participe de nossa promoção cultural de aniversário. Queremos presentear nossos leitores. Clique na imagem da promoção ao lado e saiba mais.

Bookmark and Share

9 de set de 2010

Oscar 2011: 23 filmes se inscreveram

A Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura recebeu até o dia 31 de agosto 23 filmes para participar da seleção do longa-metragem brasileiro que será indicado para concorrer ao prêmio de melhor filme estrangeiro no Oscar 2011.

Os inscritos são: As Melhores Coisas do Mundo; A Suprema Felicidade; Antes que o mundo acabe; Bróder; Carregadoras de Sonhos; Cabeça a Prêmio; Cinco Vezes Favela, Agora Por Nós Mesmos; Chico Xavier; É Proibido Fumar; Em Teu Nome; Hotel Atlântico; Lula, o Filho do Brasil; Nosso Lar; Olhos Azuis; Ouro; O Bem Amado; O Grão; Os Inquilinos; Os Famosos e os Duendes da Morte; Quincas Berro D’água; Reflexões de um Liquidificador; Sonhos Roubados; Utopia e Barbárie;

O nome da produção brasileira escolhida será anunciado pela Comissão Especial de Seleção, no dia 23 de setembro. Já os cinco filmes selecionados para concorrer ao Prêmio de Melhor Língua Estrangeira serão anunciados em 25 de janeiro do próximo ano. A cerimônia de premiação será realizada no dia 27 de fevereiro de 2011.

Olhando a lista dos inscritos fica difícil visualizar algum representante brasileiro na festa do cinema americano. Essa dificuldade não tem muita relação com a qualidade das produções, mas pelo estilo que pode ou não encaixar para ser escolhido entre os que figurarão no evento.

Apesar da boa qualidade, nenhum grande filme é apresentado na lista, ou melhor, nada superior que o esperado, mesmo assim vale a pena assistir todos. O brasileiro está aprendendo a valorizar o cinema nacional. A cada ano as produções melhoram. Não é com ou sem Oscar que o Brasil ganhará aval para seus filmes. Resta aguardar as produções inscritas dos demais países estrangeiros, e, diga-se, sempre com filmes de grande qualidade, maior até que os representantes dos anfitriões, os hollywoodianos.

Fonte: Cultura.gov.br, com complemento nosso.
Bookmark and Share

7 de set de 2010

EMAIL:

EXISTE CAMPANHA APÓS A MORTE?

enviado por Ardilles Stewart

Um senador está andando tranqüilamente quando é atropelado e morre. A alma dele chega ao Paraíso e dá de cara com São Pedro na entrada.

-"Bem-vindo ao Paraíso!"; diz São Pedro - "Antes que você entre, há um probleminha. Raramente vemos parlamentares por aqui, sabe, então não sabemos bem o que fazer com você.

-"Não vejo problema, é só me deixar entrar", diz o antigo senador.

-"Eu bem que gostaria, mas tenho ordens superiores. Vamos fazer o seguinte: Você passa um dia no Inferno e um dia no Paraíso. Aí, pode escolher onde quer passar a eternidade.

-"Não precisa, já resolvi. Qu ero ficar no Paraíso diz o senador.

-"Desculpe, mas temos as nossas regras. "

Assim, São Pedro o acompanha até o elevador e ele desce, desce, desce até o Inferno. A porta se abre e ele se vê no meio de um lindo campo de golfe. Ao fundo o clube onde estão todos os seus amigos e outros políticos com os quais havia trabalhado. Todos muito felizes em traje social. Ele é cumprimentado, abraçado e eles começam a falar sobre os bons tempos em que ficaram ricos às custas do povo. Jogam uma partida descontraída e depois comem lagosta e caviar. Quem também está presente é o diabo, um cara muito amigável que passa o tempo todo dançando e contando piadas. Eles se divertem tanto que, antes que ele perceba, já é hora de ir embora. Todos se despedem dele com abraços e acenam enquanto o elevador sobe. Ele sobe, sobe, sobe e porta se abre outra vez. São Pedro está esperando por ele.

Agora é a vez de visitar o Paraíso. Ele passa 24 horas junto a um grupo de almas contentes que andam de nuvem em nuvem, tocando harpas e cantando. Tudo vai muito bem e, antes que ele perceba, o dia se acaba e São Pedro retorna.

-" E aí ? Você passou um dia no Inferno e um dia no Paraíso. Agora escolha a sua casa eterna." Ele pensa um minuto e responde:

-"Olha, eu nunca pensei .. O Paraíso é muito bom, mas eu acho que vou ficar melhor no Inferno."

Então São Pedro o leva de volta ao elevador e ele desce, desce, desce até o Inferno. A porta abre e ele se vê no meio de um enorme terreno baldio cheio de lixo. Ele vê todos os amigos com as roupas rasgadas e sujas catando o entulho e colocando em sacos pretos. O diabo vai ao seu encontro e passa o braço pelo ombro do senador.

-" Não estou entendendo", - gagueja o senador - Ontem mesmo eu estive aqui e havia um campo de golfe, um clube, lagosta, caviar, e nós dançamos e nos divertimos o tempo todo. Agora só vejo esse fim de mundo cheio de lixo e meus amigos arrasados!!!"

