Blogroll

31 de ago de 2009

EMAIL:

ESTA É A HORA!

enviado por Emily Leite

“O Brasil não tem povo, tem público.”
(Lima Barreto)


Não podemos ser simples espectadores. Vamos provocar uma profunda e radical mudança na política, sem coloração partidária. Vamos impor o fim do cinismo descarado, da corrupção endêmica e do banditismo institucionalizado. Estamos de “saco cheio”. Chega de afronta. Que a lei de hoje puna (como puder) os canalhas que emporcalham e seviciam a nação. Mas isto não basta, a maioria dos que hoje acusam, foram os canalhas de ontem, ou serão os canalhas de amanhã.

Esta é a hora. Vamos iniciar um vigoroso movimento popular que produza uma verdadeira reforma político-administrativa, profunda, séria e radical... ou tudo continuará como sempre foi. Esta é a hora de uma reforma que afugente da vida pública a corja de escroques que se sugam o sangue da nação... ou tudo continuará como sempre foi. Esta é a hora de impormos mecanismos de punição implacável ao homem público que transgride... ...ou tudo continuará como sempre foi.

Veja algumas medidas da Reforma Política que o Governo Lula nunca põe em pauta no Congresso: comprovação da idoneidade dos candidatos; extinção ou profunda restrição da imunidade parlamentar; obrigatoriedade de abertura do sigilo fiscal e bancário de vereadores, prefeitos, deputados, senadores, ministros de estado, presidente da república, vice-presidente da república, partidos políticos, dirigentes de partidos políticos, diretores de entidades da administração direta e indireta, juízes e desembargadores; proibição de contratação de parentes e afins de até o nível de 3º grau. E que a admissão de parentes ocorra apenas por concursos, onde o critério seja técnico; adequação ou mesmo a redução drástica de salários, benefícios e aposentadorias para ocupantes de cargos legislativos a nível municipal, estadual e federal; Introdução de pesadas agravantes na legislação penal, cível e tributária, para crimes cometidos pelos homens públicos; obrigatoriedade de comprovada capacitação e experiência dos aspirantes a cargos de direção em entidades da administração direta e indireta.

Esta é a hora de criarmos reais condições para que a esperança vença a descrença, pois, apenas assistimos a este teatro como se não tivéssemos poder para alterá-lo. Esta é a hora de agirmos! Pelos nossos filhos e netos e em respeito aos 50 milhões de miseráveis deste país, que vivem o martírio de uma vida de sofrimento desumano. Lembrem dos 50 milhões de miseráveis no dia 7 DE SETEMBRO às 17:00 horas! Às 17:00 horas, vamos paralisar o Brasil. Às 17:00 horas, vamos promover um panelaço!

Exija que as redes de televisão, rádios, jornais, revistas e o político de sua confiança divulguem este movimento.

Mobilize sua escola, seu sindicato, sua igreja, seus amigos. Inicie agora esta corrente de ação nacional. Vamos atingir todos, de todas as camadas sociais, de todos os recantos deste Brasil. Remeta este e-mail para o máximo de pessoas e peça a elas que façam o mesmo. No dia 7 de Setembro, às 17 horas: Estenda na janela uma bandeira, uma toalha, um pano qualquer. Bata panelas! Toque cornetas! Se você estiver no carro, buzine! Promova desfiles, passeatas! Faça a nação tremer, por 1 minuto. Vamos fazer a nação tremer, por 1 minuto. Aí sim, saberemos que somos um povo que resgatou a esperança. Iniciaremos a mudança.

Remeta este e-mail para o máximo de pessoas e peça a elas que façam o mesmo.

7 de setembro,
17 horas!

www.estaeahora.cjb.net

Disney vai comprar Marvel por US$ 4 bilhões

O grupo de entretenimento e mídia Disney anunciou nesta segunda-feira que vai comprar por US$ 4 bilhões a editora de quadrinhos e produtora de filmes Marvel Entertainment Inc. O negócio inclui o catálogo de mais de cinco mil personagens de histórias em quadrinhos da Marvel, como Homem Aranha, X-Men, Hulk e Capitão América. Segundo o acordo, os acionistas da Marvel vão receber US$ 30 e uma fatia de 0,745 de ação da Disney por cada papel da editora que possuam. Considerando o valor do fechamento das ações da última sexta-feira, o valor da transação deve ser de US$ 50 por ação da Marvel ou cerca de US$ 4 bilhões.

Segundo o anúncio, o negócio já foi aprovado pelos conselhos de administração da Disney e da Marvel, mas precisa de aprovação dos órgãos de regulação dos Estados Unidos e dos acionistas da Marvel. "A transação combina a forte marca global da Marvel e seu acervo de personagens mundialmente reconhecidos, como Homem de Ferro, Homem Aranha. X-Men, Capitão América, Quarteto Fantástico e Thor, com as habilidades criativas da Disney, seu incomparável portólio global de parques de entretenimento e uma estrutura de negócios que maximiza o valor das propriedades criativas em múltiplas plataformas e áreas", afirmou, em comunicado, o presidente da Walt Disney Company, Robert A. Iger.

Fonte: G1

Sabia que as empresas de Quadrinhos estavam mal das pernas, mas serem compradas pela Disney foi demais. Vamos aguardar pra vê o que vai dar...

EMAIL:

enviado por A. Lilith

SEQUESTRADOS 32 DEPUTADOS ALAGOANOS

O PCC, facção do crime organizado de São Paulo, seqüestrou ontem, aqui em Alagoas, 32 deputados da Assembléia Legislativa e o Governador Theo Vilela. Eles estão solicitando US$ 1.000.000,00 para sua libertação. Se o valor de resgate não for cumprido em 24 horas, vão banhá-los com combustível e os queimarão vivos. Estamos organizando uma coleta e necessitamos da sua ajuda!
Veja o que conseguimos até agora: 580 litros de Gasolina Aditivada; 320 litros de gasolina Premium; 175 litros de gasolina convencional; 125 litros de diesel; 98 litros de Biodisel; 380 maços de caixas de fósforos; 214 isqueiros; 7 lança-chamas; 108 sacos de carvão;

Pedimos para que não mandem álcool, pois há o risco do mesmo ser consumido por parte dos deputados e do Governador. Se você não divulgar essa mensagem é porque não tem coração... Por favor, leia e repasse para o máximo de amigos. Alagoas PRECISA DE VOCÊ!!!

29 de ago de 2009

Estudantes palmarinos agora tem nova associação

No último domingo, dia 23 de agosto, aconteceu uma Assembleia Geral convocada pela Comissão formada para organizar a nova associação para os estudantes universitários e do ensino técnico de União dos Palmares.

A assembleia teve seu início por volta das três e meia da tarde e aproximadamente 250 estudantes estavam presentes. Essa quantidade de estudantes se deu, infelizmente e principalmente, pela ameaça acordada entre a comissão e a Edtur de que aquele estudante que não comparecesse à assembleia ficaria impedido de utilizar o serviço de transporte. Mesmo assim, muitos não compareceram ou somente assinaram a ata para depois ir embora.

A Comissão leu e discutiu todos os artigos do Estatuto previamente formulado. Logo depois, submeteu o texto à votação, onde aconteceu a aprovação do Estatuto por aclamação. Conforme previa o Estatuto, o nome da entidade ficou como AMES - Associação Municipal dos Estudantes A Comissão iria submeter à votação também o texto que previa o regimento da eleição para a Diretoria Executiva e para o Conselho Fiscal da Associação. Porém, devido ao término do prazo de duas semanas estabelecido pela próprioa Comissão para produzir o Estatuto, realizar a Assembleia Geral, aprovar o texto estatutário e ainda realizar o pleito eleitoral, em acordo com os estudantes presentes, deu-se preferência para que a escolha da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal fosse feita naquele mesmo momento, durante a Assembleia Geral.

Dessa forma, a Comissão proveu um tempo razoável para fossem formadas chapas e apresentada documentação. Somente uma chapa se inscreveu à Diretoria Executiva e duas concorreram ao Conselho Fiscal.

Em seguida, apresentada a chapa única para a Diretoria Executiva, a Comissão abriu votação e os estudantes presentes elegeram por aclamação o grupo que ficará à frente da AMES pelo período de um ano. A Diretoria Executiva eleita foi: Presidente, Jailton Cavalcante, aluno do curso de Direito da FAMA, período norturno; vice-presidente, Suzeanne Mayra de Oliveira, aluna do ensino médio técnico do IF-AL, período matutino; primeiro secretário, Tarcísio Alberto da Silva, aluno do curso de Ed. Física da FAL, período noturno; segundo secretário, Cícero Lourenço, aluno da UNCISAL, período matutino; primeiro tesoureiro Wenndell Amaral, aluno do curso de Direito da FADIMA-CESMAC, período noturno; segundo tesoureiro, Dallas Diego, Moreira aluno de Agronomia da UFAL, período matutino; os dois secretários de comunicação, Magno Antônio e Bruno Ferreira, alunos de Biologia e Direito, respectivamente, da UFAL.

Aconteceu também a votação para a escolha do Conselho Fiscal composto por três pessoas. Não tenho aqui a informação de qual das duas chapas concorrentes foi a vitoriosa nem os nomes dos Conselheiros Fiscais. Peço a ajuda dos leitores e dos companheiros da AMES para informar os nomes dos candidatos ao Conselho Fiscal e qual foi a chapa vencedora.

O próximo passo agora é realizar o registro para que a AMES exista plenamente e possa representar de forma eficaz todos os estudantes universitários e técnicos de União dos Palmares. A Secretaria de Comunicação da AMES já informou que está preparando um blog visando uma comunicação direta e fácil com a sociedade palmarina e com os estudantes associados, e também para que todos os atos sejam divulgados, prezando, dessa forma, pela total transparência.

Wenndell Amaral

27 de ago de 2009

Cinema Celular

Uma boa dica para quem gosta de filmes, enfim, de cinema mesmo, é o site criado por Maurício Saldanha, chamado Cabine Celular.



Desde 2008, o Cabine Celular apresenta opiniões emitidas por Maurício Saldanha sobre os mais variados filmes que são lançados nos cinemas brasileiros. A cada estreia, uma opinião é postada no site. As opiniões são gravadas assim que o filme acaba e começam os créditos, isso promove uma primazia na crítica e observações sobre o filme em questão.

O nome Cabine Celular já reluz a sua premissa básica. Cabine vem de cabine de imprensa, sessões antecipadas onde os jornalistas assistem para produção de matérias relacionadas ao filmes. Celular vem da tecnologia utilizada para a filmagem.

Maurício Saldanha é um cineasta gaúcho, que também faz parte também do site Cinema Com Rapadura. Fica aqui a dica.

Wenndell Amaral

Autorretrato - O Nordeste é a nossa cara

O projeto Autorretrato – O nordeste que é a nossa cara - foi até a comunidade dos Xucurús Kariris, do alto da Serra do Capela, na cidade de Palmeira dos Índios. Lá, cerca de vinte crianças, com idades entre sete e treze anos, aprenderam, através do manuseio de câmeras digitais, a perceber e registrar os aspectos culturais de seu povo, como as pinturas corporais, a dança e a produção dos artesanatos mais tradicionais, entre eles, a confecção de arcos e flechas.

Os Xucurús Kariris povoam boa parte do município de Palmeira dos Índios, na região do agreste alagoano. Entre os participantes, estão os alunos da Escola Estadual Indígena Cacique Alfredo Celestino e de Escolas Indígenas de outros povoados. O Autorretrato está somando a sua terceira comunidade visitada, já tendo passado pela população pesqueira de Barra Grande, em Maragogi e pelos quilombolas do Sítio Jussara, em Santana do Mundaú.

Acesse o blog do Autorretrato clicando aqui e veja todas as imagens produzinas no projeto.

Wenndell Amaral

26 de ago de 2009

EMAIL:

enviado por Tereza Cristina


25 de ago de 2009

Saudade pode provocar sintomas parecidos aos da crise de abstinência, indica estudo

Ah se saudade matasse...

Ficar longe da pessoa amada pode provocar sensações semelhantes a da abstinência de drogas. Este é o resultado de um estudo feito nos Estados Unidos pela psicóloga Lisa Diamond, da Universidade de Utah, que investigou por que casais apaixonados, pais, filhos e amigos com uma ligação muito próxima se sentem mal quando estão separados.

No estudo, a psicóloga separou casais por uma período de até uma semana, e percebeu que a maioria dos participantes ficava mais irritado e com dificuldades para dormir, resultado da elevação de cortisol, o hormônio do estresse, no organismo. Além disso, os participantes também relataram um aumento da ansiedade, de um mal-estar generalizado e do desconforto em diversas situações do cotidiano. Segundo a pesquisadora, estes sintomas são parecidos com os de viciados em drogas que estão passando por um processo de desintoxicação, só que em uma proporção menor.

Segundo Lisa Diamond, o 'incomodo' provocado pela saudade também é comum entre pais e filhos, apesar de a estrutura do relacionamento ser diferente do das relações amorosas. "Tanto nas relações românticas adultas como nos relacionamentos entre pais e filhos existe um desejo de cuidar do outro, o que aumenta a resistência à separação", escreve a pesquisadora. Ela nota que sofrer demais, no entanto, não é normal, e que se a saudade começar a atrapalhar o cotidiano, é hora de procurar ajuda profissional. O estudo foi publicado na íntegra na revista "Scientific American".

Fonte: O Globo

FILME: Watchmen

Segundo o filósofo alemão Hegel, dividem-se em 6 as Artes: Arquitetura, Escultura, Pintura, Música, Dança e Poesia. Os franceses criaram uma tese de que o Cinema, por mexer com o espaço como as 3 primeiras e com o tempo como as 3 últimas, era a sétima Arte. Não acho exagero, por outro lado, não poderíamos deixar de lado a Literatura, a Fotografia... Quem sabe até as Histórias em Quadrinhos, que apesar de sempre estarem ligada a infância, há muitos anos já tem sua vertente adulta, como livros ilustrados. O Cinema, juntamente com a Música, são na minha opinião, as vertentes de Arte que melhor expõe com uma sinceridade viceral, o mundo, o momento pelo qual o artista vive.


Alan Moore soube muito bem expressar o mundo em que vivia quando criou Watchmen: eminente guerra nuclear, EUA x URSS, etc, etc. Com um cenário sombrio ao fundo, Moore nos brinda com suspense noir, ação, citações filosóficas, mitologia, e acaba criando uma história de super-heróis que nada lembram os heróis clicês dos quadrinhos: dramas pessoais, conflitos psicológicos, guerra de egos, remorso e tudo mais que envolve uma vida humana. Watchmen - Quem Vigia os Vigilantes (Watchmen - The Movie, DC Comics, 2008), ficou a cargo do diretor Zack Snyder, que como poucos, soube retirar o supra sumo da HQ: atores bem escolhidos, fotografia e efeitos especiais no ponto; o roteiro de Alan Moore que já era ótimo, ficou ainda mais dinâmico, sem falar na fantástica trilha sonora que encaixa naturalmente em cada cena. A cena do enterro de Edward Blake ao som de The Sound Of Silence (O Som do Silêncio) de Simon & Garfunkel é de encher os olhos de lágrimas.

Watchmen acabou de sair em dvd está em todas as banquinhas piratas. Para entender a história, clique aqui e acompanhe o explicativo texto de Bruno Clériston. Para baixar as HQ´s, clique aqui.


Walter Jr.

24 de ago de 2009

CHARGE:


23 de ago de 2009

EMAIL:

enviado por Tony Rafael

DUAS LUAS NO CÉU DE 27 DE AGOSTO! DIVULGUEM!

O Planetario Internacional de Vancouver, da British Columbia - Canadá, calculou a precisão em que Marte estará orbitando perto da terra. Será no dia 27 de agosto de 2009. Todavia, o mais interessante de tudo é que isto estava previsto em um código Maya, encontrado na piramide ao lado do Observatorio Estrelar em Palenque, Chiapas - México. Com este cálculo matemático Maya, agora os Mayas estão sendo vistos como os gregos da America, e orgulho da Guatemala.
Pelo menos, quatro ou cinco gerações da humanidade não voltará a ver este fenomeno natural, e poucas pessoas sabem até o momento, embora tenha sido noticiado em 11 de maio de 2009. No dia 27 de Agosto, a meia noite e meia, olhe para o ceu. O planeta Marte será a estrela mais brilhante do ceu, e será tao grande quanto a lua cheia, e estará a 55,75 milhões de kilometros da terra. Não perca!! Será como se a terra tivesse duas luas, e este acontecimento só se repetirá no ano de 2287.

Divulgue esta informação, pois nem todos terão a oportunidade de rever.

---

Calma gente! Marte não ficará tão grande quanto a lua, e sim um pouco maior ddo que seu normal. Mesmo assim é um evento único! O melhor horário para observar Marte é das 20h30, logo após o pôr-do-sol, até as 6h30, hora em que o Sol está nascendo. Neste horário, o planeta aparecerá logo acima do horizonte, onde o Sol nasce. Não há como errar. O fneómeno será melhor vixualizado na linha que segue entre o Rio de Janeiro e o Nordeste brasileiro. Extraordinário é o fato de o fenômeno ser observado, pela primeira vez, pelo ser humano. Certamente, há 73 mil anos os nossos ancestrais não deram muita bola para ele, afinal ainda éramos Neandertais... Outra fator que trás mais misticismo em torno desse fato, é o acerto irrefutável do povo Maya - mesmo sem computadores, e sem física e matemática moderna, acertaram na mosca!

Fonte: Profecia Maya; Nasa; Departamento de Física da UFMG

Walter Jr.

LIVRO: A Artista do Corpo

A Artista do Corpo, Don DeLillo.

Livro lançado em 2001, pode ser encontrado à venda sua edição pela Companhia das Letras, com tradução de Paulo Henrique Britto

A Artista do Corpo é sobre uma mulher chamada Lauren Hartke e o seu desenvolvimento e envolvimento a fatos e pessoas no espaço de tempo indefinido em que a narração se passa. Lauren é uma artista que trabalha com seu corpo para expressar sua arte. No livro, somente fim fica claro ao leitor o que exatamente Lauren faz. Durante quase toda a narração Lauren divide as páginas com sensações e, principalmente, com alguém que pode existir ou não, que o autor coloca a dúvida de ser alguém ou um pensamento, ou até uma simples vontade. Penso que talvez seja a extensão de seus próprios pensamentos afetados por alguma coisa, talvez a morte (in)esperada de seu companheiro, um cineasta chamado Rey Robles.

Logo quando comecei a ler A Artista do Corpo pensei: Esse livro daria um bom filme. O primeiro capítulo me deixou com essa exata impressão. Don DeLillo trata muito bem as palavras. Deve ser por isso que a narrativa é tão clara sem ser simplista e rasteira. Tem um estilo envolvente e curioso. É concentrado, lírico, meditativo, são palavras que colocam em evidência o virtuosismo no trato com as palavras desse autor nova-iorquino, considerado por muitos críticos como um dos principais representantes do pós-modernismo literário.

A Artista do Corpo não é a produção mais conhecida de DonDeLillo, longe disso. Underworld e Ruído Branco são os títulos que tiveram mais evidência. Em 2006, Underworld foi considerado um dos três melhores romances dos últimos vinte e cinco anos pela New York Times Book Review e recebeu em 2000 a Medalha Howells da American Academy of Arts and Letters. Seu livro mais recente é Homem em Queda, de 2007, que trata dos efeitos dos ataques terroristas de 11 de setembro numa família típica de Nova Yorke.

Wenndell Amaral

21 de ago de 2009

É pra isso que serve o Ministério da Cultura? Vergonha!

Ministério da Cultura autoriza captação de recursos para DVD de Gilberto Gil

Depois da polêmica envolvendo o financiamento de uma turnê do cantor Caetano Veloso, que recebeu do Ministério da Cultura autorização para captar recursos públicos para os shows do novo CD "Zii e Zie", o ministério autorizou, no último dia 4, projeto de um DVD do ex-ministro Gilberto Gil. Em sua 166 reunião, a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) aprovou apoio de R$ 445.362,50 para a realização do DVD "Gil Luminoso", sobre a trajetória artística dele.