O diabo olha pra ele, sorri ironicamente e diz:
-"Ontem estávamos em campanha. Agora, já conseguimos o seu voto..."

ps.: De boas intenções, o inferno está cheio! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk! Gosto muito de ditados antiquados. Eles expressam de forma única e resumida a essência das coisas.

Bookmark and Share

5 de set de 2010

Música: Vitor Pirralho e Unidade

Vitor Lucas Dias Barbosa (Vitor Pirralho) é professor de literatura brasileira e língua portuguesa, em sua atividade diária entrou em contato com a Antropofagia oswaldiana e encontrou no discurso do Manifesto a inspiração para suas músicas. A partir daí entra em cena o Vitor Pirralho, rapper que assume o princípio da devoração crítica da cultura inimiga, para assim aprimorar a sua própria cultura.

Pirralho faz Rap, não no sentido restrito da palavra, ele faz Rap sem preconceitos. Sua música se utiliza de batidas eletrônicas que remetem ao estilo americano, no entanto, não se limita a isso, incorpora elementos regionais, africanos e jamaicanos. Seus temas são variados, mas com coerência, vão do social ao regional, do lingüístico ao paisagístico, do cultural ao desbunde. Uma verdadeira miscelânea rítmica e temática com sotaque alagoano.

A banda UNIDADE é composta por Pedro Ivo Euzébio (bateria e programações), Dinho Zampier (teclados), Luciano Rasta (percussão), André Meira (baixo) e Aldo Jones (guitarra).

Pau-Brasil, seu segundo CD e trabalho atual, se baseia na tríade da colonização brasileira: o português (branco), o índio e o negro africano. Tríade responsável por toda essa miscigenação cultural e social dos dias de hoje. Neste disco, ele ainda conta com as participações, mais que especiais, de: Wado, Cris Braun, Marcelo Cabral e Chamaluz.

Vitor Pirralho e Unidade foi um dos selecionados em 2009 pela Funarte (Fundação Nacional de Artes) e MinC (Ministério da Cultura) para integrar o Projeto Pixinguinha 2008-2009. Este prêmio foi que possibilitou a gravação do CD Pau Brasil, o 2º de Vitor Pirralho, e o lançamento do mesmo em um circuito de apresentações em cidades do estado alagoano.

Visite:
http://vitorpi.com.br
http://www.myspace.com/vitorpirralho

A discografia de Vitor Pirralho e UNIDADE está disponível para download gratuito no site oficial do artista.

Bookmark and Share

Livro: 1808

1808
Laurentino Gomes

2008
Editora: Planeta

Que características devem possuir uma obra que busca falar de um assunto bastante conhecido pelo público? Como fazer para não se repetir e ainda tornar agradável sua leitura? Parece que ao escrever 1808 o jornalista Laurentino Gomes tinha a resposta para todas essas perguntas.

Torna-se complicado a classificação que podemos dar ao livro de Laurentino, pois ele tem um tom jornalístico, que passa pela narrativa romanesca e torna-se um documento histórico. A linguagem é uma das ferramentas que torna o livro mais agradável em sua leitura, uma vez que mesclando esses gêneros o autor faz com que seu texto fuja dos padrões estilísticos convencionais para o tipo de documentação a qual o livro se presta.

Outra característica que torna o livro distinto das outras obras de pesquisa histórica é a quase transmutação dos personagens históricos em personagens romanescos, uma vez que o autor apresenta traços do perfil deles, adentrando, inclusive, em aspectos psicológicos, ousadia que outros pesquisadores não ousam fazer e que confere ao livro de Laurentino uma privilegiada em relação aos outros pesquisadores.

E essa ousadia não é posta apenas como um fator diferenciador do texto, ela é utilizada para apontar o porquê de certas atitudes serem tomadas pelos personagens. O rei Dom João, por exemplo, é apresentado como um sujeito inseguro e sem poder de decisão para o cargo que ocupava, sendo esse o motivo para o acontecimento da fuga da família real para o Brasil.

O posicionamento do autor em algumas polêmicas históricas envoltas nessa data é, também, outro ponto forte na obra. Peguemos o exemplo dos motivos que levaram a ida da corte ao Brasil. Alguns historiadores evitam usar o termo fuga para essa situação, e optam por outros que fazem o texto ficar “em cima do muro”. Além de se posicionar, Laurentino aponta motivos históricos que o fazem tomar essa opinião.

Laurentino Gomes passou dez anos de sua vida debruçado sobre livros que de uma forma ou de outra dizia respeito à data histórica. O resultado disso foi uma visão completa deste momento histórico e de suas repercussões, não apenas para o nosso país, mas também para Portugal, França e Inglaterra.

A obra tem uma importância fundamental para sabermos mais detalhadamente sobre como se deu início a nossa dependência econômica a outros países e como se deu o processo da primeira etapa de modernização do país. Além de termos um panorama da conjuntura a qual as coisas estavam envolvidas naquela época.

Portanto, 1808 torna-se uma obra capital para aquele que buscar não apenas informações sobre a data, mas sobre qualquer informação relativo àquele momento e aos países envolvidos, algo que pode ser fruto apenas de uma pesquisa extensa e bem feita como a que Laurentino Gomes fez.

por Estêvam dos Anjos.

Bookmark and Share

4 de set de 2010

EMAIL:

CHARGES: CENSO 2010

enviado por Marcia Neves Pereira