O ministério diz que a comissão que aprovou o projeto tem integrantes da sociedade e que o DVD prevê a realização de dois shows a preços mais baixos. - O dinheiro público se justifica porque aumenta a possibilidade de atender a quem não tem acesso a esse tipo de show. Não há problema em um artista consagrado receber recursos públicos, desde que isso se converta em benefícios para a população - disse o secretário-executivo do Ministério, Alfredo Manevy. Ele rejeita a crítica de que a decisão vai contra um dos argumentos do ministério na defesa da reforma da Lei Rouanet. O ministro Juca Ferreira tem dito que é preciso evitar a concentração de recursos no Sul e no Sudeste e dar mais chances a projetos menores.

Gilberto Gil disse não ver problemas no fato de se contemplado pela pasta que comandou por seis anos. Alegou que a legislação não impede que um ex-ministro capte financiamentos pela Lei Rouanet: - Não conheço interdição para a minha empresa. A lei é franqueada a todos. Quando eu era ministro, havia impedimento. A mulher e produtora do cantor, Flora, disse que, nos seis anos da gestão de Gil, a empresa Gegê Produções Artísticas não apresentou projetos ao ministério. Flora disse que talvez nem necessite do dinheiro, pois acertou o patrocínio de uma empresa com recursos próprios.

Fonte: G1

Absurdo! Gil tem tem contrato com uma gravadora multimilionária e nós brasileiros temos que assitir nosso dinheiro ser desviado para o bolso de um artista que já passou pelo auge criativo, já muito bem financeiramente de vida? Quase meio milhão de reais jogados fora... Ou melhor jogados na conta de Gil... Tem coisas que só acontecem no Brasil. Quantos artistas temos que mereciam 1/5 desse valor pra produzir suas obras e o governo nega?!

Walter Jr.

EMAIL:

enviado por Josivaldo Ramos - www.josivaldoramos.com.br

CARTA ABERTA

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito JOSÉ LOPES NETO

Em resposta a Vossa Excelência, como um dos membros da menciona “arquibancada de ocasião”, gostaria conforme me faculta a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 em seu Artigo 5º, manifestar de forma pública meu pensamento acerca da sentença que fora proferida por Vossa Excelência no nos autos do Processo AIME-01/2009 e publicada na manhã desta sexta feira, 21 de agosto de 2009, no Fórum Eleitoral de União dos Palmares.

Disse Vossa Excelência na sentença: “Juiz não é candidato a nada, não precisa de popularidade. O respeito pela Lei já basta”. Contudo gostaria de ressaltar que a Lei define como crime eleitoral “dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outra pessoa, dinheiro, dádiva ou qualquer outra vantagem, para OBTER ou DAR o voto”, e União dos Palmares assistiu, como também assistiu Vossa Excelência, uma série de evidências de irregularidades no pleito último passado. E não apenas cometidos pelos impugnados na AIME-01/2009, como também pelos impugnandos, pelos que nem mesmo fazem parte do litígio, porém concorreram ao último certame, alguns eleitos, outros não, mas que nem por isso deixaram de cometer, em tese, crime eleitoral, entretanto Vossa Excelência não utilizou-se da fria letra da lei, como que inspirado em HANS KELSEN, fazendo cumprir no momento oportuno, quando ainda era possível evitar que a eleição para prefeito de União dos Palmares se transformasse em uma novela, digna das novelas mexicanas.

Entendo que Vossa Excelência não possui nem mesmo legitimidade para atuar em processo algum onde figure como parte alguém da família GOMES DE BARROS, PEDROSA, FREITAS, BAÍA ou qualquer um que possua ligação direta com o Advogado EMANUEL PAULO DA SILVA, vulgo Paulinho do PT, pois este último arguiu na justiça, lugar comum, como também em emissora de Rádio do município de União dos Palmares (Rádio FAROL FM, durante Programa Espaço Democrático) e ainda no conceituado Jornal EXTRA DE ALAGOAS suspeição não apenas de vossa parcialidade, como também, grife-se, mais grave ainda, o envolvimento de vossa excelência com membros de uma organização criminosa que possui até mesmo um grupo de extermínio. Como se não bastasse os meios já citados Vossa Excelência foi alvo de reportagem do Semanário ESSE, onde as mesmas, e conhecidas denúncias, contra Vossa Excelência foram veiculadas nas páginas deste conceituado meio de comunicação.

Contudo, quem sou eu? Como também, quem é o povo de União? Para achar ou deixar de achar alguma coisa acerca de “nossa” cidade? Saiba que a nós ficou límpido no decorrer do período eleitoral que: “QUEM MANDA NESSA PORCARIA HÁ MAIS DE QUARENTA ANOS” é de MANUEL GOMES DE BARROS, ex-governador do estado e já não nos restam mais dúvidas.

Diante o exposto acredito que Vossa Excelência deveria ter se arguido suspeito de atuar no julgamento deste e de muitos outros casos, o que lhe preservaria a condição de Magistrado respeitado tal qual exposto em Vossa sentença: “Os cidadãos respeitarão os Magistrados não pela agudeza de suas Decisões e sim pela legitimidade”, mas optou em perder esta oportunidade.

Para concluir ressalto que não sou partidário de nenhuma das partes envolvidas no litígio, ao contrário, milito em um partido político que faz oposição a ambos e se manteve por todo o tempo isento de quaisquer manifestações prol ou contra quaisquer das partes, porém manifesto minha indignação como operador do Direito, que defende que em havendo suspeição de parcialidade sobre um magistrado este deve se auto-declarar suspeito em atuar neste processo, e Vossa Excelência não o fez, fato que motiva este cidadão a iniciar uma campanha, onde pretende colher assinaturas em prol de sua substituição da comarca palmarina a ser requerida junto ao egrégio Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas a fim de que a ordem e a justiça se restabeleçam em União dos Palmares e que não pesem sobre as decisões judiciais do Magistrado em função nesta comarca quaisquer dúvidas de legalidade e legitimidade.

Fico por aqui, pois não vejo necessidade de me estender além de duas laudas para manifestar a indignação de um cidadão palmarino contra vossa decisão de cinquenta e duas laudas, não pelo teor da decisão que sequer adentrei ao mérito, mas simplesmente por tê-la proferido.

Atenciosamente

JOSIVALDO BATISTA RAMOS

Capitalismo, uma história de amor irônica de Moore

Capitalism: A Love Story (Tradução: Capitalismo, Uma História de Amor) é o novo trabalho do cineasta, documentarista e escritor norte-americano Michael Moore, vencedor do Oscar de melhor documentário em 2002 por Tiros em Columbine. Moore também é reconhecido pelo documentário sobre os "atentados de 11 de setembro" nos Estados Unidos, Fahrenheit 9/11, de 1994, e também dirigiu SiCKO, de 2007, documentário que trata do sistema de saúde norte-americano.

Capitalism: A Love Story teve seu primeiro trailer divulgado, assista (infelizmente ainda não há versão dublada ou legendada):



No longa, o diretor vai buscar compreender a origem da crise financeira mundial. Com seu olhar cômico, também irá explorar os aspectos econômicos e políticos desonestos, nos Estados Unidos, que culminaram no que descreveu como “o maior roubo da história deste país”, que foi a maciça transferência de dinheiro dos contribuintes para instituições financeiras privadas.

Ainda não foi divulgada a data de estreia do filme no Brasil.

Fontes: G1, Blog da Revista Monet e Omelete, com complementos.

Wenndell Amaral

19 de ago de 2009

"RACISMO"

A questão do racismo já foi levantada outras vezes aqui no blog. A ultima vez foi através de uma denúncia em desfavor de um "jornalista" local. O racismo - ato identificado como crime com a promulgação da lei nº 7.716 de 1989 - assim, como a violência, é um fator sociológico dominante. Alguns países confundem soberania com racismo, ou no mínimo, acham que a soberania lhes dão o direito de ser racista. A História nos mostra que quanto mais antigo um grupo de pessoas com características fenotípicas (físicas) parecidas - a chamada erroneamente "raça" - mais xenófobo , racista ele é. A antropologia usou várias classificações de grupos humanos no que é conhecido como “raças humanas” mas, desde que se utilizaram os métodos genéticos para estudar populações humanas, essas classificações e o próprio conceito de “raças humanas” deixaram de ser utilizados. Um conceito alternativo é "etnia". Mesmo mudando a nomenclatura, o mesmo problema volta a aparecer: a segregação.

Raça branca (europeus); raça negra (africanos); raça mulçumana (arábes); raça amarela (asiáticos), etc., etc., etc. Epa! Raça não. Etnia. Mas se até nossa lei que trata do assunto institucionalizou a denominação "raça", como mudar o conceito do povo, da sociedade? Seja na Espanha, Itália ou Inglaterra, os jogadores de futebol sul-americanos e africanos são chamados de "macaquitos". Pode-se considerar natural que haja uma certa desconfiança entre povos de diferentes características físicas e culturais. Mas não se pode achar natural que nada seja feito para ao menos diminuir a desconfiança e construir uma relação de fraternidade com povos de culturas distintas, afinal o homem é um animal político/social. O capitalismo conseguiu reunir milhões de pessoas, de centenas de nações diferentes. É a força do dinheiro. Mas o dinheiro não compra razão, nem tolerância e muito menos bom senso. Mesmo com uma economia globalizada, o racismo continua a imperar.


Como havia dito no início, o racismo é um fator sociológico dominante - digo isso por presenciar, tanto na História quanto dia após dia, inúmeros atos racistas cometidos pela maioria das pessoas, inclusive eu que tenho conceitos pré-estabelecidos para os cidadões norte-americanos por exemplo. Assim como os norte-americanos também têm pré-conceitos em relação aos brasileiros. A "etnia" que domina o mundo é a "branca", e tem como territórios-base a Europa Ocidental e a América do Norte. Fora desse eixo, nada vale muito. Eles se consideram etnias superiores. Lógicamente isso não é unanimidade. Existem europeus conscientes, livres de pré-conceito. Já do lado norte-americano, essas pessoas são de um número ínfimo. Temos exemplos claros no filme Borat , onde o comediante Sasha Baron Cohen, encarna o repórtem "mais importante do Cazaquistão"; o roteiro é baseado em entrevistas reais que o personagem-repórter gravou num tour pelos EUA, revelando todo o preconceito contra diferentes etnias além de capturar com sinceridade toda a arrogância e prepotência norte-americana para com o resto do mundo.

Os europeus por sua vez, não ficam atrás. Alguém, lembra de um sr. chamado Adolf Hitler? A Prússia - império que deu origem a moderna Alemanha - era um país alicerçado na xenofobia. Hitler perseguiu principalmente judeus, mas não escaparam os gays (assim como ele), os negros, árabes e latinos. Os asiaticos só foram poupados porque eram importantes aliados. Os judeus, como todos sabem, é apresentado na História atual como um povo "perseguido injustamente". Não que eu esteja dando razão ao Füher do III Reich. Mas é que a atual Historia - escrita pelos sempre manipuladores norte-americanos - esquece de mencionar a perseguição feita pelos judeus contra os primeiros cristões. Esquecem de mencionar a tão conhecida xenofobia judaica, onde quem não é judeu não tem valor algum. Os judeus terminaram sendo perseguidos, tomando do próprio veneno, por um ditador que não aceitava um povo que vivia em seu território e tinha nojo dos seus irmãos alemães. Se isso não é racismo, não sei mais o que seja. O continente africano - que há milhões de anos nos deu a vida através da evolução - agora é tratado como um lugar entregue a própria sorte, dependente de favores internacionais. Um mega-lixão do mundo, coberto de areia, sangue e doenças digno apenas da "compaixão mundial". Nenhum país quer um refugiado africano em seu solo sagrado. Faço as citações para que enxerguemos o ciclo de ódio que o racismo inflinge aos povos que fazem seu uso. Um dia a caça, no outro caçador.

Do lado oriental temos conflitos etnicos em todo Oriente Médio, assim como no extremo leste russo. Chineses e japoneses nunca se deram bem. "Mais isso fica do outro lado do mundo o que temos nós a ver?" dirão alguns... Vamos "afunilar" os exemplos: o que dizer dos povo sul-americanos que até os dias atuais, nem mesmo a força do dinheiro/capitalismo consegue unir? Chilenos se acham melhores que bolivianos, que se acham melhores que venezuelanos; a Argentina acha que faz parte da Europa mesmo sendo um país semi-industrializado. E nós brasileiros?! Nos achamos melhores que todos nossos hermanos, temos até a pretensão de liderar o Mercosul... Mas nem sequer fazemos nosso dever de casa, nem ao menos olhamos para nosso próprio rabo... "Ok, mas e daí? São outros países mesmo!" insistirão outros. E para esses volto a trazer a discussão para mais perto de nós: o que dizer da xenofobia praticada no sudeste/sul do país contra principalmente nordestinos, negros, amazonenses, gays e afins? Os estados mais ricos do país são também os mais racistas, mais xenófobos. Paulistas, gaúchos, catarinenses, esquecem da imensa contribuição (recursos humanos) que os nordestinos deram ao Brasil. Enfim, o mundo, a civilização, a sociedade é alicerçada no ódio contra quem é diferente.

O ódio àquele que é diferente contamina até os próprios pares: já é possível presenciar disputas pessoas de mesma etnias, assim como existiam guerras entre tribos diferentes, mesmo sendo todos "índios". Os chefes tribais africanos caçavam e vendiam seus iguais para os mercadores de escravos enriquecerem com os Navios Negreiros. Temos como exemplo local o estado da Bahia, que tenta e consegue passar a imagem de "capital do nordeste", só lá tem carnaval, só lá tem festa, só lá tem turismo, só lá tem cultura. Pernambuco tenta da mesma forma se destacar como "capital da cultura nordestina". Cada um puxando a brasa pra sua sardinha. Qual o resultado dessas ações de auto-afirmação? Mais segregação, menos união; separação entre pessoas de mesma etnia: a etnia nordestina. Como pode um povo homogênio, fazer questão de se separar? Quem fica com o troféu tardio da culpa? Governantes? Sociedade? Mas o governo existe sem sociedade? E a sociedade existe sem governo? Da próxima vez que você executar ou presenciar um ato de racismo/xenofobia, lembre-se que isso afeta o mundo todo, ajudando a solidificar ainda mais o ódio entranhado no mundo. Como podemos ainda tratar tão bem estrangeiros racistas que vem apenas usurpar o que é nosso? A "hospitalidade" brasileira é famosa em todo mundo. Que falta de amor próprio! Centenas de brasileiros são barrados simplismente por serem brasileiros todos os dias seja na Espanha, na Inglaterra, nos EUA... É obvio que não devemos pagar na mesma moeda, mas colocar os estrangeiros no seu devido lugar, de estrangeiro: tratado com respeito e educação, mas sem regalias. Meus amigos, não adiata ficar a se perguntar de quem é a culpa do mundo andar tão desmantelado... Basta olhar no espelho e veremos a imagem de uma pessoa que aceita o que lhe é imposto sem ao menos exitar e pensar.

Walter Jr.

18 de ago de 2009

Elinaldo Barros: cinema como ofício e prazer

Wenndell Amaral
Foto: Retirada do Portal de notícias Tudo Na Hora.
Alagoas é um estado rico em vários sentidos, sobretudo em se tratando de cultura. Não perde nem se deixa sobrepor por nenhum outro estado brasileiro. Infelizmente, a cultura aqui ainda é tratada como despesa, bem como a educação, enfim. Em relação ao Cinema, também há carência de mais apoio e reconhecimento.

Nomes como Cacá Diegues e Jofre Soares quase nunca são pronunciados, seja em rodas de conversa sobre a cultura local ou quando necessita-se de um exemplo na área de atuação profissional de algum desses filhos ilustres, como gostam de denominar, ou em relação a qualquer outra coisa.

Cacá Diegues, diretor de filmes como Ganga Zumba, de 1964 (que apesar de ter como foco a figura histórica do quilombo dos palmares, foi totalmente filmado no Rio de Janeiro); Joana Francesa (1973), esse sim filmado em Alagoas; Quilombo, de 1984 e Deus é Brasileiro, de 2003, também filmado em Alagoas.

Jofre Soares, natural da cidade de Palmeiras dos Índios, faleceu em 1996, um dos maiores atores brasileiros. Filmou com Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Anjos e com o próprio Cacá Diegues, além de vários trabalhos na televisão em novelas e programas especiais.

Do mesmo jeito que costumamos esquecer desses supracitados, o nome de Elinaldo Barros é quase desconhecido em alagoas. Apesar de possuir em seu portfólio livros lançados e vários trabalhos na televisão e em jornais alagoanos como crítico, o professor Elinaldo Barros vive nos bastidores culturais. Consoante reportagem de Roberto Amorim, nos últimos tempos, o xodó de Elinaldo tem sido comandar as Sessões de Arte do Cine Iguatemi. Há 14 anos Elinaldo faz questão de cumprimentar cada um dos espectadores das exibições nas sextas-feiras à noite e nas matinês de sábado.

Na referida reportagem, veiculada no site de notícias Tudo Na Hora, em entrevista o professor e crítico Elinaldo Barros fala sobre pirataria, Sessão de Arte e sobre seu próximo livro.

Continue lendo.

COMUNICADO URGENTE

Convocamos, em caráter de URGÊNCIA, todos os estudantes para participar da ASSEMBLÉIA GERAL, marcada para o próximo dia 23 de agosto às 15 horas no auditório da Prefeitura, a fim de que aconteça a aprovação do Estatuto que regerá a nova associação, bem como do Regimento Eleitoral visando a formação de uma diretoria para a nova associação, a qual passará a ter a denominação de AMESP (Associação Municipal dos Estudantes Palmarinos).

Por falta de quorum na Assembléia Geral marcada para o último domingo (16/08), mesmo com razoável divulgação, não foi possível a aprovação dos itens supracitados. Caso não haja quorum novamente, a comissão eleitoral irá se dissolver, ficando prejudicada a formação da associação de modo rápido e eficaz.

Observação: Foi acordado entre a Comissão Eleitoral e a EDTUR que o estudante usuário do transporte que NÃO comparecer a próxima Assembléia (23/08), arcará com o ônus de não tirar a passagem referente a semana que inicia na mesma data. Ficando, assim, impossibilitado de utilizar os serviços da EDTUR por tempo indeterminado. A decisão veio a ser tomada para que possamos resolver todos os empecilhos que insistem em se repetir.

Dallas Diego, acadêmico do curso de Agronomia pela Universidade Federal de Alagoas.

17 de ago de 2009

Qual será o representante brasileiro no Oscar 2010?

Wenndell Amaral

O Ministério da Cultura (MinC), por meio de sua Secretaria do Audiovisual, recebe a partir da segunda-feira (16/08) até o próxima dia 28/08, as inscrições para os candidatos brasileiros à vaga de indicação Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2010.

Poderão ser inscritas produções que estrearam nos cinemas entre 1º de outubro de 2008 a 30 de setembro de 2009, nos formatos 35mm, 70mm ou digital. Os longas que entrarão em cartaz apenas após o prazo de inscrição podem se candidatar desde que comprove a exibição até o fim deste mês.

O MinC vai compor uma comissão de seleção composta por cinco profissionais do cinema, além do secretário do Audiovisual, Silvio Da-Rin. O escolhido para a pré-seleção da 82ª Premiação Anual promovida pela Academy of Motion Pictures Arts and Sciences será conhecido em 18 de setembro. O regulamento está no site do Ministério da Cultura.

Em 2008, Última Parada 174, de Bruno Barreto, foi o escolhido brasileiro, mas não passou na pré-seleção de nove filmes feita pela Academia de Ciências e Artes Cinematográficas. O vencedor da estatueta foi o japonês A Partida, que desbancou o francês Entre os Muros da Escola e o alemão O Grupo Baader Meinhof e o israelense Valsa com Bashir. A partir das indicações feitas por mais de 95 países, os organizadores da premiação nos Estados Unidos da América selecionarão cinco filmes que concorrerão na categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira.

A cerimônia do próximo ano terá algumas mudanças, entre elas o dobro de indicados à categoria Melhor Filme. Os indicados a todas as estatuetas serão conhecidos em 2 de fevereiro. O evento de entrega acontecerá em 7 de março de 2010.

Aos poucos o público de cinema no Brasil está assistindo cada vez mais os filme nacionais. E isso faz com que eu lembre de uma coisa. É irritante quando alguém se refere com distinção somente em relação aos filmes brasileiros, como se os filmes estrangeiros fossem os "normais". Quando se fala em filme ou cinema aqui em solo brasileiro o normal deveria ser filme ou cinema brasileiro, somente tendo a necessidade de especificar o país se o filme ou o assunto de cinema for de outro país. Então, seria mais honrado para todos nós falarmos em filme e ponto, sem o "brasileiro" logo após. A produção brasileira é tida como aberração, o normal é o que vem de fora. Isso tem que mudar. Do contrário não teremos uma evolução cinematográfica satisfatória e continuaremos reféns das produções (em sua maioria de má qualidade) estrangeiras.

Deixando de lado a questão acima suscitada, e nem sei se deu pra entender direito, mas fica a tentativa, farei aqui um esboço de alguns filmes que poderão ou deverão estar entre os inscritos no Ministério da Cultura, e posteriormente um deles será selecionado para ir a pré-seleção do Oscar.

À Deriva, com direção de Heitor Dhalia, lançado em julho de 2009. Foi um dos selecionados no Festival de Cannes deste ano e concorreu na mostra paralela "um certo olhar". Divã, com direção de José Alvarenga Jr, não é um filme na linha do que se pensa para estar no Oscar, mas, pelo sucesso e reconhecimento deverá ser inscrito no MinC. Jean Charles, cinebiografia do brasileiro assassinado pela polícia inglesa, dirigido por Henrique Goldman, com Selton Mello no elenco, o filme lançado em junho deste ano pode ter um bom apelo internacional. Os Normais 2, baseado na série de tevê, dirigido por José Alvarenga Jr.

A Festa da Menina Morta, de Matheus Nachtergaele. O filme é de 2008, mas só foi lançado, salvo engano, em junho deste ano. Com atuações fortes, é uma boa promessa. Feliz Natal, estreia de Selton Mello da direção, foi lançado dentro no prazo para ser inscrito, em novembro de 2008, e tem sido um dos destaques do nosso cinema desde então. Apenas o Fim, produzido e exibido em alguns festivais em 2008, lançado em junho deste ano, foi idealizado e dirigido pelo estudante de Cinema Matheus Souza, é aclamado por grande parte da crítica e recebeu elogios do público também. O recém lançado Tempos de Paz, dirigido por Daniel Filho e Dan Stulbach.

Além desses, posso citar ainda filmes como A Mulher Invisível, O Menino da Porteira, Se Eu Fosse Você 2, Verônica, Loki, Guarapa, Ouro Negro, entre outros, que são (numa visão minha) de menos expressão e, conseqüentemente, com menos chances de conseguir alguma coisa além da lembrança aqui exposta. É... sinto em afirmar que a produção nacional, pelo menos de acordo com o nível de informação que tive até agora, não foi lá essas coisas, mas tem seu brilho, claro.

Bom, fiquem à vontade para opinar sobre outros filmes que vocês acham que deveriam ser inscritos e que teriam a competência (ou não) de estar entre os selecionados para a pré-seleção de filmes estrangeiros para o Oscar 2010.

Fonte: Cineclick e sítio do Ministério da Cultura, com adaptações e complementos.

15 de ago de 2009

Pensamento positivo interfere na longevidade feminina

Um estudo realizado com mais de cem mil mulheres, publicado na revista científica Circulation, sugere que o pensamento positivo pode ser um aliado da saúde feminina. De acordo com os cientistas holandeses, responsáveis pela pesquisa, mulheres pessimistas tendem a apresentar índices mais altos de pressão e de colesterol. Após oito anos de análises, o resultado dos testes comprovou que as mulheres consideradas otimistas tiveram 9% menos de chances de apresentarem problemas cardíacos e estavam 14% menos propensas de morrer por qualquer outra causa.

De acordo com os pesquisadores, a explicação pode estar relacionada com as qualidades extras das pessoas otimistas. Essas mulheres costumam enfrentar adversidades do dia a dia com mais desenvoltura e, por isso, também se revelam mais capazes de cuidar de si mesmas quando ficam doentes. O estudo também avaliou o risco entre mulheres consideradas cínicas e que cultivavam sentimentos hostis. A conclusão foi que as participantes desse grupo estavam 16% mais sujeitas a morrerem durante o período da pesquisa.

Fonte: Yahoo

14 de ago de 2009

Morre o lendário guitarrista Les Paul

Les Paul, o guitarrista e inventor que mudou o curso da música com a guitarra elétrica e as gravações em múltiplos canais, morreu nesta quinta-feira, aos 94 anos. De acordo com a fabricante de guitarras Gibson, Paul morreu em consequência de complicações causadas por uma pneumonia no White Plains Hospital, onde estava internado. Sua família e alguns amigos próximos estavam a seu lado na hora da morte. Como inventor, Paul ajudou no surgimento do rock'n'roll e das gravações em vários canais, que permitiu aos artistas gravar diferentes instrumentos em momentos distintos, fazer um coral usando a voz de uma única pessoa, e então,
cuidadosamente, equilibrar as "faixas" em uma gravação final.

Em 1952, a Gibson começou a produzir a guitarra Les Paul, que, ao longo dos anos, tornou-se uma das mais usadas na indústria da música e o modelo favorito de grandes nomes do rock, como Pete Townsend do The Who, Steve Howe do Yes, e Jimmy Page do Led Zeppelin. Guitarrista de jazz, Les Paul colecionou vários sucessos em sua carreira, vários ao lado de sua esposa, Mary Ford. Entre 1949 e 1962, ele ganhou 36 discos de ouro e conquistou 11 vezes o primeiro lugar nas paradas, com hits como "Vaya con dios," "How high the moon," "Nola" e "Lover".

Walter Jr

13 de ago de 2009

Quem procura sempre acha.

Investigação no Senado encontra mais 468 atos secretos

Investigação feita por técnicos do Senado descobriu mais 468 atos secretos, além dos cerca de 600 já identificados. Esse novo grupo, editado entre 1995 e 2000, segue o mesmo padrão do anterior, ou seja, contém nomeações de aparentados de políticos, concessões de benefícios salariais e criação de cargos. O primeiro-secretário da Casa, Heráclito Fortes (DEM-PI), determinou ontem a abertura de inquérito administrativo para apurar esses novos atos secretos. Parece que toda a crise que estourou não adiantou para brecar a má utilização de dinheiro público. Na terça-feira, Sarney decidiu manter as gratificações incorporadas aos salários de servidores de carreira por meio de 80 atos secretos e anistiou o passado: ninguém terá de devolver qualquer bônus. Pelo menos 70 funcionários foram beneficiados, incluindo um assessor de Sarney e aliados de Agaciel, além de sua mulher, Sânzia Maia.

Fonte: O Estado de São Paulo

Mais um suspiro da morta-viva Ditadura...

PM reprime manifestação do PSOL pela saída de Sarney

Terminou em repressão pela Polícia Militar (PM) e por seguranças do Senado uma manifestação "Fora Sarney" organizada pelo PSOL, hoje. Depois de gritarem frases pela saída do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), próximo ao Congresso, um grupo de cerca de dez manifestantes, de um total de 30, subiu a rampa de acesso da Câmara para estender uma faixa. Policiais, que fazem a guarda do lado de fora do prédio, reprimiram o ato e tomaram a faixa com a ajuda de seguranças do Senado, apesar de os manifestantes estarem no lado da Câmara. Dois assessores do PSOL foram presos e levados para a sala de segurança do Senado. Os detidos só foram soltos após a intervenção dos deputados Chico Alencar (PSOL-RJ) e Ivan Valente (PSOL-SP), líder da bancada na Câmara. O presidente do PSOL no Distrito Federal, Antonio Carlos de Andrade, afirmou que foi agredido por policiais. Ele teve uma das mãos machucada. "A polícia do Senado, ainda mais depois de encerrada pacificamente a manifestação, não tinha o menor direito de fazer o que fez. Um abuso, uma arbitrariedade, pura retaliação", protestou Alencar.

Fonte: G1

Novas idéias, velhos dilemas

Wenndell Amaral
Estava matutando há uns dias para escrever algo sobre a ideia do Governo Federal intitulada de Vale Cultura, quando, navegando pelo site (ou sítio) Cinética - Cinema e Crítica - encontrei e li um ótimo texto sobre esse projeto de lei que visa melhorar o acesso dos brasileiros de baixa renda à cultura: teatro, cinema, comprar livros, Cds e Dvds.

O projeto da lei foi assinado pelo Presidente Lula no final do mês de julho e deve ser encaminhado ao Congresso ainda nesse mês de agosto. Pelo jeito, somente no próximo ano poderemos avistar os trabalhadores com seus cartões magnéticos (como aqueles do Bolsa Família) comprando ingressos no cinema ou livros na shopping mais perto. Enquanto isso, fiquemos com as considerações extraídas no Cinética.

O Vale Cultura, afinal, vale para quê?
por Lila Foster

Em discurso durante o lançamento do Vale Cultura (50 reais disponibilizados para gastos com cultura, via isenção fiscal, para trabalhadores que ganham menos de 5 salários mínimos), o presidente Lula insistiu nos benefícios ao trabalhador que, uma vez aprovado o projeto, poderá ter acesso a outros bens culturais, livrando-se assim da televisão, cuja programação o presidente considera ruim. O espantoso nessa declaração, além da sinceridade, é que ao mesmo tempo em que o governo tenta reverter um processo de elitização da cultura, ele se exime de qualquer responsabilidade ou poder sobre o que é essa TV de qualidade duvidosa. Sobre a má qualidade da programação da televisão brasileira, o governo ainda não conseguiu agir em direção à sua melhoria e democratização. As discussões sugeridas pelo projeto da Ancinav e a chegada da transmissão digital, que politica e tecnicamente poderiam ter possibilitado abertura de novos canais e novas programações, tiveram os seus rumos totalmente determinados, com nenhum tempo para debate das questões e conseqüências envolvidas, pelos grandes canais e por setores do governo. As forças em jogo impossibilitaram totalmente a abertura dos canais para a discussão das suas programações. Uma resposta a esta dificuldade foi a criação da TV Brasil, projeto que tentou reverter a impotência diante das tentativas de regulamentação do setor, mas que agora também se vê diante de uma crise.

Mas, quando Lula assume no mesmo discurso de lançamento que não sabe “como fazer uma política de distribuição de cinema” e que precisa “fazer um grupo para discutir isso melhor", ele toca em um dos pontos nevrálgicos da situação do cinema brasileiro atual, que sua gestão tem tentado encarar de diversas formas, seja por iniciativas como a Programadora Brasil, seu elo com os Pontos de Cultura, o fortalecimento dos cineclubes e diversos festivais de cinema por todo o país: a formação de um circuito alternativo de distribuição e difusão, que tenta chegar às periferias e às cidades pequenas, além de difundir o cinema brasileiro como um todo. Com o predomínio dos “filmes de mercado” brasileiros no circuito e com um excesso de produção que compete no pequeno espaço do circuito de arte e não tem onde passar, o clamor agora é pela ampliação do circuito de exibição e pelo barateamento dos ingressos. O problema que o governo busca enfrentar é duplo. O primeiro é como democratizar a distribuição e exibição dos filmes produzidos no Brasil, ou seja, como possibilitar o acesso à produção incentivada dos últimos anos e viabilizá-la economicamente? O segundo é como tornar o consumo de filmes brasileiros no cinema mais democrático e acessível? É aí que se encaixa o projeto do Vale Cultura. Para o cinema, o discurso envolvido no projeto vai um pouco além da democratização. Mobilizado principalmente por Luiz Carlos Barreto, o Vale Cultura seria uma forma de injetar dinheiro na “indústria”. A equação do produtor também é simples: o mal do cinema é que ele está caro, poucas pessoas podem comprar o ingresso e por isso os filmes não dão público nem dinheiro. O Vale Cultura chega então para salvar a lavoura, é dinheiro em caixa garantido e pilar da nossa industrialização.

É nesse ponto que a história se complica. Não existe solução fácil para o problema em que o cinema brasileiro atual se encontra, a equação é dificílima. Se o acesso ao cinema brasileiro e a produções independentes é tão importante, seria bom repensar o papel das TVs comerciais na difusão da produção independente e na abertura da sua grade de programação. Do ponto de vista de sustentação do filme brasileiro no mercado, nada garante para onde irá o dinheiro do Vale Cultura (a previsão no anúncio do projeto era de R$ 7 bilhões). Onde esse dinheiro vai ser investido, se o problema do acesso à cultura não é somente financeiro? O que garante que esse dinheiro vai para produtos e eventos brasileiros? Fazendo as contas, por que um beneficiário do projeto, imaginando um casal com um filho, iria gastar sua cota mensal indo uma vez ao cinema (incluindo gasto com transporte, duas inteiras e uma meia) se é bem mais barato comprar três DVDs? Os espaços culturais, as salas de cinema, os teatros e os museus se concentram nos centros das grandes cidades e em shoppings, estão distantes das periferias e das pequenas cidades. Se o presidente reconhece isso no mesmo momento em que lança um projeto que disponibiliza dinheiro para o trabalhador consumir exatamente produtos desse circuito, não seria bem melhor direcionar esse dinheiro para a construção e manutenção de salas de cinema e teatros? Ou para o fortalecimento de uma rede de exibição alternativa que já existe em centros culturais, universidades e museus?

Em termos de sustentação dos produtores culturais, também não faz nenhum sentido o governo lançar um projeto de isenção fiscal, se no final do ano passado sancionou a Lei Complementar nº 128/08, que retirou as empresas de produção cultural do Simples, aumentando a carga tributária de 6% para 17,5% e dificultando, com isso, a viabilização financeira das empresas do setor. Quer dizer, o discurso parece muito frágil diante da realidade da cultura no país: a TV que é popular ninguém pode tocar, os produtores culturais sofrem aumento de tributação, diversos filmes brasileiros têm dificuldade de chegar ao circuito exibidor, as periferias e as pequenas cidades não tem infra-estrutura cultural.

Idealmente o Vale Cultura permitirá que as pessoas possam ir ao teatro, ao cinema, ao circo, show de música e dança, comprem livros e DVD. Isso, evidentemente, é um benefício, mas não existe nenhum dado quanto a forma que esse consumo vai se dar e que critérios entrarão em jogo para decidir quem vai ter a maquininha para aceitar o Vale Cultura. Pode ser que o vale lote teatros, mas pode ser também que ele lote as fileiras do último blockbuster americano. E aqui não entra a medida de valor sobre o que se deve ou não assistir, mas cabe perguntar por que mais um projeto com isenção fiscal, com tanto projeto de difusão cultural no Brasil que funciona sem recursos? Em relação ao cinema, mesmo que se amplie o público do cinema brasileiro, isso não forma a base de nenhuma indústria, afinal, não seria mais um incentivo do governo e, portanto, mais uma solução fora do mercado? Isso não seria ignorar a dificuldade que o cinema brasileiro tem encontrado para chegar ao circuito de exibição?

Independentemente do resultado do projeto, se vai ser aprovado ou se a cota vai aumentar para 100 reais como está sendo discutido, o vínculo entre o Vale Cultura e a indústria cinematográfica parece totalmente deslocado e é uma solução muito mais discursiva do que prática. O Brasil tem se digladiado durante anos na tentativa de fortalecimento de uma indústria cinematográfica no país e, quase sempre, se afundou no ideal e nos discursos. Achar que o Vale Cultura é a solução é ignorar toda essa história e não se questionar sobre o quanto estamos dispostos a pagar para termos uma indústria de cinema no Brasil. Ou até mesmo se perguntar: é possível uma indústria de cinema no Brasil?

Link direto para o texto: http://www.revistacinetica.com.br/valecultura.htm

Mais informações sobre o Vale Cultura: http://blogs.cultura.gov.br/valecultura/

Ministério da Cultura propõe novo fundo do livro

No momento em que o número de livros vendidos ao consumidor chega ao auge nesta década, o setor editorial pressiona o governo para tentar reduzir o impacto da criação de um fundo setorial sobre o faturamento das empresas.

Estudo anual da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, da USP), divulgado nesta terça-feira (11), aponta que o número de exemplares vendidos ao mercado chegou a 211,5 milhões em 2008, superando os 200,7 milhões de 2000. De lá para cá, as vendas ao consumidor registraram grande queda até 2003, seguida de recuperação.

Esse foi só um dos resultados positivos da pesquisa, encomendada pelo Snel (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) e pela CBL (Câmara Brasileira do Livro). O estudo mostra que houve evolução positiva em todos os segmentos. Os números, porém, referem-se a 2008, quando ainda não se podia medir o impacto da crise global sobre o setor editorial.

E é com base nesse último argumento que o setor questiona a volta à tona, há dois meses, de um assunto que estava em aberto desde 2004: a destinação de 1% da receita de editores, distribuidores e livreiros para o Fundo Pró-Leitura, idealizado para financiar programas de incentivo à leitura.

Em teoria, o setor deveria contribuir já a partir daquele momento, quando o governo isentou a cadeia do livro das contribuições federais PIS/Pasep e Cofins --a carga fiscal variava de 3,65% a 9,25%.

Mas o governo nunca chegou a dar formato ao fundo e as empresas passaram os últimos quatro anos e meio sem contribuir. O setor nesse meio tempo criou o Instituto Pró-Livro, com ações para fomentar a leitura a partir de contribuições voluntárias, que não chegam perto do 1% de sua receita.

Queda nos preços

O Snel afirma que a cobrança, neste momento, pode fragilizar o setor e levar a um aumento dos preços. Cita como argumento um dos resultados da pesquisa Fipe, segundo o qual o preço médio do livro (praticado pelas editoras às distribuidoras e livrarias) para o mercado variou de R$ 12,68 em 2004 para R$ 9,29 em 2008, descontando a inflação.

"A desoneração deu um respiro ao mercado em 2004", diz Sônia Jardim, vice-presidente da editora Record e presidente do Snel, que cita o aumento do mercado do livro de bolso, mais barato, como uma das consequências. "Até o governo se beneficiou, porque pode pagar preços ainda mais baixos aos editores. Essa taxa causará um impacto sobre o preço do livro."

Fabiano Santos, diretor de Livro, Leitura e Literatura no Ministério da Cultura, afirma que não é um novo imposto. "Foi um compromisso social assumido pelo setor em 2004. Não adianta ter um mercado voltado a apenas 17% da população, que compra os livros. O fundo é necessário para fomentar a leitura", diz.

Santos afirma também que o preço médio do livro "ainda é muito alto para as classes C, D e E". No mês passado, o próprio presidente Lula entrou na briga. Afirmou, na cerimônia de lançamento do Vale Cultura, que o fim dos impostos não levou à queda dos preços.

Atualmente está em discussão no governo uma minuta de projeto de lei para instituir o Fundo Pró-Leitura.

O Snel argumenta que a criação de uma alíquota de 1% para cada um dos setores (editoras, distribuidoras e livrarias) cria um efeito cascata. Também reclama da falta de equilíbrio na gestão do fundo, que deveria ser paritário entre governo e sociedade civil. Para o Snel, a constituição do Comitê de Gestão do Fundo não é equilibrada e pode acabar sendo gerida pelo próprio Ministério da Cultura.

O economista Fábio Sá Earp, um dos maiores especialistas na área, foi contratado pelo Snel para calcular o impacto que a contribuição de 1% geraria. Ele não adianta cifras, mas aponta cálculos preliminares indicando que a queda média de preço, excluindo vendas ao governo, foi em 2005 de 8,3% (valores absolutos), como efeito da desoneração. Seu estudo deve ser utilizado na audiência que o ministro Juca Ferreira (Cultura) tem agendada na terça com as entidades.

A pesquisa Fipe identifica o que pode ser o surgimento de um novo canal -as igrejas. Essas instituições venderam mais de 3 milhões de exemplares, 1,43% do mercado. O porta a porta já responde por mais de 13% das vendas, contra 70% das livrarias e distribuidoras.

Fonte: Folha Online

Wenndell Amaral

Intelectuais e Artistas produzem manifesto em defesa da arte

Um grupo de artistas, curadores e intelectuais entregaram um manifesto ao ministro da Cultura, Juca Ferreira, na última quinta-feira, 6 de agosto, na sede do Instituto Moreira Salles, no Rio de Janeiro. Com 23 assinaturas - incluindo nomes como Ferreira Gullar, Carlos Zílio e Paulo Sérgio Duarte -, o documento reivindica medidas do governo frente a um problema corrente no mundo das artes visuais: as dificuldades impostas pelos herdeiros de artistas para a exposição das obras de arte ou sua reprodução em livros e catálogos.

A dificuldade sobre a falta de limites com que herdeiros de artistas tratam a questão dos direitos de autor e de imagem das obras de seus parentes é antiga, mas foi um fato recente que motivou o grupo a se manifestar. “Fizemos recentemente uma exposição sobre Alfredo Volpi e, apenas pelo direito de reproduzir suas obras no catálogo, o advogado do pintor nos cobrou R$150 mil, o que inviabilizaria o catálogo e a própria exposição”, conta Flávio Pinheiro, superintendente executivo do Instituto Moreira Salles. Pinheiro se refere ao catálogo da mostra Volpi: As Dimensões da Cor.

Também presente na reunião, a arquiteta e professora da PUC-Rio, Ana Luiza Flores, conta que há casos em que herdeiros chegam a cobrar pelos direitos de reprodução das obras em dissertação de mestrado. “Há famílias que exigem autorização por escrito para apresentação de teses e dissertações em universidades e, como se não bastasse, o direito à leitura prévia das pesquisas”.

Tanto a Constituição Federal (1988), como a Lei de Direito Autoral Brasileira (Lei n.º 9.610, de 19 de fevereiro de 1998) estabelecem que cabe ao autor e, depois de sua morte, aos seus herdeiros, os direitos de utilização de suas obras. São os direitos patrimoniais, assegurados aos herdeiros por 70 anos após o falecimento do artista. Há outros casos conhecidos no setor, envolvendo herdeiros de artistas como Lygia Clark e Hélio Oiticica, também mencionados pelo grupo. “São pessoas que, se estivessem em vida, certamente gostariam de ver suas obras expostas”, diz Rodrigo Naves, crítico de arte.

Para o advogado Eugênio Pacelli, dificuldades como essas impedem o cumprimento social da obra. “Ainda que haja os direitos do autor, há também os direitos à educação e cultura”, diz. O arquiteto Otávio Leonídio completa: “Obras de arte são criadas para serem vistas. Não existe uma história da arte se as obras ficam invisíveis”.

Ministro Juca Ferreira e Flávio Pinheiro

Para o ministro Juca Ferreira, o Ministério da Cultura é sensível às críticas do manifesto. “Ancorada em uma formulação legal indevida, impede-se que a arte cumpra a sua função social”, disse o ministro que vai consultar a Advocacia Geral da União (AGU) para estudar as possíveis soluções para essa situação. Também será criado um grupo de trabalho, envolvendo o MinC e integrantes do manifesto, para a discussão de propostas. O ministro estava acompanhado do secretário de Políticas Culturais, José Luiz Herencia, e do coordenador geral de Direito Autoral da SPC/MinC, Marcos Alves Souza, que coordenarão o GT.

Após a reunião com os artistas e pensadores, o ministro visitou as instalações do Instituto Moreira Salles e apreciou a mostra fotográfica de Robert Polidori.

Sobre o Manifesto

“A idéia de que o legítimo direito de remuneração pode preceder o dever da exibição e divulgação pública da obra de arte é inadmissível. O empenho por parte de alguns herdeiros, motivado por demanda comercial desmedida ou impertinente, em obstruir a exibição pública de obra de arte de artista desaparecido não é apenas absurdo, é imoral”, trecho do manifesto.

O documento conta com as assinaturas de Abílio Guerra, Agnaldo Farias, Ana Luiza Nobre, Carlos Zílio, Cecília Cotrim, Fernando Cocchiarale, Ferreira Gullar, Glória Ferreira, Guilherme Wisnik, João Masao Kamita, Ligia Canongia, Luiz Camillo Osorio, Otavio Leonídio, Paulo Sergio Duarte, Paulo Venâncio Filho, Renato Anelli, Roberto Conduru, Rodrigo Naves, Ronaldo Brito, Sophia Telles, Suely Rolnik, Tadeu Chiarelli.

Fonte: Sítio do Ministério da Cultura

Wenndell Amaral


11 de ago de 2009

EDITORIAL:

Não me lembro onde, mas, certa vez li a seguinte frase de "auto ajuda": "grandes feitos foram idealizados e produzidos por homens desmotivados que continuaram sonhando e trabalhando". É sem graça. Eu sei. Mas quando li me identifiquei - quem sabe por eu também ser sem graça(?)... Bem, quando li a frase lembrei dos primeiros jornaizinhos que quem faz o TM hoje elaborava no auge da adolescência, que de alguma forma contribuiu para que criássemos o TM... Me veio a mente a lembrança da primeira edição: tiragem de apenas 50 cópias. Fomos em frente e conseguimos chamar a atenção do prof. e empresário João Lins, que patrocinou juntamente com Beto Santana (Kilinda Recarga), uma tiragem de 500 cópias por edição. Mas essa ajuda durou pouco, apenas 5 edições.

Um ano atrás, o Tempo Moderno deixava de ser publicado em versão impressa. A nova idéia era elaborar o zine na internet, mantendo a qualidade e aumentando a liberdade para experimentar novos simbolos de arte e comunicação. Enfim, novos simbolos culturais em geral. Cultura. E foi assim, produzindo motivadamente para uma sociedade desmotivante, que conseguimos colocar em prática um ideal de liberdade da cultura; difundir o saber, para nos transformamos em pessoas melhores e consequentemente, transformar nossa realidade em uma realidade mais harmonica, mais respeitosa, mais humana.

O intuito de propagar a cultura, foi alcançado e consolidado com a migração do TM para a internet, onde conseguimos em um ano a visita de 20.000 leitores, ou seja, 1.600 e poucos leitores mensais. Quem diria hein? Se fossemos dar ouvidos a algumas almas que andam por aí afirmando: "não vale a pena fazer esse site de vocês, o povo não lê.. e que o povo gosta é de fofoca e noticia de morte"... O tempo é eloquente o suficiente. Muito obrigado a todos vocês que acreditam na ideologia do zine. Em nome de todos que fazem o TM, ofereço um sincero abraço a todos! Estamos aguardando sua contribuição. Aproveitem e divulguem o TM para o máximo de pessoas que vocês conhecerem, esse mês de aniversário promete discussões sobre temas "polêmicos"...

Agosto, 2009.

Walter Jr.
redator chefe

EMAIL:

enviado por A. Lilith

Biblioteca Digital

Uma bela biblioteca digital, desenvolvida em software livre, mas que está prestes a ser desativada por falta de acessos. Imaginem um lugar onde você pode gratuitamente: ver as grandes pinturas de Leonardo Da Vinci; escutar músicas em MP3 de alta qalidade; ler obras de Machado de Assis ou a Divina Comédia; ter acesso às melhores historinhas infantis e vídeos da TV ESCOLA e muito mais... Esse lugar existe! O Ministério da Educação disponibiliza tudo isso, basta acessar o site: www.dominiopublico.gov.br - Só de literatura portuguesa são 732 obras!

Estamos em vias de perder tudo isso, pois vão desativar o projeto por desuso, já que o número de acesso é muito pequeno. Vamos tentar reverter esta situação, divulgando e incentivando amigos, parentes e conhecidos, a utilizarem essa fantástica ferramenta de disseminação da cultura e do gosto pela leitura.

Divulgue para o máximo de pessoas!

10 de ago de 2009

EMAIL:

Segue abaixo um texto enviado pela atual Diretoria da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de União dos Palmares sobre a comemoração da Semana do Estudante nesse ano de 2009.

UMES DE UNIÃO – REVIVENDO NOSSA LUTA!

Nesta sexta-feira (07) foi divulgada pela Diretoria de Imprensa da União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMES) de União dos Palmares, a programação definitiva da VIII Semana Estudantil, que comemora os oito anos de fundação da entidade no município, além de comemorar o Dia do Estudante (11 de Agosto), uma data marcada por muitos anos, com festa e diversas tradições, este ano segundo o vice-presidente Carlos Roberto da Silva, terá muitas novidades.

“Buscamos resgatar a participação do estudante nos movimentos sociais e políticos, queremos construir uma sociedade melhor, junto aos movimentos sociais e ao governo”. Disse o Vice-presidente Carlos Roberto.

Dentre a programação definida tem duas programações inéditas no roteiro deste ano, trata-se do Programa Aluno Nota 10, e da Exposição em parceria com a UFAL, sobre a História do Movimento Estudantil em Nossa Terra.

“A idéia surge num momento oportuno, pois quando lutamos para conquistar esse espaço, eu e minha diretoria, conquistamos desafios, e um a um, vamos avançando e construindo sonhos, mais desafios a serem alcançados, é assim que temos trabalhado, com estratégia e com resultados”. Destaca Clezivaldo Mizael – Presidente da UMES.

Ele (Clezivaldo) ainda adianta que a entidade não ficará apenas realizando festas no dia 11 de agosto, assim que terminar a programação será iniciado o maior projeto social estudantil já realizado no interior de alagoas, o projeto Ação Jovem, que já esta em fase de conclusão será lançado no Dia 14 de Agosto, e vai ser desenvolvido pelos próximos quatro meses, tendo sua conclusão em Dezembro, quando as escolas e à UMES entregará alimentos e roupas as comunidades mais pobres e às instituições filantrópicas do município.

Clique em "Continue lendo" logo abaixo para visualizar a programação da VIII SEMANA DO ESTUDANTE

Dia 11 de Agosto
• Abertura da Semana – com Exposição Áudio/Visual, do DCE/UFAL, no Auditório da 7ª CRE – TEMA: A História do Movimento Estudantil

Dia 12 de Agosto
• Jogos Estudantis – na Quadra Municipal – 08h00min

Dia 13 de Agosto
• Palestra: A Internet e suas vias – Auditório da PMUP – as 08h00min
• Palestra: Uma nova visão sobre a sexualidade na infância e na juventude – as 14h00min
• Programa Aluno Nota 10 – 19h00min

Dia 14 de Agosto
• Festival Dreams + Teams – UMES – Ginásio de Esportes – ás 08h00min
• Show na Praça Basiliano – com Banda Dá Levada – The Prisma e Pitú e Banda – 20h00min

"SOU MAIS A NOVA UMES" – PRESIDENTE: CLEZIVALDO MIZAEL

Patrocinadores:
Prefeitura Municipal de União dos Palmares
Secretaria Municipal da Infância e Juventude
Secretaria Municipal de Educação
Falcão Construções - Paulo César Félix
Doniego Rocha e SITE ESTAÇÃO 2

9 de ago de 2009

Cine Sesi Cultural voltou

Wenndell Amaral
Quem gosta de cinema e, sobretudo, de cinema de qualidade pode colocar novamente o meio sorriso no rosto, pois o Cine Sesi Pajuçara irá reabrir suas portas para exibir muita coisa boa.

Após pouco mais de dois meses fechado para reformas estruturais, o Cine Sesi volta a funcionar no próximo dia 04 de setembro, prometendo um nova fase da já muito boa história desse espaço cultural da cidade de Maceió.

De acordo com as informações disponíveis na comunidade no Orkut do Cine Sesi Pajuçara, o público vai ganhar um espaço moderno que reunirá cinema, teatro e Galeria de Artes em um só lugar. E mais: bombonieri/café; um novo sistema de ar condicionado moderno e ecológico (consome 40% a menos de energia); banheiros reformados e adaptados para Portadores de Deficiência Física; e outras novidades que todos conhecerão na reabertura.

O Cine Sesi está localizado no Centro Cultural Sesi, Av. Dr. Antônio Gouveia, n° 1113 - Pajuçara Maceió/AL. Tel: (82) 3235-5191. Fax: (82) 2121-3026

7 de ago de 2009

Brasil: Estado laico?

Wenndell Amaral

Os leitores mais atentos deste blogue já perceberam que o assunto "religião" volta e meia é destaque de nossas publicações. Aqui vai mais uma, aproveitem.

Um artigo interessante está disponível no sítio da Fundação Lauro Campos, com o título "Brasil: Laico ou Concordatário?". O artigo é de autoria do Coordenador do Observatório da Laicidade do Estado da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Luiz Antônio Cunha, e nos dá informações acerca de algo que sempre gera muita discussão. Leia o artigo a seguir.

Se alguém perguntar: o Brasil é um Estado laico? Eu diria: - Não. O Brasil nunca foi um Estado laico, pois ele é um Estado concordatário. Até o dia 13 de novembro de 2008 era, implicitamente, concordatário. A partir desta data, assume, explicitamente, essa condição. E, por que, implicitamente, concordatário? Porque o Brasil tinha legislações que não tinham o nome de concordata, nem de acordo com o Vaticano, mas que privilegiavam, explicitamente, a Igreja Católica; não igrejas cristãs, mas a Igreja Católica.

Há um dispositivo legal, que não está na Constituição brasileira, explicitamente, que trata do laudêmio, que é um estatuto do direito medieval, que significa a propriedade de um terreno ou de um imóvel, para além da propriedade individual. Há três sujeitos de laudêmio no Brasil: a Marinha de Guerra, com os terrenos da costa; a família imperial; e a igreja católica nas cidades mais antigas do Brasil, como nos distritos centrais de São Paulo, do Rio de Janeiro e do Recife, por exemplo. O que significa o laudêmio? Se alguém é proprietário de um terreno ou de uma casa e vende um desses imóvies, deve à municipalidade o imposto de transmissão, que está na ordem de 2,5% ou 3%; mas, se o imóvel está sujeito ao laudêmio, a pessoa que comprar o terreno deverá também, ao titular desse direito arcaico, o dobro do imposto de transmissão.

Além disso, o comprador deverá pagar, anualmente, uma determinada quantia. Isso é uma fonte de renda muito importante, garantida pelo Estado. Não está na Constituição brasileira, mas é direito líquido e certo. Ninguém pode deixar de recolher esse recurso. É impossível calcular, do ponto de vista prático, qual é o valor desse privilégio que o Estado brasileiro garante à Igreja Católica. Há outros exemplos, que não serão citados neste momento. Este já é suficiente para mostrar que o Estado brasileiro, parcialmente republicano, sempre foi, a despeito do que aparecia na Constituição, um Estado concordatário.

A partir da Concordata firmada com o Vaticano, em fins de 2008, o Estado Brasileiro é manifestadamente concordatário. Trata-se de um acordo entre a República Federativa do Brasil e a Santa Sé que prescreve não os interesses comuns, mas apenas os interesses da Igreja Católica no Brasil.

De uma maneira geral, os itens da Concordata brasileira são os mesmos da concordata firmada pelo governo de Portugal com a Santa Sé. Parece que é como se houvesse uma espécie de modelito prévio a ser adaptado a cada caso.

Por exemplo, entre os artigos da Concordata brasileira há uma abordagem que envolve questões trabalhistas com os quadros da Igreja Católica. Vale ressaltar que esse ponto não está presente na concordata de Portugal. Sobre o ensino religioso, ela diz sobre o direito dos jovens portugueses terem o ensino da religião e moral católicas na escola. Não fala dos outros credos, na concordata portuguesa. No Brasil, ela tem formato que parece misturar um pouco da legislação civil brasileira. Mas, sobre as questões trabalhistas, a Concordata separa os quadros da Igreja Católica de todos os demais da legislação trabalhista brasileira e da Justiça do Trabalho. Ela retira de seu âmbito todos os casos de petições de reivindicações de direitos para sacerdotes, irmãos, leigos e freiras; enfim, do pessoal da igreja católica. A concordata estabelece que seu trabalho é necessariamente voluntário. Isso é incrível porque o que está acontecendo é que gente que trabalha para a Igreja Católica durante décadas e depois vai à Justiça do Trabalho e busca reivindicar direitos, vai encontrá-la legalmente impedida.

A clarificação desse ponto apareceu num jornal do Rio de Janeiro, O Globo. Um pequeno artigo publicado no dia seguinte ao da aprovação da concordata, assinado por um Juiz do Superior Tribunal do Trabalho, aliás, um militante direitista e criminizador do aborto, Ives Granda, dizia que, finalmente, essa ambigüidade foi retirada da legislação brasileira.

A concordata prevê, também, que a anulação de um casamento na instância religiosa, passa a ter reconhecimento civil.

Link direto para o artigo:
http://www.socialismo.org.br/portal/politica/47-artigo/1046-brasil-laico-ou-concordatario


5 de ago de 2009

Consciência Negra 2009

Fundação Cultural Palmares lança edital para apoio a projetos culturais

A Fundação Cultural Palmares, instituição vinculada ao Ministério da Cultura, realiza seleção pública para apoio a projetos culturais com o lançamento do edital Idéias Criativas para 20 de novembro - Dia Nacional da Consciência Negra 2009, com o tema Renascimento Africano Fesman*.

O objetivo é selecionar idéias criativas em todo o país, que tragam em seu conteúdo, por meio de atividades culturais, subsídios para a promoção da Lei nº 10.639/03, tendo como público alvo crianças e jovens em idade escolar.

A lei, que torna obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afrobrasileira, prevê o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil.

O período de inscrição é de 31 de julho a 14 de setembro e os projetos deverão ser enviados somente por meio dos serviços de postagem da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

A relação dos projetos inscritos será divulgada no site da FCP. Informações: (61) 3424-0113 ou pelo email edital20denovembro2009@palmares.gov.br.

*Fesnam: Festival Mundical de Artes Negras

(Fonte: Ascom FCP/MinC)

Minc lançou Edital de inscrição de projetos para Alagoas

A iniciativa do Ministério da Cultura (Minc) tem como alvo beneficiar jovens residentes em municípios do semiárido com apoio financeiro a projetos culturais das mais diversas linguagens.

Os editais Miscroprojetos Mais Cultura investirão R$ 13,5 milhões nos 11 estados que integram a região do semiárido - Paraíba, Alagoas, Ceará, Piauí, Bahia, Rio Grande do Norte, Sergipe, Maranhão, Pernambuco, Minas Gerais e Espírito Santo.

O objetivo é promover a diversidade cultural por meio do fomento e incentivo aos artistas, grupos artísticos independentes e pequenos produtores culturais. As iniciativas a serem contempladas deverão beneficiar jovens de 17 a 29 anos residentes na região.

Seis segmentos serão atendidos pelo Microprojetos Mais Cultura: artes visuais, artes cênicas, música, literatura, audiovisual e artes integradas. Cada iniciativa receberá de um a 30 salários mínimos. Os projetos deverão ser realizados e concluídos em um ano, a partir da data de assinatura do contrato entre os contemplados e o Banco do Nordeste(BNB).

Poderão participar pessoas físicas com idade igual ou superior a 18 anos e que residam há pelo menos dois anos nos municípios onde pretendem realizar seus projetos; e pessoas jurídicas, sem fins lucrativos, que desenvolvam projetos socioculturais há pelo menos um ano e que tenham sua sede no município onde pretendem realizar suas ações.

No dia 27 de julho foi publicado no Diário Oficial da União os Editais para as regiões dos estados de Parnambuco, Bahia, Maranhão e Alagoas. Veja aqui a publicação.

O semiárido alagoano vai da cidade de Arapiraca, passando por Delmiro Gouveia e Palmeiras dos Índios, chegando até a cidade de Traipu. Veja aqui a lista de todas as cidades do semiárido alagoano.

Infelizmente nenhum cidadão de União dos Palmares poderá inscrever projetos nesse edital para Alagoas do programa Mais Cultura do Minc. Como sabemos, União faz parte da zona da mata alagoana, e é dita como cidade polo dessa microregião.

Assim, aqui em União dos Palmares, bem como em cidades como Maceió, São Miguel dos Campos, São José da Laje ou Murici, o jeito é esperar por ações do governo estadual ou municipal. Em União, ao que parece, se for pra esperar por um suspiro de vida da Secretaria de Cultura, é melhor ficar sentado, pois pode demorar um pouco.